Refletimos sobre a alteração na forma de concessão do benefício da justiça gratuita na Justiça do Trabalho, após a entrada em vigor da Lei 13.476/17.

Resumo: O presente trabalho discute a alteração na forma de concessão do benefício da justiça gratuita na Justiça do Trabalho, após a entrada em vigor da Lei 13.476/17, popularmente conhecida como reforma trabalhista. A alteração trazida pela reforma trabalhista no artigo 790, ou seja, na cobrança de custas processuais ao reclamante, fere nitidamente o acesso à justiça, causando insegurança ao trabalhador brasileiro, que agora teme em lutar por seus direitos na justiça, ante o receio de ser compelido a arcar com as custas processuais e prejudicar o seu sustento. Deste modo, o presente trabalho tem o objetivo de reforçar a importância da justiça gratuita na seara trabalhista, bem como de apontar referida inconstitucionalidade causada pela reforma trabalhista.

Palavras Chaves: Acesso à justiça, reforma trabalhista, inconstitucionalidade.


1 Introdução

A busca pelo acesso à justiça, como garantia fundamental no Brasil, foi longa e morosa, mas depois de diversas alterações no ordenamento jurídico, esse direito se consagrou, passando o acesso à justiça a uma garantia fundamental pela atual Constituição Federal. Contudo, após diversos anos para que o acesso à justiça fosse alçado a condição de garantia fundamental, com a promulgação da Lei 13.467/17, percebe-se certo retrocesso nos direitos dos trabalhadores brasileiros.

A lei 13.467/17 foi uma das maiores alterações na legislação trabalhista na história do país, e foi elaborada com a promessa de obter máxima eficiência nas relações de trabalho. Contudo, não foi exatamente o que aconteceu, pois grande parte dos artigos alterados foi alterada em prejuízo do trabalhador, principalmente, o artigo 790, que mitigou o acesso a justiça.

Desta forma, o presente artigo se dispõe, justamente, a problematizar essa mitigação, explanando a importância do acesso à justiça na sociedade brasileira e explanando como a alteração do artigo 790 da CLT se mostra inconstitucional, ferindo o acesso à justiça na seara trabalhista.


2 Da assistência jurídica. Evolução histórica do instituto jurídico no Brasil.

A evolução histórica no ordenamento jurídico brasileiro acerca das disposições atinentes ao acesso à justiça e as previsões legislativas no concernente à gratuidade judiciária foi longa e morosa, sendo incerto o momento exato de seu surgimento.

No contexto mundial, é imperioso registrar que há indícios de que havia uma preocupação com o acesso à justiça desde o código Hamurabi (séculos XXI XVII a.c.).

Assim o Epílogo do Código de Hamurábi faz essa menção:

“As justas leis que Hamurabi, o sábio rei, estabeleceu e (com as quais) deubase estável ao governo... Eu sou o governador guardião... Em meu seio trago o povo das terras de Sumer e Acad: ... em minha sabedoria eu os refreio, para que o forte não oprima o fraco e para que seja feita justiça à viúva e ao órfão ... Que cada homem oprimido compareça diante de mim, como rei que sou da justiça”.

A primeira constituição do Brasil (1824) não previa tal direito expressamente, e nem mesmo nada similar. Contudo, apesar de não prever tal garantia, alguns eventos marcantes aconteceram durante a vigência desta Constituição.

Como primeiro marco, pode-se mencionar as ratificações havidas nas disposições das Ordenações Filipinas estabelecidas em 1603, as quais tendiam em garantir a assistência jurídica gratuita aos necessitados, patrocinando de forma gratuita um advogado.

Conforme lição de Celso Ribeiro Bastos, no Brasil, remontam-se as Ordenações Filipinas a gênese da assistência judiciária, onde no livro III, capítulo LXXXIV, parágrafo X, que trata sobre os agravos das sentenças definitivas, dita o seguinte:

Em sendo o agravante tão pobre que jure não ter bens móveis, nem de raiz; nem por onde pague o agravo, e dizendo na audiência uma vez o Pater Nosterpola alma delHey Dom Diniz (3), ser-lha-ha havido como que pagasse os novecentos reis, contanto que tire de tudo certidão dentro no tempo, em que havia de pagar o aggravo[1]

Já como segundo marco, houve a aprovação da proposta do “Instituto da Ordem dos Advogados Brasileiros”, que possuía a obrigação de disponibilizar alguns de seus membros para atenderem pessoas carentes e defende-las.

Contudo, esses fatos não sobrevieram em decorrência de qualquer disposição prevista na Constituição de 1824, pois sua origem era tão-somente infraconstitucional.

Nesta esteira, foi publicada a primeira Constituição Republicana, em 1891, que inovou trazendo a ampla defesa, mas ainda sem apresentar nenhum avanço quanto o acesso à justiça.

Art 72 - A Constituição assegura a brasileiros e a estrangeiros residentes no País a inviolabilidade dos direitos concernentes à liberdade, à segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes:

§ 16 - Aos acusados se assegurará na lei a mais plena defesa, com todos os recursos e meios essenciais a ela, desde a nota de culpa, entregue em 24 horas ao preso e assinada pela autoridade competente com os nomes do acusador e das testemunhas.

Já em 1934, foi editada nova constituição, apresentando finalmente algumas inovações quanto ao acesso à justiça, prevendo como competência legislativa concorrente entre união e os estados a obrigatoriedade da prestação de assistência judiciaria gratuita por parte do Estado.

Art 113 - A Constituição assegura a brasileiros e a estrangeiros residentes no País a inviolabilidade dos direitos concernentes à liberdade, à subsistência, à segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes: 

32) A União e os Estados concederão aos necessitados assistência judiciária, criando, para esse efeito, órgãos especiais assegurando, a isenção de emolumentos, custas, taxas e selos.

A partir de então, a assistência jurídica passou a ter previsão em todas as constituições seguintes, exceto na de 1937, e teve então concretizado seu caráter constitucional.

Não obstante, o acesso à justiça como garantia fundamental surgiu mais explicitamente no Brasil pela primeira vez na constituição de 1946, contudo, não era exercido na pratica, e ficava apenas no papel, visto que os governantes e políticos da época tentavam a todo preço coibir a pratica do populismo.

Art 141 - A Constituição assegura aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade dos direitos concernentes à vida, à liberdade, a segurança individual e à propriedade, nos termos seguintes:

§ 35 - O Poder Público, na forma que a lei estabelecer, concederá assistência judiciária aos necessitados.

Em 1967, foi outorgada nova Constituição brasileira, a qual garantiu expressamente o direito ao acesso à justiça, com dispositivos que asseguravam os direitos a ampla defesa, o juiz natural e assistência judiciaria aos necessitados.

 Art. 150.  A Constituição assegura aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pais a inviolabilidade dos direitos concernentes à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade, nos têrmos seguintes:

 § 15.  A lei assegurará aos acusados ampla defesa, com os recursos a ela inerentes. Não haverá fôro privilegiado nem tribunais de exceção.

 § 32.  Será concedida assistência judiciária aos necessitados, na forma da lei.

No entanto, em 1968, houve um retrocesso nos direitos fundamentais até então conquistados pelo povo. O ato institucional 5, de 13 de dezembro de 1968 outorgado pelo presidente da república que aliás, não tinha legitimidade para tal ato, antevia em um dos seus artigos que “excluem-se de qualquer apreciação judicial todos os atos praticados de acordo com este ato institucional e seus ato complementares, bem como os respetivos efeitos”.

Contudo, em 1969, foi editada pelo ministros militares, por meio de outorga a emenda constitucional, que modificava a carta de 1967, considerando materialmente outorgada a constituição de 1969. A carta politica de 1969 tinha um extenso rol de direitos e garantias individuais que jamais foram efetivados em virtude do ato institucional 5 do ano de 1968.

Assim, a partir da década de 1970, o Brasil conseguiu, enfim, dar os primeiros passos para os movimentos sociais, visando lutar pela igualdade social, cidadania plena e debater os problemas até então vividos pela população diariamente.

Na década de 1980, esses movimentos sociais de acesso à justiça começaram a se intensificar com as várias modificações legislativas que aconteciam, como por exemplo a Lei 7.244, de 7 de novembro de 1984, que criou os Juizados de Pequenas Causas como intuito de tornar a Justiça mais acessível às pessoas.

E, logo após, com a constituição de 1988 é que o acesso à justiça foi consagrado, assegurando efetivamente o acesso à justiça a todos os brasileiros em seu artigo 5º inciso XXXV, in verbis:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;

Contudo, apesar de toda essa longa e incisiva trajetória enfrentada pela sociedade brasileira para alcançar o acesso à justiça como uma garantia fundamental, a recente reforma trabalhista (Lei n° 13.467/2017), que entrou em vigor em 11/11/2017, trouxe em seu artigo 790-A, um novo texto relacionado à justiça gratuita, fixando honorários de sucumbência aos advogados, ainda que em causa própria, leia-se:

Art. 790. Nas Varas do Trabalho, nos Juízos de Direito, nos Tribunais e no Tribunal Superior do Trabalho, a forma de pagamento das custas e emolumentos obedecerá às instruções que serão expedidas pelo Tribunal Superior do Trabalho. (Redação dada pela Lei nº 10.537, de 27.8.2002)

§ 3o É facultado aos juízes, órgãos julgadores e presidentes dos tribunais do trabalho de qualquer instância conceder, a requerimento ou de ofício, o benefício da justiça gratuita, inclusive quanto a traslados e instrumentos, àqueles que perceberem salário igual ou inferior a 40% (quarenta por cento) do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social. (Redação dada pela Lei nº 13.467, de 2017)

§ 4o  O benefício da justiça gratuita será concedido à parte que comprovar insuficiência de recursos para o pagamento das custas do processo.

Desta forma, a reforma veio acarretando fim aos benefícios da justiça gratuita na seara trabalhista, o que causa notória ofensa ao livre acesso ao judiciário, visto que impossibilita a parte necessitada da população de lutar por seus direitos devido às custas processuais que não possuem condições de arcar, sem o prejuízo de seu próprio sustento, sendo então privados lamentavelmente do acesso à justiça.


3 Conceitos de acesso à justiça e gratuidade judiciária.

O conceito de acesso à justiça pode ser analisado sob diversas perspectivas, vez que engloba diversos direitos e garantias fundamentais concedidos aos cidadãos pela atual Constituição Federal. Nesta esteira, é necessário elucidar em que compreende o acesso à justiça.

Segundo as palavras de Humberto Teodoro Junior (2016, p.74) por acesso à justiça hoje se compreende o direito a uma tutela efetiva e justa para todos os interesses dos particulares agasalhados pelo ordenamento jurídico.

Neste aspecto, vale transcrever as palavras de Greco (2010, pag. 831), que diz:

[...] O acesso à justiça se dá individualmente, por meio do direito conferido a todas as pessoas naturais ou jurídicas de dirigir-se ao Poder Judiciário e dele obter reposta acerca de qualquer pretensão, contando com a figura do juiz natural e com sua imparcialidade; com a garantia do contraditório e da ampla defesa, com ampla possibilidade de influir eficazmente na formação das decisões que irão atingir os interesses individuais em jogo; com o respeito a esfera dos direitos e interesses disponíveis do litigante com prestação da assistência jurídica aos carentes, bem como com a preocupação de assegurar a paridade de armas entre os litigantes na disputa judicial; e com a coisa julgada, como garantia da segurança jurídica e da tutela jurisdicional efetiva.

Portanto, o acesso à justiça é uma garantia que a população tem de resolver seus conflitos e interesses particulares de forma justa através do Poder Judiciário e com diversas garantias processuais. É uma forma de postular e ingressar com demandas para buscar a garantia de direitos.

Nesta esteira, para que haja o acesso à justiça, é necessário que a parte provoque para que ocorra a devida prestação jurisdicional. Contudo, grande parte da população não possui condições para arcar com as custas que são necessárias para que se desenvolva o processo. E é para isso que foi desenvolvido o instituo da justiça gratuita em nosso ordenamento, garantindo o livre acesso à justiça não apenas para quem tem condições de arcar com as custas do processo, mas também para aqueles que não possuem recursos suficientes para tal.

A justiça gratuita se refere à isenção de todas as custas e despesas judiciais e extrajudiciais referentes aos atos indispensáveis ao andamento do processo até que alcance o seu provimento final,englobando as custas processuais e as diversas despesas decorrentes do processo.

Em seu artigo 5º, inciso LXXIV, a Constituição Federal regulamenta que “o estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos”.

Destarte, a gratuidade da justiça foi regulamentada também pela Lei 1.060 de 5 de fevereiro de 1950 que estabelece normas para a concessão de assistência judiciaria aos necessitados. Contudo, grande parte dos artigos da referida lei foram revogados com a entrada em vigor do Novo Código de Processo Civil no ano de 2015. O novo CPC passou a regulamentar a concessão da justiça gratuita, abrindo uma seção especial para tratar do assunto do artigo 98 ao artigo 102, leia-se:

Art. 98.  A pessoa natural ou jurídica, brasileira ou estrangeira, com insuficiência de recursos para pagar as custas, as despesas processuais e os honorários advocatícios tem direito à gratuidade da justiça, na forma da lei.

Art. 99.  O pedido de gratuidade da justiça pode ser formulado na petição inicial, na contestação, na petição para ingresso de terceiro no processo ou em recurso.

Desta forma, conforme disciplina o artigo 98, todas as pessoas com insuficiência de recursos para pagar as custas, as despesas processuais e os honorários advocatícios possuem direito à gratuidade da justiça.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria