Direito comercial ou direito empresarial é um ramo do direito privado que pode ser entendido como o conjunto de normas disciplinadoras da atividade negocial do empresário.

Breve abordagem do Direito Empresarial

Direito comercial ou direito empresarial é um ramo do direito privado que pode ser entendido como o conjunto de normas disciplinadoras da atividade negocial do empresário, e de qualquer pessoa física ou jurídica, destinada a fins de natureza econômica, desde que habitual e dirigida à produção de bens ou serviços conducentes a resultados patrimoniais ou lucrativos, e que a exerça com a racionalidade própria de "empresa", sendo um ramo especial de direito privado.

Pessoas Jurídicas

1. Noção Geral:

O Estado depende exclusivamente de lei para criar as PJ.

Público:

  1. Ente – ser;
  2. Adm. Direta (autarquias, fundações Públicas);
  3. Adm. Indireta

Art. 2º CF e art. 18 CF

Administração Indireta:

• Sociedade de economia mista;

• Empresas Públicas

Lei 6.404 (Fala-se especialmente das SA)

Pessoas Jurídicas de Direito Privado

art. 44 CC – Associações, sociedades, fundações, organizações religiosas, partidos políticos, empresas individuais Ltda.

art.50 CC – Abuso da personalidade.

Sempre que houver o DESVIO de finalidade ou confusão patrimonial.

Outorga Uxória: Para a prática de determinados atos, a lei exige que a pessoa casada tenha o consentimento do outro cônjuge (marido ou esposa). Essa autorização é o que se denomina outorga uxória.

art. 170 CF - Estudar este artigo em conjunto com os demais abaixo.

art. 422 CC – Fala-se em probidade não somente na administração pública, mas os naturais. Quando fala-se em pessoa natural, fala-se em capacidade.

art. 966 CC e CLT art. 2º - Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.

Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa.

• Tudo o que você não conseguir demandar sozinho, passará a ser uma empresa.

Para caracterizar a atividade empresaria se faz necessário a observância das regras a cumprir:

- Capital (aporte financeiro);

- Insumos (produtos/serviços a serem ofertados);

- Tecnologia;

- Mão-de-obra.

Atividade Empresária:

Acordo entre partes (sócios) → Contrato social (ltda) → Estatuto social (S/A)

art. 967 CC – Se não for registrado, mesmo assim será empresário, porém, quem responde será o mesmo, com seu patrimônio.

art. 968 CC – O contrato social (registro) do empresário:

I. O nome, nacionalidade (art. 5ºCF e art. 170CF onde lê-se ordem econômica e livre iniciativa).

- Domicílio (art. 75CC)

Art.75CC - Quanto às pessoas jurídicas, o domicílio é:

I - da União, o Distrito Federal;

II - dos Estados e Territórios, as respectivas capitais;

III - do Município, o lugar onde funcione a administração municipal;

IV - das demais pessoas jurídicas, o lugar onde funcionarem as respectivas diretorias e administrações, ou onde elegerem domicílio especial no seu estatuto ou atos constitutivos.

§ 1o Tendo a pessoa jurídica diversos estabelecimentos em lugares diferentes, cada um deles será considerado domicílio para os atos nele praticados.

§ 2o Se a administração, ou diretoria, tiver a sede no estrangeiro, haver-se-á por domicílio da pessoa jurídica, no tocante às obrigações contraídas por cada uma das suas agências, o lugar do estabelecimento, sito no Brasil, a que ela corresponder.

II. É a assinatura do empresário. É a firma, a atividade jurídica.

III. É lastro, segurança.

Pode ser subscrito ou integralizado.

Credores: Empregado, ônus reais, fisco.

O credor da PJ é rei, tem preferencia.

O capital segura não somente o passivo, mas o nome, a credibilidade.

Arts. 969, 972, 973, 974, 977, 978 para serem acompanhados neste início de Direito Empresarial.

IV. Art. 50CC e art. 75CC

art. 969 CC – Toda a extensão da empresa deverá ter devidamente sua filial.

A CF já menciona que menor 14 anos aprendiz poderá exercer atividade econômica.

art. 972 CC – faz referência ao art. 5º CC, I.

art. 973 CC – faz referência ao art. 95, §único, I e IV CF, estar desimpedido civil e criminalmente etc.

art. 974 CC – mesmo perdendo a capacidade, o empresário não perde a capacidade de ser empresário, será assistido, segundo decisão judicial.

Obs: A principal preocupação deverá ser com os “credores”.

art. 977 CC – haverá sempre uma preocupação do MP com a separação dos casais.

Obs: Síndico da massa falida funciona como um “oficial de justiça”, porque o juiz não tem condições físicas para verificar a massa.

Todos os movimentos quem faz é o síndico. Todavia o termo "síndico" foi alterado para "Administrador Judicial".

art. 978 CC – redação e entendimento literal.

Obs1: Menor não tendo capacidade, exercerá a atividade através da “Emancipação”.

Obs2: Perdendo a capacidade, este poderá exercer a atividade empresarial pela “representação”.

• Empresário individual: Responde 100% com seu patrimônio individual.

•  EIRELI: Empresa não se mistura com patrimônio individual dos sócios.

• Sociedade Empresária: Sócio faz o registro, adquire a personalidade, empresta a capacidade.

Sociedade em conta de participação

Art. 991 CC - Sócio Ostensivo (pessoa natural – CPF), está revestida pela pessoa natural.

§ único – Sócio Participante NÃO tem nenhuma responsabilidade.

Art. 991. Na sociedade em conta de participação, a atividade constitutiva do objeto social é exercida unicamente pelo sócio ostensivo, em seu nome individual e sob sua própria e exclusiva responsabilidade, participando os demais dos resultados correspondentes.

Parágrafo único. Obriga-se perante terceiro tão-somente o sócio ostensivo; e, exclusivamente perante este, o sócio participante, nos termos do contrato social.

Art. 992 CC – no encontro de 2 pessoas independente de qualquer formalidade.

Art. 992 CC. A constituição da sociedade em conta de participação independe de qualquer formalidade e pode provar-se por todos os meios de direito.

Art. 993 CC – se o sócio participante opinar a certo ponto, ele passará a ser sócio ostensivo.

Art. 993 CC. O contrato social produz efeito somente entre os sócios, e a eventual inscrição de seu instrumento em qualquer registro não confere personalidade jurídica à sociedade.

Art. 994 CC – não se executa bens da sociedade porque não existe, apenas o ostensivo responderá com bens próprios.

Art. 994 CC. A contribuição do sócio participante constitui, com a do sócio ostensivo, patrimônio especial, objeto da conta de participação relativa aos negócios sociais.

§ 1º A especialização patrimonial somente produz efeitos em relação aos sócios.

§ 2º A falência do sócio ostensivo acarreta a dissolução da sociedade e a liquidação da respectiva conta, cujo saldo constituirá crédito quirografário.

§ 3º Falindo o sócio participante, o contrato social fica sujeito às normas que regulam os efeitos da falência nos contratos bilaterais do falido.

Art. 995 CC – o sócio ostensivo precisa se proteger.

Art. 995. Salvo estipulação em contrário, o sócio ostensivo não pode admitir novo sócio sem o consentimento expresso dos demais.

  • Não se aplica a sociedade de direito público.
  • O sócio ostensivo é pessoa natural.
  • PJ não pode conforme art. 991.

Art. 991 CC. Na sociedade em conta de participação, a atividade constitutiva do objeto social é exercida unicamente pelo sócio ostensivo, em seu nome individual e sob sua própria e exclusiva responsabilidade, participando os demais dos resultados correspondentes.

Crédito quirografário – art. 100, §1º CF – não tem privilégios no recebimento.

• O 1º a receber alimentos é o empregado.

Art. 100, § 1º CF - Os débitos de natureza alimentícia compreendem aqueles decorrentes de salários, vencimentos, proventos, pensões e suas complementações, benefícios previdenciários e indenizações por morte ou por invalidez, fundadas em responsabilidade civil, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, e serão pagos com preferência sobre todos os demais débitos, exceto sobre aqueles referidos no § 2o deste artigo. (Redação dada pela Emenda Constitucional no 62, de 2009).

Art. 1.001 CC. As obrigações dos sócios começam imediatamente com o contrato, se este não fixar outra data, e terminam quando, liquidada a sociedade, se extinguirem as responsabilidades sociais.

Art. 1.002 CC – porque a sociedade foi composta pelas partes, há de se ter um consenso.

• qualquer alteração na sociedade empresária tem que haver registro.

Art. 1.002 CC. O sócio não pode ser substituído no exercício das suas funções, sem o consentimento dos demais sócios, expresso em modificação do contrato social.

Art. 1.003, §único CC – só responsabilizado se tudo estiver regularmente contabilizado.

Art. 1.003 CC. A cessão total ou parcial de quota, sem a correspondente modificação do contrato social com o consentimento dos demais sócios, não terá eficácia quanto a estes e à sociedade.

Parágrafo único. Até dois anos depois de averbada a modificação do contrato, responde o cedente solidariamente com o cessionário, perante a sociedade e terceiros, pelas obrigações que tinha como sócio.

Art. 1.004 CC – se o sócio não tem o aporte financeiro em 30 dias, ele é remisso.

§ único – ou EU te compro, ou EU te excluo.

Art. 1.004 CC. Os sócios são obrigados, na forma e prazo previstos, às contribuições estabelecidas no contrato social, e aquele que deixar de fazê-lo, nos trinta dias seguintes ao da notificação pela sociedade, responderá perante esta pelo dano emergente da mora.

Parágrafo único. Verificada a mora, poderá a maioria dos demais sócios preferir, à indenização, a exclusão do sócio remisso, ou reduzir-lhe a quota ao montante já realizado, aplicando-se, em ambos os casos, o disposto no § 1º do art. 1.031.


Art. 1.005 CC – evicção (perda de um bem pelo adquirente, em consequência de reivindicação feita pelo verdadeiro dono, e por cujo resguardo é responsável o alienante, nos contratos bilaterais)

Art. 1.005 CC. O sócio que, a título de quota social, transmitir domínio, posse ou uso, responde pela evicção; e pela solvência do devedor, aquele que transferir crédito.

art. 1.142 CC:

• Complexo de Bens: (mão de obra, aporte, matéria prima);

• A marca (logomarca) é o Bem + importante da empresa;

• Know-how, tecnologia etc. São considerados Bens.

Art. 1.142 CC. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária.

art. 1.143 CC, art. 1.146 – Faz referências ao art. 1.144

art. 1.144 CC – alienação, usufruto ou arrendamento → Somente terceiros administrarão.

Art. 1.144 CC. O contrato que tenha por objeto a alienação, o usufruto ou arrendamento do estabelecimento, só produzirá efeitos quanto a terceiros depois de averbado à margem da inscrição do empresário, ou da sociedade empresária, no Registro Público de Empresas Mercantis, e de publicado na imprensa oficial.

art. 1.145 CC – trata-se da solvência.

• o balanço é uma forma de atestar a saúde empresarial e evitar a insolvência.

Art. 1.145 CC. Se ao alienante não restarem bens suficientes para solver o seu passivo, a eficácia da alienação do estabelecimento depende do pagamento de todos os credores, ou do consentimento destes, de modo expresso ou tácito, em trinta dias a partir de sua notificação.

art. 1.146 CC – Entendimento literal

art. 1.155 CC – nome empresarial (Lei 6.404, art. 3º)

art. 1.156 CC – associar a atividade com a inclusão de outras pessoas.

art. 1.157 CC – refere-se ao art. 15 do Estatuto da OAB

• “e companhia” não cabe ao advogado.

• art. 16 – atividade mercantil.

art. 1.158 CC – Limitada ou Ltda.

§3º - Tudo o que gira entorno da pessoa jurídica, torna capital integralizado.

art. 1.159 CC – A Cooperativa - Lei. 5.764

- o cooperado terá cotas;

- busca união para desta união ter benefícios;

- cooperativa decreta não abre falência;

- não visa lucro, somente em benefício da categoria;

- a cooperativa tem lucratividade;

art. 1.160 CC – A S/A pode ser conhecida como Companhia ou pós-cedida S/A. Ou precedida:

EX: SA Estado de Minas, Banco do Brasil SA.

Aula apenas para comentar o trabalho da próxima semana.

Lei 8.245 Lei de locação:

Art. 52 – O locador não está obrigado..

Art. 54 – Literal

Art. 980A (EIRELI)

Art. 1.142 até 1.149 (Estabelecimento)


Referências:

Veredictum [+]

Constituição Federal de 1988 (completa) [+]

Código Civil Brasileiro de 2002 (completo) [+]

Wikipedia [+]


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso