Explicação clara e simples sobre as principais dúvidas acerca da Prestação Alimentícia.

Diariamente recebo consultas para sanar dúvidas sobre a Prestação Alimentícia. Com o intuito de facilitar o acesso e explicar de forma objetiva e sem tanto "juridiquês", optei por fazer um Guia Prático para você que tem dúvidas, é entusiasta do tema ou pretende sanar litígios que envolvam a prestação de alimentos e a execução de alimentos, em caso de atraso ou não pagamento.

1. O que é Pensão Alimentícia? São valores destinados ao custeio de despesas para aqueles que não possuem condições financeiras para a própria subsistência. Engloba custos com Educação, Saúde, Lazer, Vestuário  e Locomoção.

2. Quem pode se beneficiar da Pensão? Filho, ex-cônjuge, ex-companheiro de União Estável, União Homoafetiva e os Pais. 

3. Os pais também podem pleitear alimentos em face dos filhos?  Sim! O Código Civil prevê reciprocidade do direito à prestação, podendo, portanto, ser pleiteado em face dos filhos uma vez comprovada a necessidade.

4. Posso pedir o valor que eu quiser?  É pergunta mais comum. A resposta é não! O valor da prestação alimentícia será baseada no trinômio Possibilidade - Necessidade - Proporcionalidade. A possibilidade de quem irá prestar a pensão, a necessidade de quem receberá a pensão e a proporcionalidade entre o que é necessário e possível. Em outras palavras: é preciso ponderar o que o favorecido necessita para a substência e a capacidade financeira de quem irá prestar, de forma que não prejudique sua própria subsistência. O Juiz, no caso, analisará e decidirá qual o valor ideal. No caso de possuir 2 filhos ou mais, será definido um percentual para cada um deles

5. Completei 18 anos. Vou perder a pensão? Não! O simples fato de atingir a maioridade não implica na revogação do direito à pensão alimentícia. A prestação alimentícia é uma demanda imprescritível. Poderá, portanto, ser solicitada a qualquer tempo e perdurará enquanto houver necessidade por parte de quem recebe. Isso reafirma a possibilidade dos pais pleitearem alimentos em face dos filhos, por exemplo. 

6. Poderei receber a prestação alimentícia mesmo após formado?  Veja bem, embora a prestação de alimentos seja imprescritível, a partir do momento em que ficar comprovada que você possui condições de arcar com a própria subsistência, poderá ser pleiteada, por quem paga, a exoneração do pagamento da pensão.

7. Filha Gestante perde o direito à prestação? Não perde. Pelo contrário. Poderá acarretar uma majoração para satisfazer a necessidade da gestante.  Os Alimentos Gravídicos englobam todos os gastos necessários durante a gestação. Poderá ser pleiteada, inclusive, contra o futuro pai, quando houverem indícios inequívocos da paternidade, que perdurarão até o nascimento da criança, convertendo-se em prestação alimentícia após o nascimento.  Se ficar comprovado que não é genitor da criança, mediante exame de DNA, poderá arguir a exoneração.  

8. Estar desempregado é desculpa para não pagar pensão? De forma alguma. Não possuir renda não exonera o dever de prestar alimentos.  Se o pai ou a mãe não possuírem recursos, a ação poderá ser pleiteada contra a pessoa de grau imediato. Ex: Pode pleitear ação em face dos avós. 

9. É possível solicitar aumento na prestação? Sim. Se ficar comprovada a mudança na situação econômica do prestador de forma positiva.  Deverá ser formalizada em uma ação revisional de alimentos e o juiz analisará.

10. É possível solicitar redução na prestação? Sim. Da mesma forma, se ficar comprovado decréscimo na situação econômica do prestador.  Deverá ser formalizada em uma ação revisional de alimentos e o juiz analisará. 

11. Prestação alimentícia transmite aos herdeiros de quem deve? Sim.

12. Pago pensão para meu filho e casei novamente. Posso pedir exoneração? Não. A constituição de nova família não exonera as obrigações para com as outras. Continua responsável pela prestação.

13. Me separei, nunca trabalhei e não possuo renda. Tenho direito à pensão? Sim! E o valor obedecerá, mais uma vez, ao trinômio Necessidade - Possibilidade - Proporcionalidade. STJ tem entendido que, no caso de ex-cônjuges, a prestação é limitada até a inserção do mesmo no mercado de trabalho.

14. Há atualização nas prestações? Sim, anualmente. O reajuste virá discriminado no acordo judicial seguindo índices do IGP-M ou no valor do salário mínimo. 

15. Ex-Cônjuge não pagou. Posso cobrar dos avós? Não. O pagamento da prestação alimentícia não pode ser redirecionada. A execução é somente contra o devedor. O que você pode fazer é pleitear uma ação de alimentos em face dos avós.

16. Então como procedo se o ex-cônjuge não pagar? Deverá requerer ao juiz, que intimará o devedor a pagar o débito em 3 (três) dias ou justificar o não pagamento.  Se não justificar e não pagar, juiz mandará protestar e decretar prisão que varia de 1 a 3 meses, em regime fechado, separado dos presos comuns. A prisão não implica em perdão das parcelas em aberto e nas que virão. Lembrando que o entedimento do STJ é que a prisão será autorizada compreendendo as 3 (três) parcelas anteriores ao pedido de execução. 

17. Não quero que meu/minha ex-cônjuge vá preso mas quero que pague. Como faço? É possível pleitear a penhora dos bens do executado. Neste caso, mesmo que o imóvel seja único, ela pode ser penhorável. 

17. É possível requerer desconto direto na folha de pagamento? Sim, quando o executado for funcionário público, militar, diretor ou gerente de empresa ou empregado sujeito a CLT. 

18. O Cumprimento da obrigação de prestar alimentos prescreve? Sim. Só poderão ser cobrados os valores correspondentes aos 2 (dois) últimos anos contados do ajuizamento da execução. No caso dos absutamente incapazes, a prescrição não ocorre.


Autor

  • Rafael Eduardo Falat

    Rafael Eduardo Falat

    Graduado em Direito pela FAE Centro Universitário. Pós-Graduação a título de especialização em Direito Civil e Processo Civil pela Escola Brasileira de Direito Aplicado e Pós-Graduação a título de especialização em Direito Tributário e Processo Tributário pela UNICURITIBA.

    Especialista em Direito de Família, com ênfase em Alienação Parental.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria