Apurados o prejuízo em razão de um acidente do trabalho, o implemento de uma prestação social acidentária e a culpa do empregador, será ajuizada a medida reparatória contra aquele que majorou indevidamente o risco social, causando prejuízo não apenas para o trabalhador, mas para toda a coletividade.

1.CONCEITO DE ACIDENTE DE TRABALHO – NOÇÃO COMUM E NOÇÃO LEGAL.

Por uma questão de método, não há como falar em ação acidentária e/ou ações regressivas sem que antes se trate, ainda que sumariamente sobre a posição em que se encontra o direito à saúde dentro do Direito brasileiro e sobre a noção de acidente de trabalho.

Como todos sabem o direito à saúde dos trabalhadores, historicamente, foi dos primeiros móveis da luta entre trabalhadores e empregadores. Durante a revolução industrial não havia uma maior preocupação do empresariado com a saúde e segurança, principalmente dos que se relacionavam às fábricas.

Isso, aliado à falta de higiene, jornadas excessivas, exploração de crianças e mulheres, geravam acidentes que, se não destruíam a força de trabalho (matando trabalhadores ou deixando-os inválidos), reduziam a sua capacidade de produzir, sensivelmente.

Por isso se faz referência ao surgimento da Medicina do Trabalho em 1830, quando um proprietário de indústria têxtil, o Sr. Robert Dernham, buscou orientação médica para evitar acidentes com os seus empregados.

Existem diversas normas, no Direito brasileiro, passando pela Constituição Federal, as Leis, os Regulamentos e Instruções que tratam do tema, fato que gera uma ampla gama de atribuições e responsabilidades, apenas em relação ao empregador, dado que existe uma outra gama de direitos e obrigações relacionadas ao vínculo obrigatório entre o trabalhador e INSS.

Isso porque o fenômeno de um acidente de trabalho pode gerar consequências variadas, em diversos âmbitos: administrativo, previdenciário, penal, civil.

Apenas por exemplo, no que concerne à responsabilidade administrativa, a ocorrência de acidentes de trabalho pode ensejar na demonstração do descumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho, que pode ocasionar multas, embargos ou interdições; as mais flagrantes, atuações das SRTs – Superintendências Regionais do Trabalho.

Nesse sentido, o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região[1]:

AGRAVO DE PETIÇÃO. EXECUÇÃO FISCAL. MULTA IMPOSTA AO EMPREGADOR PELA DELEGACIA REGIONAL DO TRABALHO.

São devidas as multas impostas pela Delegacia Regional do Trabalho quando comprovada a prática reiterada pelo empregador de infrações às leis trabalhistas, relatadas minuciosamente pelo Fiscal do Trabalho nos respectivos Autos de Infração.(AG-PET nº 01114-2005-027-12-00-3 (089/2006), 2ª Turma do TRT da 12ª Região/SC, Rel. Edson Mendes de Oliveira. j. 05.07.2006).

No mesmo sentido, a ocorrência de acidentes do trabalho igualmente impõe responsabilidades de ordem previdenciária, diria até mesmo de ordem tributária. Com efeito, o gozo de benefício previdenciário pelo trabalhador em razão do acidente pode ocasionar o aumento do índice de sinistralidade não apenas da empresa, mas de toda a categoria, o que repercute diretamente no Fator Acidentário de Prevenção – FAP, e no cálculo do valor do SAT – Seguro de Acidente do Trabalho.

O art. 202-A do dec. 3048/99 assim dispõe:

“Art. 202-A. As alíquotas constantes nos incisos I a III do art. 202 serão reduzidas em até cinqüenta por cento ou aumentadas em até cem por cento, em razão do desempenho da empresa em relação à sua respectiva atividade, aferido pelo Fator Acidentário de Prevenção - FAP.

§ 1º O FAP consiste num multiplicador variável num intervalo contínuo de cinco décimos (0,5000) a dois inteiros (2,0000), aplicado com quatro casas decimais, considerado o critério de arredondamento na quarta casa decimal, a ser aplicado à respectiva alíquota.

§ 2º Para fins da redução ou majoração a que se refere o caput, proceder-se-á à discriminação do desempenho da empresa, dentro da respectiva atividade econômica, a partir da criação de um índice composto pelos índices de gravidade, de frequência e de custo que pondera os respectivos percentis com pesos de cinquenta por cento, de trinta cinco por cento e de quinze por cento, respectivamente.

§ 4º Os índices de freqüência, gravidade e custo serão calculados segundo metodologia aprovada pelo Conselho Nacional de Previdência Social, levando-se em conta:

I - para o índice de freqüência, os registros de acidentes e doenças do trabalho informados ao INSS por meio de Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT e de benefícios acidentários estabelecidos por nexos técnicos pela perícia médica do INSS, ainda que sem CAT a eles vinculados; (...)”

Há ainda que se falar em repercussão penal dos acidentes do trabalho. De fato, é muito comum a ocorrência de mortes ou lesões corporais em acidentes de trabalho.

A conduta dolosa ou culposa do agente que der causa a esses resultados é que determinará a tipificação penal da conduta. Também pode ocorrer o crime de exposição da vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente, previsto no artigo 132 do Código Penal. O simples descumprimento das regras de segurança e higiene no trabalho, independente da ocorrência de acidente, já caracteriza a contravenção penal, conforme previsto no artigo 19 § 2º da Lei nº. 8.213/1991.

Nesse mesmo sentido decidiu o Tribunal de Justiça de Rondônia[2]. Verbis:

Homicídio culposo. Acidente de trabalho. Não fornecimento de equipamentos necessários à segurança e à proteção do trabalho. Negligência configurada.Configura culpa na modalidade negligência a omissão dos réus quanto ao fornecimento de equipamentos de segurança para o desempenho de trabalho perigoso, sendo previsível o sinistro, já que se tratando de rede elétrica, lesionando e levando à morte os funcionários por violenta descarga elétrica. (TJRO - Apelação Criminal: APR 10000220010018184 RO 100.002.2001.001818-4. Relator(a): Juiz Oudivanil de Marins. Julgamento: 06/07/2006)

Há ainda que se falar acerca da responsabilidade civil. Com efeito, a responsabilidade civil decorrente de acidente de trabalho consiste em indenização por danos material, moral e estético, e são devidas independentemente daquelas outras já mencionadas.

A responsabilidade civil implica na indenização não apenas do que o trabalhador perdeu, mas igualmente daquilo o que deixou/deixará de ter (danos materiais, como morais e estéticos).

Mas mesmo essa gama de atribuições não foi suficiente. Era preciso aplacar o mal decorrente da própria ocorrência do acidente.

Mas o que seria o acidente de trabalho? Para fins previdenciários o legislador, no corpo da Lei 8213/91, identificou quais seriam aquelas situações consideradas como acidentes de trabalho. É o que está no art. 19 e seguintes daquela lei:

Art. 19. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

§ 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança da saúde do trabalhador.

§ 2º Constitui contravenção penal, punível com multa, deixar a empresa de cumprir as normas de segurança e higiene do trabalho.

§ 3º É dever da empresa prestar informações pormenorizadas sobre os riscos da operação a executar e do produto a manipular.

§ 4º O Ministério do Trabalho e da Previdência Social fiscalizará e os sindicatos e entidades representativas de classe acompanharão o fiel cumprimento do disposto nos parágrafos anteriores, conforme dispuser o Regulamento.

Art. 20. Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior, as seguintes entidades mórbidas:

I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social;

II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I.

§ 1º Não são consideradas como doença do trabalho:

a) a doença degenerativa;

b) a inerente a grupo etário;

c) a que não produza incapacidade laborativa;

d) a doença endêmica adquirida por segurado habitante de região em que ela se desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho.

§ 2º Em caso excepcional, constatando-se que a doença não incluída na relação prevista nos incisos I e II deste artigo resultou das condições especiais em que o trabalho é executado e com ele se relaciona diretamente, a Previdência Social deve considerá-la acidente do trabalho.

Art. 21. Equiparam-se também ao acidente do trabalho, para efeitos desta Lei:

I - o acidente ligado ao trabalho que, embora não tenha sido a causa única, haja contribuído diretamente para a morte do segurado, para redução ou perda da sua capacidade para o trabalho, ou produzido lesão que exija atenção médica para a sua recuperação;

II - o acidente sofrido pelo segurado no local e no horário do trabalho, em conseqüência de:

a) ato de agressão, sabotagem ou terrorismo praticado por terceiro ou companheiro de trabalho;

b) ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada ao trabalho;

c) ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro ou de companheiro de trabalho;

d) ato de pessoa privada do uso da razão;

e) desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de força maior;

III - a doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade;

IV - o acidente sofrido pelo segurado ainda que fora do local e horário de trabalho:

a) na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa;

b) na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para lhe evitar prejuízo ou proporcionar proveito;

c) em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo quando financiada por esta dentro de seus planos para melhor capacitação da mão-de-obra, independentemente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado;

d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado.

§ 1º Nos períodos destinados a refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante este, o empregado é considerado no exercício do trabalho.

§ 2º Não é considerada agravação ou complicação de acidente do trabalho a lesão que, resultante de acidente de outra origem, se associe ou se superponha às conseqüências do anterior.

Antigamente se referia ao acidente como um mal súbito. Era apenas o acontecimento imprevisível, que causa um dano, dentro do ambiente de trabalho.

Mas aquele conceito não era adequado e foi ampliado para dar maior segurança social. Daí surgiram as hipóteses das doenças ocupacionais, os acidentes de trajeto, e mesmo aqueles nos quais há culpa da vítima, mas que relacionados àquela unidade produtiva, como necessários a dar uma proteção ao trabalhador e, consequentemente, a toda a sociedade.

Daí porque é possível referir que o denominado acidente de trabalho possui um escopo muito mais amplo do que aquele que comumente nos referimos. O conceito de acidente de trabalho transborda aquele que, em razão da conduta do empregador, acontece.


2. DOS PREJUÍZOS CAUSADOS PELOS ACIDENTES DE TRABALHO NO BRASIL

Veja-se que os acidentes de trabalho são um grande mal que aflige o nosso país. Pesquisas[3] estimam que se perca, apenas no Brasil, o equivalente a meio milhão de dias de trabalho, em razão de acidentes de trabalho.

Além desses custos, diluídos por toda economia nacional, há que se considerar, ainda, os riscos do próprio empregador de ser acionado para responder perante o Poder Judiciário, em diversos âmbitos, em razão dos aludidos acidentes de trabalho.

Não foi sem propósito que passamos a reconhecer os riscos da atividade produtiva. A bem da verdade, atualmente vivemos naquilo o que filosoficamente se tem denominado de ‘sociedade do risco’.

Qualquer conduta humana gera riscos, alguns tolerados, outros não. Alguns com repercussão, outros não. Daí porque faz-se necessária a criação de uma série de mecanismos para resguardar alguma paz social diante de tantos riscos, que podem ser controlados, mas podem igualmente fugir ao controle a qualquer tempo.

Exemplo típico é a instituição dos seguros obrigatórios dos proprietários de automóveis. Reconhecendo o risco que o trânsito dessas máquinas gera para a sociedade, todo o proprietário é obrigado a arcar com os custos de um seguro capaz de assegurar uma indenização mínima para as vítimas dos infortúnios relacionados com aqueles.

Mas não foi só. A universalização da previdência social surgiu justamente nesse contexto.

A finalidade daquele instituto, o INSS – Instituto Nacional do Seguro Social é justamente o de gerir os benefícios previdenciários e assegurar alguma segurança, prevenir a miséria daquele que foi vítima do infortúnio ou de outros elementos capazes de reduzir a sua capacidade de prover a si ou aos seus, dos meios de sustento.

É um grande garantidor, digamos, do provimento de meios para a sobrevivência daqueles que produzem as riquezas do Brasil. Ao trabalhador, garante o seu sustento, independente da capacidade econômica do empregador, seja ele pequeno, médio ou grande.


3.DAS AÇÕES ACIDENTÁRIAS: DIFERENCIANDO OS ‘MOCINHOS’ DOS ‘BANDIDOS’.

Em sentido amplo, podemos mencionar que as ações acidentárias se dividem em basicamente dois grandes grupos, em razão da relação trilateral entre os trabalhadores, empregadores e o INSS.

Embora haja uma mistura que dificulta a leitura, juridicamente é possível identificar que entre o trabalhador, o INSS e o empregador há algumas relações jurídicas bem definidas.

A primeira relação é aquela existente entre o empregado e o empregador. O vínculo de emprego assegura um tanto de direitos e obrigações entre cada um daqueles sujeitos. De tal relação, inclusive, se pode depreender aquilo o que se denomina enquanto a responsabilidade civil do empregador para com o empregado.

A segunda relação é aquela existente entre o empregado e o INSS. Veja-se que há relação autônoma entre o empregado e o INSS, não obstante quando se trate de trabalhador empregado, haja uma compulsoriedade daquela relação.

Há ainda outra relação entre o empregador e o INSS. Essa relação não é apenas de caráter fiscal, em função das contribuições previdenciárias, mas dado o pano de fundo no qual reside um contrato de trabalho que o precede no mais das vezes, o empregador é terceiro interessado naquela relação entre o empregado e o órgão previdenciário.

Tais premissas são relevantes porque, como já referimos, em razão da ocorrência de um mesmo acidente de trabalho surgem, como relevantes para a nossa discussão, duas pretensões diferentes do trabalhador: a primeira em face do INSS; a segunda em face do seu Empregador.

Em relação ao INSS, como é do conhecimento de todos, em função do acidente, o trabalhador pode gozar de uma série de benefícios previdenciários, dentre os quais os auxílios, aposentadoria por invalidez, auxílio acidente, auxílio doença, etc.

Em relação ao empregador, para que se configure a sua responsabilidade civil, e o empregador possa ser condenado a pagar indenização por danos materiais e morais, são necessários os seguintes requisitos: a) a evidência do dano ocorrido; b) a constatação do nexo causal com o trabalho; e c) a comprovação do ato ilícito praticado pelo empregador e a caracterização da culpa deste em qualquer grau.

Daí se pode dizer que em razão da ocorrência de um determinado acidente, veremos duas realidades paralelas, mas que sem dúvida, se entrelaçam.

A primeira realidade é a do litígio diretamente entre o empregado e o empregador. A segunda, entre o empregado e o INSS, sendo que, embora muitos não se percebam, é preciso a intervenção do empresário nessa relação, também.

Isso porque, como em um ponto de comunicação entre essas duas relações existe um vasto universo de regras que definem como a atividade produtiva deve se desenvolver. São as condições para a própria produção. As mais claras são as Normas Regulamentadoras editadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego – as NRs.

De outro lado, a constatação de um pretenso nexo de causalidade entre a atividade do trabalhador e o deferimento de um benefício previdenciário, como veremos, causa embaraços significativos para as empresas.

Nesse momento, basta dizer que é possível a realização de impugnação às perícias do INSS, como demonstra a IN nº.31/2008, para afastar o nexo de causalidade entre a atividade do empregador e aquilo o que se entendeu como de relação direta com o trabalho.

Veja-se que acidentes acontecem. E como acontecem. Mas é preciso ficar alerta para se desfazer a visão de que todo evento em que se reconhece como acidente de trabalho pelo INSS possui como responsável o empregador, fato que ‘carimba’ uma responsabilidade tremenda por parte do empresário.

Isso porque, embora o INSS tenha reconhecido a existência de um acidente de trabalho, o empregador não é obrigado a suportar tais conclusões sem qualquer oportunidade de defesa.

Em verdade, a própria regulamentação da matéria assegura ao empregador meios para impugnar esse nexo de causalidade.

É quando se consegue demonstrar tais fatos, quando se pode distinguir entre aqueles que cumprem e os que não cumprem as regras, e que por isso devem ser devidamente responsabilizados, que se diferencia os bons e maus empresários.


4.DAS AÇÕES REGRESSIVAS MOVIDAS PELA COLETIVIDADE

Justamente fundado naquele nexo causal entre a ocorrência do acidente e a inobservância, pelo empregador, das regras atinentes ao desenvolvimento da sua atividade, é que reside um dos mais relevantes problemas no âmbito acidentário.

A Lei 8213, nos seus artigos 120 e 121 estipulam duas regras importantes, no particular:

Art. 120. Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho indicados para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis.

Art.121. O pagamento, pela Previdência Social, das prestações por acidente do trabalho não exclui a responsabilidade civil da empresa ou de outrem.

Ou seja, quando restar evidenciada a negligência quanto às normas padrão de segurança, quando em razão do infortúnio o INSS deferir o benefício previdenciário em favor do trabalhador, é possível o ajuizamento de ação regressiva em face do empresário.

Em outras palavras, dada a existência do acidente, além de ser instado a pagar uma indenização pela sua relação direta para com o trabalhador, o empresário será igualmente acionado pelo INSS indenizar à coletividade pelo prejuízo causado pelo acréscimo indevido ao risco da atividade.

Note-se que essa postura se coaduna com aquela esperada no mercado. O próprio Código Civil reconhece que nos contratos de seguro ordinários, o agravo do risco impõe a perda do direito à indenização pelo segurado:

Art. 768. O segurado perderá o direito à garantia se agravar intencionalmente o risco objeto do contrato.

Art. 769. O segurado é obrigado a comunicar ao segurador, logo que saiba, todo incidente suscetível de agravar consideravelmente o risco coberto, sob pena de perder o direito à garantia, se provar que silenciou de má-fé.

§ 1º O segurador, desde que o faça nos quinze dias seguintes ao recebimento do aviso da agravação do risco sem culpa do segurado, poderá dar-lhe ciência, por escrito, de sua decisão de resolver o contrato.

Em se tratando de responsabilidade acidentária, não há previsão no que diz respeito ao aumento do risco por conta do obreiro.

Mas em relação ao empregador, caso constatados indícios de que houve culpa ou dolo por parte do mesmo, será possível o ajuizamento de ação regressiva contra o mesmo.

Tal situação tem ensejado, inclusive, uma ação prioritária por parte da AGU – Advocacia Geral da União.

Estimativas da AGU dão conta de que seria algo em torno de 40 bilhões de reais os prejuízos em razão dos acidentes inadvertidamente produzidos.

É consenso de que o ajuizamento de uma ação regressiva acidentária pressupõe a coexistência de três pressupostos fáticos, que são: a) a ocorrência de um acidente do trabalho com um segurado do INSS; b) o implemento de uma prestação social acidentária e; c) a culpa do empregador pelo acidente do trabalho.

Para tanto, é possível a realização de uma investigação preliminar, nos mesmos moldes do denominado Inquérito Civil Público, previsto na Lei nº. 7.347/85. É o denominado PIP – Procedimento de Investigação Prévia, regulamentado pela Orientação Interna Conjunta nº. 01/2009.

Note-se, todavia, que não há poder de Polícia da AGU para atuar, no particular, dado que o poder de investigação decorrente do inquérito civil público foi conferido apenas e tão somente ao Ministério Público.

De todo modo, aquele procedimento investigativo poderá ser instruído por meio de outros tantos dados capazes de evidenciar a ocorrência da negligência ou culpa do empregador, seja através da atuação da SRTE (Relatórios fiscais)‏, da Polícia Civil (Inquéritos Policiais); da Justiça do Trabalho (Ações indenizatórias); do Ministério Público do Trabalho (Inquéritos Civis, TACs, ACPs) ou dos Sindicatos (Denúncias, Acordos/Convenções coletivas).

Cabe ao empresário participar daquele procedimento se tiver interesse em inviabilizar o ajuizamento de qualquer medida reparatória contra si.

Isso porque, diante da apuração imediata do efetivo cumprimento das suas obrigações, perante a própria autoridade federal, é possível o arquivamento da pretensão indenizatória no seu nascedouro, quando na fase de investigação demonstrada a inviabilidade da pretensão indenizatória.

Uma vez apurado o prejuízo em razão da ocorrência de um acidente do trabalho, o implemento de uma prestação social acidentária e a culpa do empregador pelo acidente do trabalho, será ajuizada a medida reparatória contra aquele que majorou indevidamente o risco social, causando prejuízo não apenas para o trabalhador, mas para toda a coletividade.


5.CONSIDERAÇÕES FINAIS

A título de considerações finais vê-se que há notável relevância para as questões relacionadas com os acidentes de trabalho e as ações regressivas.

Além de assumir encargos diretamente frente ao trabalhador, a existência do acidente pode impor igualmente um encargo para o empregador, em face da ação regressiva movida pelo INSS.

Além de vidas humanas, acidentes ocasionam prejuízos diretos para a produção e criam passivos de difícil solução para o empresário.

Cumpre ao empresário identificar o seu papel. Além de cumprir as suas obrigações, deve acompanhar e exercer o seu direito de defesa plenamente para evitar ser responsabilizado quando efetivamente não deveria.

É mais um ônus para aquele que deseja empreender. Mas como diria Sêneca, não devemos desanimar porque “Muitas coisas não ousamos empreender por parecerem difíceis; entretanto, são difíceis porque não ousamos empreendê-las.”.


Notas

[1] Brasil. Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região. AG-PET nº 01114-2005-027-12-00-3 Rel. Edson Mendes de Oliveira. j. 05.07.2006.

[2] Brasil. TJRO - Apelação Criminal: APR 10000220010018184 RO 100.002.2001.001818-4. Relator(a): Juiz Oudivanil de Marins. Julgamento: 06/07/2006.

[3] Santana, Vilma Sousa et. al. In. Rev Saúde Pública 2006;40(6):1004-12. 



Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

SOUZA, Tercio. Ações acidentárias e ações regressivas pelo INSS. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 17, n. 3311, 25 jul. 2012. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/22293>. Acesso em: 21 jun. 2018.

Comentários

1

  • 0

    Rafael Gracini Rafa

    Coforme a senteça foi concedido a empresa amis gostaria de saber quando sofri o acidente me foi concedido o beneficio do inss tenho carta e recebi o benefio não vale como prova pericial

    PROCESSO TRT/2ª REGIÃO Nº 0000712-07.2011.5.02.0492
    (RITO SUMARÍSSIMO)
    RECURSO ORDINÁRIO ORIUNDO DA 2ª VT/SUZANO
    RECORRENTE
    RECORRIDO : SUZANO PAPEL E CELULOSE S/A
    VISTOS, ETC.
    Conheço do recurso, eis que presentes os
    pressupostos de admissibilidade.
    Em discussão reintegração decorrente de
    alegada estabilidade provisória (acidente de trabalho) e consoante atual
    insistência, por exemplo
    “... reclamante sofreu um acidente de trabalho no dia 03 de
    maio de 2.011, pouco depois de assumir o posto de trabalho,
    por volta de 22h10min, fazendo a vistoria no seu setor de
    trabalho, sofreu uma queda e lesionou o tornozelo...
    Prontamente foi levado ao setor médico, a fim de serem
    prestados os atendimentos devidos e informou o fato, logo em
    1
    Documento elaborado e assinado em meio digital. Validade legal nos termos da Lei n. 11.419/2006.


    Disponibilização e verificação de autenticidade no site www.trtsp.jus.br informando:
    codigo do documento = 374759PODER JUDICIÁRIO
    TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO
    TRT/2ª REGIÃO Nº 0000712-07.2011.5.02.0492
    seguida foi por volta de 22h30min, após prestado o
    atendimento de emergência o mesmo foi conduzido a SANTA
    CASA DE MISERICÓRDIA DE SUZANO, por um taxi
    chamado pela enfermaria, sem acompanhante de setor
    responsável, o que confirma a gravidade do acidente...
    Atendido na SANTA CASA, feito radiografia, e dispensado
    supostamente sem nenhuma lesão, o médico atestou somente
    aquele dia de trabalho, dizendo que não houve nada e estava
    normal sua situação.
    Anda com dores ao levantar-se no dia seguinte, encaminhouse a um clínica conveniada, para que fosse confirmado o
    diagnóstico, pois além da... dor seu tornozelo estava...
    inchado... profissional atestou o reclamante por 03 dias, à
    partir de 04 de maio de 2.011, o imobilizando com tala de
    gesso, e recomendado o retorno no 4º dia. Havendo
    desinchado e ainda com dores o reclamante resolveu tentar
    trabalhar para que evitasse ainda mais perseguição...
    trabalhou no sábado e no domingo. Na segunda-feira dia 09
    de maio de 2.011 estava marcada a análise de acidente para
    informações complementares ao CAT bem como investigação
    do acidente as 14h30min, entretanto às 14h10min o
    reclamante foi desligado do quadro de funcionários, sem
    término da análise do acidente e mesmo sem total
    recuperação, pois além de estar em seu posto de trabalho
    havia comunicado o Supervisor que não estava em plena
    condição de rendimento.
    (...) tal ato da empresa infringe... legislação vigente,
    desligando o reclamante em meio a um tratamento que ainda
    não obteve melhoras... sem determinado prazo de
    recuperação de um acidente que foi gerado no seu ambiente
    de trabalho.
    (...) DECISÃO... fundamenta-se no afastamento quinzenal
    alegando... não comprovação de tal feito ou mesmo a
    concessão do benefício perante o INSS.
    Ocorre que em fls.27 o médico especialista o afasta pelo
    período de... quinze dias... desde o dia 10 de maio de 2.011 à
    2
    Documento elaborado e assinado em meio digital. Validade legal nos termos da Lei n. 11.419/2006.


    Disponibilização e verificação de autenticidade no site www.trtsp.jus.br informando:
    codigo do documento = 374759PODER JUDICIÁRIO
    TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO
    TRT/2ª REGIÃO Nº 0000712-07.2011.5.02.0492
    25 de maio de 2.011.
    Ao retornar no médico especialista no dia 17 de maio de
    2.011, fls. 28/29, o mesmo recomenda mais 10... sessões de
    fisioterapia, além de encaminhar o Reclamante ao INSS para
    que seja realizada perícia para avaliação de capacidade de
    retorno ao exercício de atividades laborativas.
    No entanto em fls. 38/39, o resultado da perícia médica se
    consolidou assim, sendo o benefício concedido por
    comprovação de incapacidade laborativa.
    (...) o lapso temporal é... mais extenso que 15... dias... se
    inicia no dia 10 de maio de 2.011 e encerra-se
    ininterruptamente no dia 03 de junho de 2.011, onde na visão
    do médico pericial há o término de incapacidade laborativa...
    (...) requer... NOBRES JULGADORES... julgue procedente o
    pedido do Reclamante e que assim REFORME a decisão...
    e... conceda A REINTEGRAÇÃO... ao quadro de
    funcionários da RECLAMADA, assim como sem prejuízos
    dos vencimento e benefícios como acordo de turno que será
    pago previamente, e... comprova que o mesmo tem o direito
    adquirido...” (fls.110/113).
    Todavia, segundo o processado, entendo que o
    recorrente não trouxe evidência eficaz favorável, assim sobre moléstia
    profissional obstativa de utilização da força de trabalho por período
    superior a 15 (quinze) dias, assim conforme cumulativos requisitos
    previstos na Súmula 378, II, do C. Tribunal Superior do Trabalho.
    Também consoante o r. direcionamento de
    origem
    “... Não há comprovação nos autos, perícia médica ou
    documentos que indiquem que o Reclamante tenha ficado
    afastado mais do que 15 dias em função do acidente de
    3
    Documento elaborado e assinado em meio digital. Validade legal nos termos da Lei n. 11.419/2006.


    Disponibilização e verificação de autenticidade no site www.trtsp.jus.br informando:
    codigo do documento = 374759PODER JUDICIÁRIO
    TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO
    TRT/2ª REGIÃO Nº 0000712-07.2011.5.02.0492
    trabalho, pelo que não entendo configurados os requisitos do
    art. 118 da Lei 8.213/91.
    Além de não haver provas, entendo inverossímil que o entorse
    implique em afastamento prolongado que determine
    afastamento em prazo superior ao necessário para a
    configuração da estabilidade legal.
    (...) ante a ausência de provas, entendo improcedente o pedido
    de reintegração...” (fls. 103).
    Diante do exposto, ainda considerando os
    limites devolvidos, especialmente sobre CAT e lapso temporal, concluo
    que desassiste razão ao recorrente.
    É o voto.
    Posto isto, ACORDAM os Magistrados da 7ª
    Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região em: NEGAR
    PROVIMENTO ao recurso.
    JOSÉ ROBERTO CAROLINO
    DESEMBARGADOR RELATOR

Livraria