Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

ArtigoDestaque dos editores

Uma ameaça aos princípios europeus

Os governos ultraconservadores da Polônia e da Hungria parecem atentar contra a democracia. Isso fez com que a Comissão Europeia tomasse medidas para impedi-los.

INTRODUÇÃO

A recente reforma do Judiciário, aprovada pelo Parlamento polaco, vem causando extremo desconforto entre o País e a União Europeia. A Comissão Europeia afirma que a mudança fere o princípio da separação dos poderes, pois o Judiciário deixa de se tornar independente no momento que fica suscetível a punições políticas, o que torna a reforma incompatível com os princípios europeus. Porém, não é recente que a Polônia vem sendo alertada pela Comissão Europeia por ferir valores europeus. Há anos o partido que está no poder tenta censurar o Judiciário ou realizar reformas de cunho antidemocrático.

Na Hungria, por sua vez, o Governo de extrema direita do primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, tenta, desde que chegou ao poder, implantar medidas autoritárias no País. No início do corrente ano, após o início da pandemia do coronavírus, o Governo húngaro aprovou uma lei que prevê a prisão de até cinco anos para quem divulgar informações que possam, de algum modo, dificultar o combate à pandemia. Os meios midiáticos húngaros acusam o Governo de tentar controlar a mídia através da referida legislação. Em razão disso, a União Europeia ameaçou suspender repasses ao País, que vem descumprindo as regras democráticas do bloco há tempos.


I – A Reforma no judiciário da Polônia

A “lei da focinheira” [1], aprovada em dezembro de 2019 pelo Parlamento polonês, reprime magistrados que se opuserem às reformas realizadas pelo Governo. O projeto de lei foi alvo de muitas críticas por um possível controle do Judiciário. A aprovação na câmara foi por 233 votos a favor e 205 contra. O partido que tem maioria na câmara, que é o mesmo do Presidente Andrzej Duda, afirma que as reformas são imperiosas para tornar o Judiciário mais eficiente. A legislação prediz que a sanção é o afastamento de juízes que questionem mudanças propostas pelo Governo.

Desde o início da tentativa de modificar o Judiciário, em 2017, isso levou a ativação, pela primeira vez, do artigo 7º do Tratado da União Europeia [2], por parte da Comissão Europeia, que permite a sanção de estados membros que violem os princípios europeus. A União Europeia demonstrou muita preocupação com o Estado Democrático de Direito na Polônia, diante do conflito da Lei com a separação de poderes, podendo o Conselho Europeu aplicar, como sanção, a suspenção do direito a voto da Polônia.

Em abril de 2020, a União Europeia iniciou processo de infração contra a Polônia [3], por violação do direito comunitário, após a aprovação da Lei que pune magistrados. O bloco denunciou o Governo por ferir a independência dos juízes, que também são juízes da União Europeia e que devem desempenhar sua função de aplicação do direito comunitário, destacando também que os Estados membros podem reformar os seus sistemas judiciários, porém respeitando as regras da comunidade. A Vice-Presidente da Comissão Europeia, Vera Jourová, destacou o claro risco de politização do judiciário. O Supremo Tribunal polonês advertiu, em um documento de quarenta páginas, que a lei poderia aumentar a tensão entre Varsóvia e Bruxelas, culminando também em uma possível expulsão da Polônia do Bloco europeu, por entender que a lei fere princípios europeus.


II – Lei do Coronavírus na Hungria

Em março do corrente ano, foi aprovada a chamada “lei do coronavírus” [4], que permite ao Primeiro-Ministro húngaro, Viktor Orbán, governar através de decreto, por tempo indeterminado, suspender sessões parlamentares e eleições, estabelecer prisão de oito anos para quem desrespeitar as regras de quarentena e de cinco anos para quem divulgar informação considerada incorreta pelo governo. A Lei prorroga o estado de emergência no País e foi aprovada por 137 votos contra 52 na Assembleia Nacional, onde o partido de Orbán tem maioria. A Lei é uma ameaça à liberdade de imprensa, pois seu texto é vago, podendo ser interpretado de maneira diversa da qual é proposta.

A Presidente da Comissão Europeia, Ursola von der Leyen, disse estar preocupada com a situação da Hungria e que as medidas emergenciais devem ser proporcionais e temporárias [5], tendo em vista que alguns governos estão indo longe demais. Governantes de 13 países (Alemanha, França, Espanha, Itália, Portugal, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Irlanda, Grécia e Luxemburgo) assinaram uma declaração que não trata da Hungria, mas desaprova o uso de medidas de emergência para restringir a liberdade de imprensa e de opinião.

Os líderes pleitearam que o orçamento europeu seja mais duro em relação à democracia. Em resposta, o Governo da Hungria disse que concorda de maneira total e que é preciso defender os valores democráticos, mesmo na atual pandemia. Em consequência das medidas autoritárias, diversos eurodeputados sugeriram o corte de repasses para fundos da Hungria. Após a ameaça, Viktor Orbán disse que pode encerrar no final desse mês a legislação do coronavírus. Cabe destacar que já foram presas duas pessoas em razão da referida legislação.


III – Conclusão

É, de maneira clara, observada a tentativa de censura em ambos os Países. Na Polônia, o partido PIS, do Presidente Andrzej Duda, tenta intervir na independência do poder Judiciário, perante uma legislação que concede a punição de juízes que não concordem com o Governo. Porém, o referido partido possui maioria na câmara polonesa, o que pode aumentar as sucessivas repressões aos órgãos independentes, o que vem irritando a Comissão Europeia e os Eurodeputados.

A Hungria, por sua vez, sob o comando do Primeiro-Ministro, Viktor Orbán, tenta atingir, de modo muito mais direito, a separação dos poderes e usurpar a função do legislativo. Assim como na Polônia, a Hungria vive um governo ultraconservador, porém, o governo de Orbán está intervindo diretamente nos princípios europeus, colocando em cheque, de maneira total, a democracia na Hungria. Em razão disso, o medo e a repressão são realidades nos meios midiáticos húngaros, que temem que a censura piore.

A União Europeia se mostra muito preocupada e tenta pressionar a Hungria e a Polônia em razão das referidas mudanças. Porém, faltam ações efetivas e punições que possam fazer os Governantes pararem de ameaçar o Estado de Direito em ambos os países. Assim sendo, a guerra entre o Bloco e os dois Países continua, e a falta de efetividade nas decisões da União Europeia fazem com que a democracia morra aos poucos nesses Países.


REFERÊNCIAS

[1] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/12/polonia-aprova-lei-que-pune-juizes-que-se-opoem-a-reformas-no-judiciario.shtml

[2] https://www.europarl.europa.eu/news/pt/headlines/eu-affairs/20180222STO98434/estado-de-direito-na-polonia-o-procedimento-do-artigo-7-o-passo-a-passo

[3] https://www.dw.com/pt-br/ue-abre-processo-legal-contra-a-pol%C3%B4nia-por-reforma-judici%C3%A1ria/a-53280890

[4] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/primeiro-ministro-da-hungria-obtem-poder-para-governar-por-decreto.shtml

[5] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/04/crescem-criticas-a-lei-do-coronavirus-de-premie-da-hungria.shtml

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Pedro Vitor Serodio de Abreu
Pedro Vitor Serodio de Abreu

Graduado em Direito pela Universidade Estácio de Sá, auxiliar jurídico na área do Direito Empresarial, Família, Sucessões, Consumidor e Previdenciário no escritório CAS Assessoria Jurídica. Formação complementar em Relações Internacionais pela Fundação Getúlio Vargas e pelo Senado Federal, Negociação pela Universidade Estadual do Maranhão, Gestão das Finanças Públicas pela Organização das Nações Unidas e Conselhos de Direitos Humanos pela Escola Nacional de Administração Pública.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

ABREU, Pedro Vitor Serodio de. Uma ameaça aos princípios europeus. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6195, 17 jun. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/82445. Acesso em: 27 mai. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!