De acordo com o STJ, a restrição do plano de saúde com relação a determinadas doenças é permitida, porém a restrição de técnica de tratamento é coibida.

É de conhecimento geral que a "saúde é direito de todos e dever do Estado". No entanto, a República Federativa do Brasil, através do SUS (Sistema Único de Saúde), não consegue atender com qualidade todos que necessitam a auxilio médico hospitalar. Diante dessa dificuldade, as empresas especializadas em Plano de Saúde vêm cada dia mais atraindo novos clientes e encarecendo cada mais e prestação desse serviço.

Os planos de saúde atualmente regulam no ato da contratação quais doenças não são passíveis de tratamentos pela operadora. Tal atitude diminui os gastos e consequentemente aumenta os das empresas do ramo.

Entretanto, não muito comum, mas, ocorrendo casos esporádicos em todo país, a restrição técnica de tratamento diminui ainda mais os gastos das operadoras de plano de saúde. Contudo, essa prática restritiva não é permitida, conforme veremos abaixo na decisão do Supremo Tribunal de Justiça.

O entendimento tem origem da 4ª Turma de Supremo Tribunal de Justiça, em recurso especial contra uma empresa de plano de saúde que não autorizou o procedimento robótico em paciente com câncer.

Em síntese o procedimento cirúrgico até foi autorizado pela Operadora de Plano de Saúde, mas, após o término do procedimento a mesma restringiu a cobertura alegando que houve procedimento com auxilio robótico. A nosso ver, aqui houve nitidamente manifestação repudiando procedimentos que encarecem o tratamento/cura.

Segundo o médico do presente caso cirúrgico, o procedimento era necessário, tendo em vista que, evita e metástase da neoplasia.

No que tange a decisão do juiz de 1º grau, este julgou ilegal a restrição da cobertura. Em sede de recurso no Tribunal de Justiça de São Paulo, reformou-se a decisão.

Já a Ministra relatora Isabel Gallotti, do Superior Tribunal de Justiça, em Recurso Especial, disse que: “tratamento experimental é aquele que não há comprovação médico cientifica de sua eficácia, e não o procedimento que, a despeito de efetivado com a utilização de equipamentos modernos, é reconhecido pela ciência e escolhido pelo médico como o método mais adequado à preservação da integridade física e ao completo reestabelecimento da paciente.” (OAB São Paulo, Jornal do Advogado – Ano XXXIX – nº 390 – Dez 2013/Jan 2014, Pág. 21).

Em destaque a Ministra Isabel Gollotti na Jurisprudência já mencionada do STJ entende que “não pode o paciente ser impedido de receber o tratamento com método mais moderno em razão de cláusula limitativa”.

Diante do exposto acima a Ministra Relatora concluiu que: “sendo certo que o contrato celebrado entre as partes previa a cobertura para a doença que acometia o autor da ação, é abusiva a negativa da operadora do plano de saúde de utilização da técnica mais moderna disponível no hospital credenciado pelo convênio e indicado pelo médico que assiste o paciente, nos termos da considerada jurisprudência deste Tribunal sobre o tema.” (REsp 1320805).   


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0