4. DA TIPICIDADE PENAL

Em face do decreto de estado de calamidade pública, alguns desses atos administrativos têm determinado o fechamento de estabelecimentos comerciais, estabelecendo o isolamento social como medida preventiva ao coronavírus.

Quem descumpre as medidas impostas pelo Poder Público pode responder criminalmente? Afinal de contas, o descumprimento das medidas impostas pelo Poder Público pode caracterizar crime de infração de medida sanitária preventiva, exposição de perigo ou crime de desobediência?

Diante da enorme discussão que se instalou no país acerca desta questão, notadamente, no âmbito jurídico, determinou-se, neste contexto, enfrentar as possibilidades jurídicas na esfera penal, evidentemente, sem caráter exauriente.

4.1. Do crime de infração de medida sanitária preventiva

O Título VIII do Código Penal prevê os Crimes contra a Incolumidade Pública. Por seu turno, o capítulo III, são definidos os crimes contra a Saúde Pública.

Trata-se a incolumidade de substantivo feminino, a significar qualidade ou condição de incólume. Isenção de perigo, de dano; segurança. Em Direito Penal é a situação do que está protegido e seguro (falando de bens que se quer proteger).

Especificamente, no artigo 268, o legislador criou a figura típica de Infração de medida sanitária preventiva, a saber:

Art. 268 - Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa:

Pena - detenção, de um mês a um ano, e multa.

Parágrafo único - A pena é aumentada de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

Consiste a conduta criminosa em infringir, que significa desrespeitar, transgredir, determinação do Poder Público, destinada a impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa.

Analisando a conduta descrita no artigo 268 do CP, logo se verifica que trata-se de crime de menor potencial ofensivo, de competência do Juizado Especial Criminal, Lei nº 9.099/95, com previsão de pena privativa de liberdade e pena de multa, portanto, pena cumulativa.

O parágrafo único do artigo 268 do CP prevê causa de aumento de pena, em fração fixa de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

O delito em apreço é classificado como unissubjetivo, porque pode ser praticado por uma única pessoa; é crime comum, porque pode ser praticado por qualquer pessoa, não demandando condições especiais em relação ao sujeito ativo; é crime formal, porque se contenta tão somente com a conduta, não se exigindo resultado naturalístico; sujeito passivo é a coletividade, a sociedade, e objeto jurídico é a saúde pública. O delito em apreço é de ação pública incondicionada. A tentativa é admissível, dada a possibilidade de fracionamento da conduta.

Trata-se de conduta dolosa, onde o autor, por livre vontade e consciência, infringe a determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, configurando o crime com o mero comportamento doloso, por se tratar de crime de perigo abstrato, comum, ou se seja, capaz de colocar em risco um número indeterminado de pessoas, perigo que a lei presume, não havendo necessidade de contaminação de pessoas.

É certo que o crime em apreço exige que haja determinação do Poder Público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, porque o artigo 268 do CP é norma penal em branco, e, segundo Binding, a lei penal em branco é um corpo errante em busca de alma.

Assim, além da determinação do Poder Público, é preciso que haja documento normativo da autoridade sanitária definido o coronavírus em rol de doença contagiosa, porque o preceito primário do crime em testilha é incompleto, e desta forma, somente se configura o delito se houver determinação do Poder Público no âmbito federal, não bastando determinações de governos estaduais ou municipais, porque o artigo 268 emana de um comando federal, e, logo, seu complemento deve ser também de autoridade sanitária federal, em razão da simetria constitucional, constituindo-se, assim, uma norma penal em branco, em sentido heterogêneo.

Analisando o teor da Lei nº 13.979/20, percebe-se que a norma não contempla todas as restrições preventivas, mas tão somente aquelas vinculadas às medidas eminentemente sanitárias, e aí sim, havendo violação a essas normas, caracterizada estará o crime do artigo 268 do CP.

Se, na hipótese em que do crime de infração de medida sanitária preventiva resultar lesão corporal de natureza grave, a pena privativa de liberdade é aumentada de metade; se resultar morte, é aplicada em dobro (art. 258 do Código Penal). Trata-se de hipótese de crime preterdoloso (dolo no antecedente e culpa no consequente).

Discute-se a questão da revogação da norma complementar do Poder Público.

Há divergência doutrinária a respeito do tema. Entendeu Guilherme de Souza Nucci (Código Penal Comentado, pág. 776) que caso o poder público revogue a medida, por considerá-la, por exemplo, inócua para o efetivo resultado pretendido, não há razão para punir o agente. No entanto, se a revogação se der porque já foi contida a doença, é preciso aplicar o artigo 3º do Código Penal, considerando ultrativo o complemento, mantendo-se a punição do agente.

FOUREAUX (2020) assevera, com a autoridade de sempre, que qualquer pessoa poderá figurar como sujeito ativo. Caso o sujeito ativo seja funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro, a pena é aumentada de um terço, em razão da maior reprovabilidade da conduta por parte daqueles que têm, como profissão, a obrigação de zelar pelo cumprimento das normas que visam ao cuidado com a saúde, além de serem detentores de conhecimentos técnicos (art. 268, parágrafo único, do CP).


CONSIDERAÇOES FINAIS

Diante de tudo que foi exposto, é possível afirmar que ninguém discorda que a humanidade corre sério risco de um flagelo social. Somente em 24 horas na Itália foram contabilizadas 723 vítimas do coronavírus, uma catástrofe para a humanidade. É tempo de unir forças em prol de um objetivo maior, salvar o maior número de pessoas, envidar esforços na busca do bem comum.

É certo que no conjunto de medidas adotadas pelo Poder Público, em especial pelas autoridades sanitárias, estão algumas relacionadas com o isolamento social, tendo em vista ser esta a medida preventiva mais eficaz até então, uma vez que a Ciência ainda permanece em busca das soluções medicamentosas para o perigoso e devastador coronavírus.

Sabe-se que o Direito Penal é instrumento eminentemente repressor e somente deve ser utilizado em última circunstância. E, nesse contexto, algumas medidas restritivas foram impostas às pessoas e aos comerciantes, como o fechamento de estabelecimentos comerciais. Como decorrência disso, sobreveio grande impacto na economia brasileira.

Nesse sentido, havendo descumprimento das medidas adotadas pelo Poder Público, é prudente que inicialmente sejam aplicadas sanções administrativas, como aplicação de multa, suspensão temporária do estabelecimento ou até medida extrema de interdição total das atividades comerciais. Mas, em sendo improdutivas essas medidas, o comportamento arredio do autor pode caracterizar crime de infração de medida sanitária preventiva, art. 268 do Código Penal, em caso de existência de determinações de autoridades sanitárias, de âmbito federal, conforme exposição alhures.

Não havendo determinações de autoridades públicas sanitárias, da esfera federal, no sentido de impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa, a conduta recalcitrante do autor também não pode configurar crime de perigo para a vida ou a saúde de outrem (artigo 132 do Código Penal), consistente em expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente, considerando que esse delito se encontra rotulado no rol dos crimes contra a periclitação da vida e da saúde, crime de perigo abstrato, presumido e individual.

Desta feita, em não configurando as condutas criminosas dos artigos 132 e 268 do Código Penal, nos termos da exposição anterior, resta a conduta prevista no artigo 330, qual seja: delito de desobediência, consistente em desobedecer a ordem legal de funcionário público, com pena de detenção, de quinze dias a seis meses, e multa.

Por fim, deve-se pontuar que todos, indistintamente, devem colaborar com as medidas preventivas determinadas pelo Poder Público na construção da paz universal, na incessante busca de valores humanitários, que pode ser exarada pela União, Estado, Distrito Federal ou Municípios e pode decorrer de lei ou de um ato administrativo, como deliberação, decreto, regulamento e portaria.

Mas, para a configuração do crime previsto no artigo 268 do Código Penal, deve a determinação ser exarada exclusivamente, pelo Poder Público federal, caso contrário, chegaríamos ao absurdo de um prefeito baixar um decreto municipal disciplinando preceito primário vazio de competência da União, em sede de direito penal, o que contraria, veementemente, a estrutura legislativa pátria, sendo que a tão sonhada alma de Binding, fugaz e temporariamente perdida no tempo e no espaço, não pode ser objeto de apropriação legislativa, senão pelas mãos da União, consoante artigo 22, I, da Constituição da República de 1988.

Assim, é preciso unir forças para vencer o inimigo invisível, e uma das medidas mais proativas no campo da prevenção é ficar em casa no sistema de isolamento social, cumprindo com fidelidade as determinações do Poder Público e das autoridades sanitárias.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 22 de março de 2020, às 12h22min.

BRASIL. Código Penal Brasileiro. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em 22 de março de 2020, às 17h27min.

BRASIL. Lei nº 13.979/20. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Lei/L13979.htm. Acesso em 22 de março de 2020, às 11h42min.

FOUREAUX, Rodrigo. O descumprimento de determinações do Poder Público e o coronavírus: consequências criminaisRevista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25n. 610115 mar. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/80119. Acesso em: 2 mar. 2020, às 11h37min.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. Editora Revista dos Tribunais. São Paulo. 2002.


Autor

  • Jeferson Botelho Pereira

    Jeferson Botelho Pereira é Delegado Geral de Polícia Civil em Minas Gerais, aposentado. Ex-Superintendente de Investigações e Polícia Judiciária de Minas Gerais, no período de 19 de setembro de 2011 a 10 de fevereiro de 2015. Ex-Chefe do 2º Departamento de Polícia Civil de Minas Gerais, Ex-Delegado Regional de Governador Valadares, Ex-Delegado da Divisão de Tóxicos e Entorpecentes e Repressão a Homicídios em Teófilo Otoni/MG, Professor de Direito Penal, Processo Penal, Teoria Geral do Processo, Instituições de Direito Público e Privado, Legislação Especial, Direito Penal Avançado, Professor da Academia de Polícia Civil de Minas Gerais, Professor do Curso de Pós-Graduação de Direito Penal e Processo Penal da Faculdade Estácio de Sá, Pós-Graduado em Direito Penal e Processo Penal pela FADIVALE em Governador Valadares/MG, Prof. do Curso de Pós-Graduação em Ciências Criminais e Segurança Pública, Faculdades Unificadas Doctum, Campus Teófilo Otoni, Professor do curso de Pós-Graduação da FADIVALE/MG, Professor da Universidade Presidente Antônio Carlos - UNIPAC-Teófilo Otoni. Especialização em Combate à corrupção, crime organizado e Antiterrorismo pela Vniversidad DSalamanca, Espanha, 40ª curso de Especialização em Direito. Mestrando em Ciências das Religiões pela Faculdade Unida de Vitória/ES. Participação no 1º Estado Social, neoliberalismo e desenvolvimento social e econômico, Vniversidad DSalamanca, 19/01/2017, Espanha, 2017. Participação no 2º Taller Desenvolvimento social numa sociedade de Risco e as novas Ameaças aos Direitos Fundamentais, 24/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Participação no 3º Taller A solução de conflitos no âmbito do Direito Privado, 26/01/2017, Vniversidad DSalamanca, Espanha, 2017. Jornada Internacional Comjib-VSAL EL espaço jurídico ibero-americano: Oportunidades e Desafios Compartidos. Participação no Seminário A relação entre União Europeia e América Latina, em 23 de janeiro de 2017. Apresentação em Taller Avanco Social numa Sociedade de Risco e a proteção dos direitos fundamentais, celebrado em 24 de janeiro de 2017. Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Buenos Aires – Argentina, autor do Livro Tráfico e Uso Ilícitos de Drogas: Atividade sindical complexa e ameaça transnacional, Editora JHMIZUNO, Participação no Livro: Lei nº 12.403/2011 na Prática - Alterações da Novel legislação e os Delegados de Polícia, Participação no Livro Comentários ao Projeto do Novo Código Penal PLS nº 236/2012, Editora Impetus, Participação no Livro Atividade Policial, 6ª Edição, Autor Rogério Greco, Coautor do Livro Manual de Processo Penal, 2015, 1ª Edição Editora D´Plácido, Autor do Livro Elementos do Direito Penal, 1ª edição, Editora D´Plácido, Belo Horizonte, 2016. Coautor do Livro RELEITURA DE CASOS CÉLEBRES. Julgamento complexo no Brasil. Editora Conhecimento - Belo Horizonte. Ano 2020. articulista em Revistas Jurídicas, Professor em Cursos preparatórios para Concurso Público, palestrante em Seminários e Congressos. É advogado criminalista em Minas Gerais. OAB/MG. Condecorações: Medalha da Inconfidência Mineira em Ouro Preto em 2013, Conferida pelo Governo do Estado, Medalha de Mérito Legislativo da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, 2013, Medalha Santos Drumont, Conferida pelo Governo do Estado de Minas Gerais, em 2013, Medalha Circuito das Águas, em 2014, Conferida Conselho da Medalha de São Lourenço/MG. Medalha Garimpeiro do ano de 2013, em Teófilo Otoni, Medalha Sesquicentenária em Teófilo Otoni. Medalha Imperador Dom Pedro II, do Corpo de Bombeiros, 29/08/2014, Medalha Gilberto Porto, Grau Ouro, pela Academia de Polícia Civil em Belo Horizonte - 2015, Medalha do Mérito Estudantil da UETO - União Estudantil de Teófilo Otoni, junho/2016, Título de Cidadão Honorário de Governador Valadares/MG, em 2012, Contagem/MG em 2013 e Belo Horizonte/MG, em 2013.

    Autor do livro <em>Tráfico e Uso Ilícitos de Drogas: atividade sindical complexa e ameaça transnacional</em> (JH Mizuno). Participação nos livros: "Lei 12.403/2011 na Prática - Alterações da Novel legislação e os Delegados de Polícia", "Comentários ao Projeto do Novo Código Penal PLS 236/2012", e "Atividade Policial" (coord. Prof. Rogério Greco), da Impetus. Articulista em Revistas Jurídicas.

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

PEREIRA, Jeferson Botelho. A pandemia do coronavírus e o descumprimento das determinações do poder público. Análise da tipicidade penal. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6112, 26 mar. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/80373. Acesso em: 22 jun. 2021.

Comentários

1

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso
  • 0

    Isabel Mezzalira

    E aguentar autoridade medíocre e arrogante interrompendo meu direito sagrado de ir e vir? Isso não constitui crime, não?