Prisão ilegal de Lula é o princípio do Regime do Terror e do fim da monstruosidade criada pela imprensa que conseguiu submeter tanto a PF quando um juiz da Justiça Federal.

Desde que perdeu a primeira eleição para Lula, a imprensa brasileira passou por uma transformação significativa. De instrumento propagandístico do PSDB, ela se transformou num verdadeiro partido de oposição. Algum tempo depois, a imprensa passou por outra mutação. Desde o julgamento do Mensalão (o do PT, não o do PSDB) a imprensa passou a agir como um verdadeiro Tribunal de Exceção. Sobre as relações perigosas entre os jornalistas e a justiça durante o julgamento do Mensalão vide: http://www.jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/meus-melhores-momentos-durante-o-julgamento-do-mensalao

Nos últimos meses os principais veículos de comunicação do país (Rede Globo, Folha de São Paulo, Estadão etc…) se esforçaram diariamente para produzir e legitimar ações policiais que resultassem em decisões judiciais contra o PT. O Tribunal de Exceção gerenciado pela imprensa usa suas ações policiais e judiciárias para fazer propaganda do anti-petismo. Alimentando, assim, um verdadeiro círculo vicioso de castigo sem culpa, prisão sem condenação ou justificativa plausível e processo sem legalidade processual.

Quase todos os juristas brasileiros já perceberam que o Tribunal de Exceção da Imprensa conseguiu subordinar a si mesmo quase toda a PF. A face judiciária deste monstrengo é Sérgio Moro, juiz federal transformado em galã de telenovela pela Rede Globo. Em 04/03/2016 ele mandou seus policiais sequestrarem Lula com uma única finalidade: fornecer aos jornalistas um espetáculo para desviar a atenção do respeitável público da escatológica situação criada pelo STF ao aceitar a denúncia criminal contra Eduardo Cunha sem o remover da presidência da Câmara dos Deputados.

Acusado de corrupção, Eduardo Cunha continuará a gerenciar o Orçamento da Câmara dos Deputados. Ele está mais perto da prisão do que da Presidência da República, mas pode vir a exercer este cargo na ausência, morte ou impedimento da presidenta e do vice. O Tribunal de Exceção da Imprensa inocentou Eduardo Cunha de todas acusações feitas pelo MPF e aceitas pelo STF, pois ele é o homem do mercado que prometeu privatizar o pré-sal e iniciou o processo de Impedimento contra a presidenta petista.

A justiça no Brasil deixou de existir. Já estamos na ante-sala de um Regime do Terror. Em breve, como sugeriu o Ministro Marco Aurélio de Mello, os perseguidos pelo Tribunal de Exceção da Imprensa começarão a ser arrastados de suas casas pelos verdugos da PF para serem fuzilados num paredão a mando de Sérgio Moro.

Marco Aurélio de Mello, contudo, ajudou a criar este monstrengo. Durante o julgamento do Mensalão ele disse – e a manifestação dele foi gravada em vídeo - que os juízes devem respeitar a “opinião pública” (eufemismo para “opinião publicada” pela imprensa). Naquela oportunidade os jornalistas exigiam diariamente a condenação de José Dirceu e José Genoino. Os juízes que se recusaram a acatar a condenação proferida pelo Tribunal de Exceção da Imprensa foram intensamente hostilizados pelos veículos de comunicação.

Há algum tempo a mídia sugere ou exige a prisão de Lula. Conseguiu o que desejava, pois Sérgio Moro tem agido como um escrevente de sala que datilografa fielmente todas as decisões oriundas do órgão judiciário ilegal a que se submeteu ao ser premiado pela Rede Globo. A vitória total do Tribunal de Exceção da Imprensa foi intensamente comemorado por alguns telejornais, jornais e revistas. O Regime do Terror, contudo, raramente deixa de devorar seus criadores.

Danton criou o Tribunal Revolucionário para possibilitar o julgamento político dos inimigos da revolução francesa. Pouco tempo depois ele mesmo estaria entre os réus condenados à guilhotina pelo órgão que criou. Robespierre transformou o Tribunal Revolucionário numa máquina insaciável de matar e acabou sendo condenado e morto como suas próprias vítimas. Saturno sempre devora seus filhos até ser finalmente morto por um deles. Sobre o assunto sugiro aos interessados rever o filme “Danton - o processo da revolução”: https://www.youtube.com/watch?v=SxL1xZPhs3k

Não há o que temer. A vitória total do Tribunal de Exceção da Imprensa é o princípio do fim das guerras jornalísticas no Brasil. Se houver uma nova ditadura o comando do país não será atribuído aos jornalistas, nem da PF ou aos juízes federais que se subordinaram à imprensa.

A reação popular à prisão de Lula pode se transformar em algo impensado e indesejado pelo Regime do Terror instituído pela imprensa. Assim seja. Uma coisa deve, porém, ficar bem claro: aqueles que instituíram o Tribunal de Exceção da Imprensa e serviram fielmente aos seus desígnios terroristas devem ser julgados e condenados pelo povo da mesma forma que julgaram e condenaram os petistas.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0