O Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 01 de março de 2018, entendeu ser possível a alteração de nome e estado sexual (sexo) no assento de registro civil de travestis, homens trans e mulheres transexuais, diretamente em cartório, mesmo sem a realização.

Decisão:

O Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 01 de março de 2018, entendeu ser possível a alteração de nome e estado sexual (sexo) no assento de registro civil de travestis, homens trans e mulheres transexuais, diretamente em cartório, mesmo sem a realização de procedimento cirúrgico de redesignação de sexo, e sem necessidade de apresentação de laudo médico.

A decisão ocorreu no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4275.

Direitos humanos e garantia da dignidade da pessoa humana:

Em seu voto a Ministra Carmen Lúcia afirmou que “o Estado há que registrar o que a pessoa é, e não o que acha que cada um de nós deveria ser, segundo a sua conveniência”.

O Ministro Ricardo Lewandowski, por sua vez, citou os princípios da autodeterminação, da autoafirmação e da dignidade da pessoa humana para fundamentar seu voto.

Com algumas divergências suscitadas, o Plenário do Tribunal decidiu "reconhecer aos transgêneros que assim o desejarem, independentemente da cirurgia de transgenitalização, ou da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes, o direito à substituição de prenome e sexo diretamente no registro civil".

Link da notícia: encurtador.com.br/blpIK

Considerações sobre o assunto:

As demandas da população LGBT+, em especial das travestis, homens trans e mulheres transexuais foram ignoradas ao longo de toda a história. Tanto tempo de silenciamento resultou em uma marginalização sem tamanho, com graves violações de direitos por parte da sociedade e do próprio Estado. Uma das principais reivindicações se dá no campo dos Direitos da Personalidade, com o pleito de retificação do prenome e estado sexual em seu Registro Civil e demais documentos de identificação.

A presente decisão do STF proporcionará uma significativa mudança na realidade de sofrimento e dificuldades experimentados por esta população, acostumada a ver seus pedidos judiciais negados ou dificultados em razão da não realização de cirurgia de transgenitalização (por diversos motivos), ausência de laudos patologizantes, ficando à mercê do julgamento, ainda extremamente preconceituoso, dos magistrados brasileiros.

No ano de 2016 publicamos artigo na Revista Liberdades (IBCCRIM), abordando o tema, sendo que a leitura do mesmo demonstra o grande avanço consagrado pela decisão histórica tratada nesta postagem.

Link do artigo: http://www.ibccrim.org.br/docs/2017/liberdades23.pdf

Parabenizamos o STF e seus Ministros pela histórica decisão, mas primordialmente as advogadas e advogados, defensoras e defensores públicos que trabalharam exaustivamente para a garantia de dignidade e humanidade à parcela T do grupo LGBT+.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

2

  • 0

    Claudia Ribeiro

    Boa tarde meu nome é Claudia sou de Itu/SP e após a decisão do STF sobre a retificação do nome civil e gênero de nós transexuais, gostaria de lhe perguntar se será como no caso da união homoafetiva que o STF determinou e enviou a todos os cartórios nacionais a obrigatoriedade em seguir a nova decisão? Pois já fui no Cartorio de Registros Civis aqui de Itu e até hoje 10/05/2018 eles dizem não terem recebido nada ainda nos impedindo tal retificação, Obrigada Dra.