Neste trabalho trataremos da prisão domiciliar, sabemos que é concedido esse tipo de pena em várias situações a depender do caso concreto. Mas, abordaremos como foco principal a sua aplicação nos casos de ser concedida por superlotação de cárcere.

 

 

 

RESUMO: A prisão domiciliar é  uma espécie de pena privativa de liberdade, que seria basicamente o recolhimento do preso em sua casa e o cumprimento de determinadas medidas. Porém, quando aplicada a prisão domiciliar em situações não previstas na lei, surgem grandes divergências, como no caso de ser concedida a prisão domiciliar por superlotação do cárcere. Neste presente artigo, aprofundaremos no tema com a observância sobretudo do nosso código penal e da Constituição Federal.

Palavras-chave: prisão domiciliar; constituição; penas; individualização da pena.

 

 


Há muito se discute sobre os delitos e as penas. Hoje não procuramos por vingança, como pôr a cabeça a prêmio ou olho por olho e dente por dente, mas, sim, buscamos a chamada pena humanitária, uma reprovação para uma conduta criminosa e a ressocialização de um condenado.

Para isso, devemos seguir alguns princípios como o da legalidade, da individualização da pena e dignidade da pessoa humana, que estão expressos na nossa constituição. Porém, vivemos em mundo conturbado, onde a bandidagem cresce a cada dia e o Estado não constrói cadeias suficientes. Isso nos leva a um grande problema que é justamente a superlotação no sistema carcerário. Poderia um condenado ir cumprir pena em um regime mais gravoso em razão dessa situação? Não estaríamos indo contra a nossa Constituição e ferindo o princípio da dignidade humana e da individualização da pena?! E, diante desses questionamentos e dessa realidade, temos a prisão domiciliar sendo aplicada como alternativa. Sabemos que a criminalidade cresce a cada dia e cada vez fica mais difícil conter a situação, o Brasil tem uma das maiores populações carcerárias do mundo, ficando em 4º lugar. E, de acordo com os dados de 2014 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o número de presos no Brasil é de 711.00, sendo que 147.937 estão em prisão domiciliar. O déficit de vagas no sistema carcerário atual é de 354.000, então, logicamente, o número de condenados fica maior que o de cadeias.

 Isso nos traz alguns sérios questionamentos, pois, quando analisamos o Art. 117 da Lei n° 7.210 de 11 de julho de 1984, não encontramos previsão legal para esses casos.

 

Artigo 117, da Lei nº 7.210, de 11 de Julho de 1984:

Somente se admitirá o recolhimento do beneficiário de regime aberto em residência particular quando se tratar de:

I - condenado maior de 70 (setenta) anos;

II - condenado acometido de doença grave;

III - condenada com filho menor ou deficiente físico ou mental;

IV - condenada gestante.

 

Como podemos observar, a lei não traz nenhuma previsão legal para os casos de superlotação. É de se indagar como poderíamos aplicar a justiça da forma mais completa e perfeita em situações como essas. Como entendimento majoritário, temos que o princípio da dignidade humana não pode ser ferido, que é, inclusive, uma das principais razões da existência e aplicação do direito. E, claro, é de suma importância o princípio da individualização da pena.

E, como diz  Marques (1999):

A sentença é, por si, a individualização concreta do comando emergente da norma legal. Necessário é, por isso, que esse trabalho de aplicação da lei se efetue com sabedoria e justiça, o que só se consegue armando o juiz de poderes discricionários na graduação e escolha das sanções penais. Trata-se de um arbitrium regulatum, como diz Bellavista, consistente na faculdade a ele expressamente concedida, sob a observância de determinados critérios, de estabelecer a quantidade concreta da pena a ser imposta, entre o mínimo e o máximo legal para individualizar as sanções cabíveis. (p.297)

 

Também não estamos falando de conceder prisão domiciliar a um sujeito inclinado ao crime, mas, sim, de ser concedida em situações específicas, como no caso de já ter sido concedido o regime aberto, até porque, no país, temos poucas unidades de casa de albergado, há uma baixa porcentagem de disponibilidade e temos a falta de infraestrutura adequada. Como o Estado não constrói cadeias suficiente, temos um aumento na concessão de prisões domiciliares na tentativa de buscar “desafogar” a superlotação carcerária e não conceder um regime mais gravoso ao condenado.

Autores renomados também expressam esse mesmo entendimento de maneira bem convincente.

Cezar Roberto Bitencourt (2014): "É inadmissível que o condenado cumpra pena em regime fechado em razão da inexistência de vaga no regime semiaberto, ou que permaneça em qualquer dos dois regimes, ante a ausência de casa de albergado.".

 

Greco (2016):

Muito se discute a respeito da possibilidade de o condenado cumprir sua pena em regime mais gravoso do que o determinado pela sentença penal condenatória [...]. Indagamos: Deverá o agente, em virtude da negligência do Estado, cumprir sua pena em regime mais rigoroso do que aquele que lhe fora imposto no processo no qual fora condenado? Entendemos que não. Isso porque o condenado tem direito subjetivo de cumprir a sua pena sobre o regime que foi concedido, de acordo com a sua aptidão pessoal, na sentença condenatória. (P. 602)

 

É de suma importância destacar também a Súmula vinculante n°56 do STF:

A falta de estabelecimento penal adequado não autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso, devendo-se observar, nessa hipótese, os parâmetros fixados no RE 641.320/RS.

 


CONCLUSÃO

Podemos concluir que a negligência do Estado não pode refletir sobre a população carcerária, que não pode ter seus direitos massacrados como se fossem insignificantes. Até porque seria impossível fazer justiça cometendo a injustiça de ultrapassar com a finalidade da pena, e não só faltam cadeias, mas também políticas públicas para reduzir a criminalidade. A situação é extremamente delicada, mas entendemos que quem fica impossibilitado de cumprir sua pena de acordo com a previsão legal por falta de vagas tem direito a prisão domiciliar e, enquanto isso, caso venha surgir alguma vaga, o sujeito retorna ao sistema penitenciário para cumprimento de sua pena de acordo com o que estava previsto. Para a aplicação de uma pena justa, deverão ser observados todos os princípios previstos em nossa Constituição Federal e deve ser respeitada a individualização da pena e também todas as circunstâncias judiciais elencadas pelo Art. 59 do CP.

 


REFERÊNCIAS:

BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das Penas: tradução de Paulo M. Oliveira; prefácio de Evaristo de Moraes.- 2. ed.- São Paulo: Edipro, 2015

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal: parte geral 1-21 ed., rev., amp. e atual. São Paulo: Saraiva. 2015.

GRECO, Rogério. Curso de direito penal: parte geral 1-18 ed, rev., amp. e atual. Rio de Janeiro: Impetrus. 2016.

MARQUES, José Frederico. Tratado de direito penal. São Paulo: Millenium, 1999. 3 v

STF, Súmula vinculante n° 56. Disponível em:<http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumario.asp?sumula=3352>. Acesso em 05/11/2017

BELONI, Patrícia. Por dentro de uma prisão domiciliar: como é, proibições, permissões e quem tem direito?. Disponível em: https://www.vix.com/pt/noticias/538471/por-dentro-de-uma-prisao-domiciliar-como-e-proibicoes-permissoes-e-quem-tem-direito. Acesso em 15/11/2017



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria