A Justiça Federal deve considerar seriamente as consequências jurídicas e diplomáticas da denúncia feita por Lula no United Nations Human Rights Council em Genebra.

O início das férias forenses deve ser uma oportunidade para reflexão.

Duas coisas extremamente importantes correram neste ano judiciário. O primeiro foi a denúncia de Lula com base em convicções político-ideológicas de Deltan Dellagnol e a curiosa aceitação da mesma por Sérgio Moro. O Juiz da Lava Jato teria sido mais técnico se rejeitasse a denúncia por faltar justa causa à uma perseguição penal que não se sustenta em evidências materiais e que pretende transformar em prova a narrativa política-ideológica elaborada pelo Promotor.

A segunda coisa relevante que ocorreu este ano foi a denúncia que o próprio Lula fez no United Nations Human Rights Council em Genebra. Através de seus advogados, dentre os quais um renomado especialista na matéria, o ex-presidente alegou que não terá um julgamento isento no Brasil. A alegação de Lula foi considerada suficientemente demonstrada, pois o UNHRC não rejeitou sumariamente o caso.

O Brasil tem jurisdição para investigar e punir os crimes cometidos em seu território. Mas não pode desprezar a jurisdição internacional, pois é subscritor das convenções internacionais que protegem os direitos humanos. Ao aderir voluntariamente às mesmas o Brasil se obrigou a respeitar as decisões internacionais que garantam os direitos humanos violados em seu território por autoridades brasileiras.

É claro que a UNHRC não tem como forçar o Brasil a se submeter à sua decisão. A coação internacional não é semelhante à coação estatal. O Estado pode usar a força policial contra o cidadão para impor o cumprimento da sentença penal condenatória. A mesma prerrogativa não é atribuída ao UNHRC, pois ele não dispõe de meios de violência para obrigar o Estado a respeitar os direitos humanos que foram violados no seu território.

Todavia, consequencias diplomáticas e econômicas de um país não acatar a decisão da UNHRC no podem ser devastadoras. Caso decida se rebelar contra a decisão da UNHRC que declarar que Lula deve ter um julgamento justo por outro juiz que não aquele que o persegue de maneira sistemática e até parcial, o Brasil se tornará um pária entre as nações civilizadas. E certamente sofrerá em razão disto.

Uma coisa deve ficar bem clara. A UNHRC não é competente para julgar Lula pelos fatos que lhe foram imputados pelo MPF. A competência da UNHRC se limita a matéria veiculada na denúncia de Lula, qual seja, a violação consumada ou iminente dos direitos humanos garantidos à ele pelas convenções internacionais.

Não sou especialista no assunto, mas me parece evidente que a procedência da demanda de Lula na UNHRC pode produzir efeitos jurídicos dentro do Brasil. Um deles seria, em tese, a anulação da condenação eventualmente imposta ao ex-presidente por um juiz considerado parcial que deveria ter sido excluído do processo por decisão da UNHRC. A legislação brasileira garante ao réu julgamento por juiz imparcial e a declaração internacional válida de parcialidade do juiz que proferiu a sentença condenatória não poderia ser ignorada por qualquer Tribunal brasileiro.

Uma vez estabelecida a competência de Sérgio Moro para julgar Lula só há duas maneiras dele não proferir a sentença. A primeira é ele se declarar impedido ou suspeito nos autos. A segunda é ele ser afastado do caso pelo Tribunal em razão do impedimento ou suspeição.

O que fazer neste caso específico em que a decisão internacional poderá acarretar consequencias diplomáticas para o Brasil e efeitos jurídicos no processo penal movido contra Lula?

No processo civil a suspensão do processo por causa de uma prejudicial externa é algo corriqueiro. Há previsão expressa regulando a hipótese (art. 313, V, letra “a”, do novo CPC). O mesmo não ocorre no processo penal, pois o Juiz não pode deixar de dar andamento no processo de maneira a beneficiar o réu com a prescrição. Todavia, a situação do caso Lula é excepcional. Afinal, uma decisão internacional poderá interferir na validade do processo criminal contra ele promovido na Justiça brasileira.

O Código de Processo Penal incumbe o juiz de provar à regularidade do processo e manter a ordem no curso dos respectivos atos (art. 251). O art. 1º, §1º, do CPP prescreve que os tratados, convenções e regras de direito internacional incidem de forma extraordinária sobre o processo penal. A solução para o impasse criado pelo conflito potencial entre a decisão da UNHRC e o comando e julgamento do processo de Lula no Brasil, portanto, tem solução.

Atendendo um requerimento dos advogados de Lula, Sérgio Moro pode suspender o processo até que o UNHRC profira sua decisão considerando-o ou não imparcial para julgar o ex-presidente brasileiro. Se ele não acolher este requerimento, o mesmo poderia ser renovado nas instâncias superiores até ser decidido finalmente pelo STF.

A excepcionalidade da Lava Jato já foi declarada num Acórdão em detrimento dos réus. Agora a excepcionalidade do caso pode e deve ser invocado pelo cidadão do mundo Lula em seu próprio benefício e contra o Estado brasileiro. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria