Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Os 300 do Brasil e a criação de grupo paramilitar

O grupo 300 do Brasil, se se apresentar como milícia privada ou grupo paramilitar, pode estar infringindo o ordenamento jurídico brasileiro.

INTRODUÇÃO

O grupo de extrema-direita chamado de 300 do Brasil vem sendo observado pelo seu comportamento radical e por suas manifestações na Esplanada dos Ministérios. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios chegou a classificá-lo como milícia armada, que representa dano à ordem pública. O grupo é comandado pela ativista que se denomina Sara Winter, que chegou a admitir a presença de armas dentro de acampamentos onde os membros se concentram e diz ser treinada por grupo ucraniano. Em suas redes sociais, a ativista gosta de publicar fotos segurando armas e diz que os 300 do Brasil estão dispostos a dar a vida pela nação.

No entanto, a formação do determinado grupo pode estar infringindo a legislação vigente. Conforme assegura o Código Penal, em seu artigo 218-A, não é permitida a constituição de milícia privada. Na mesma toada, em seu artigo 8°, a Lei de Segurança Nacional não permite a negociação com grupo estrangeiro que provoque guerra ou atos de hostilidade no Brasil. Cabe então, a análise do ocorrido para o questionamento dos fatos expostos, que podem apresentar sério risco para o Estado Democrático de Direito.

1 - O grupo 300 do Brasil

O grupo radical de apoio ao Presidente Jair Bolsonaro, intitulado de 300 do Brasil, vem ganhando fama diante de manifestações antidemocráticas contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional [1]. O grupo se concentra em um acampamento na capital federal e é comandado pela ativista Sara Geromini, conhecida como Sara Winter, ex-integrante do grupo ucraniano Femen. O 300 do Brasil tem apresentado táticas similares a de guerrilha com a intenção de “exterminar a esquerda” e “tomar o poder para o povo”. Os objetivos do grupo se concentram em “recuperar a soberania nacional e buscar a independência econômica da China”, além de “combater o totalitarismo da esquerda e os mecanismos de corrupção da classe política tradicional”, o acampamento promove desde o dia 27 de abril, treinamentos “com especialistas em revolução não violenta”.

1.1-Da presença de armas no acampamento

Em entrevista à BBC News, no mês de maio do corrente ano, a militante Sara Geromini, líder do grupo 300 do Brasil, admitiu a presença de armas nos acampamentos do grupo em Brasília [2]. De acordo com a ativista, as armas servem para a proteção dos integrantes:

"Em nosso grupo, existem membros que são CACs (sigla para Colecionador, Atirador e Caçador), outros que possuem armas devidamente registradas nos órgãos competentes. Essas armas servem para a proteção dos próprios membros do acampamento e nada têm a ver com nossa militância"

1.2 - Do financiamento ao acampamento

Uma campanha de financiamento coletivo do grupo 300 do Brasil foi retirada do ar [3]. O movimento foi feito no site Vakinha e serviu de apoio para o acampamento formado pelo grupo na Esplanada dos Ministérios em apoio ao Presidente Jair Bolsonaro. O site escreveu em seu perfil no Twitter:

“Ainda sobre o caso dos 300 do Brasil, nosso jurídico concluiu uma nova análise, facilitada pelos eventos recentes, e recomendou a retirada da vaquinha. Como sempre informamos, procedemos em concordância com nosso jurídico e com toda a responsabilidade necessária. ”

2-Da fala do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

O MPDFT entrou com uma ação civil pública pedindo o fim do acampamento criado pelo grupo 300 do Brasil. De acordo com o Ministério Público, o grupo de extrema direita e defensor do Presidente Jair Bolsonaro é uma milícia armada [4]. Na referida ação, o MPDFT diz: 

"a presença de milícias armadas, conforme noticiado nos veículos de comunicação, na região central da Capital Federal, representa inequívoco dano à ordem e segurança públicas"

"Milícias não se subordinam à normatividade jurídica do Estado; seguem paralelas a ela ou em contraposição ao poder estatal. Não é necessário haver uniforme, distintivo, continência ou sinais de respeito à hierarquia, símbolos ou protocolos de conduta visíveis ou explícitos. Importa, e muito, o emprego paramilitar dos associados para finalidade política nociva ou estranha à tutela do Estado Democrático de Direito"

O Ministério Público, ainda, pediu a proibição da aglomeração de pessoas, diante das medidas de distanciamento social: "No caso presente, é necessária adoção da proibição total, ainda que por tempo determinado, das manifestações públicas com aglomeração de pessoas, pois essa é a única medida possível e eficaz no cenário para contenção da proliferação da doença e para possibilitar que o sistema de saúde público e privado se reorganize, a fim de que se consiga destinar tratamento adequado aos doentes", disseram os autores da ação. "Muito embora a restrição de manifestações populares possa suscitar dúvidas acerca de sua constitucionalidade, pois importa em restrições à circulação de pessoas e manifestação de seus direitos políticos, consigne-se que os direitos fundamentais não são absolutos. "

3- Do crime de constituição de milícia privada

O artigo 288-A [5] do Código Penal prevê o delito de constituição de milícia privada. Assim, a referida norma busca resguardar o Estado Democrático de Direito diante da utilização de grupos paramilitares com viés político-ideológico, conforme é observado:

“Art. 288-A.  Constituir, organizar, integrar, manter ou custear organização paramilitar, milícia particular, grupo ou esquadrão com a finalidade de praticar qualquer dos crimes previstos neste Código:

Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos. “

Para Masson, a definição dos grupos estabelecidos nesse artigo é:

“Organização paramilitar é uma associação civil, desvinculada do Estado, armada e com estrutura análoga às instituições militares, que utiliza táticas e técnicas policiais ou militares para alcançar seus objetivos. Não raramente, membros das forças militares (Exército, Marinha, Aeronáutica, polícias) clandestinamente também integram as organizações paramilitares, com motivação ilícita (político-partidária, religiosa ou de outra natureza).

Milícia particular é o agrupamento armado e estruturado de civis – inclusive com a participação de militares fora das suas funções – com a pretensa finalidade de restaurar a segurança em locais controlados pela criminalidade, em face da inoperância e desídia do Poder Público. Para tanto, seus integrantes apresentam-se como verdadeiros “heróis” de uma comunidade carente e fragilizada, e como recompensa são remunerados por empresários e pelas pessoas em geral.

Grupo e esquadrão 21 ligam-se aos grupos de extermínio. Esta conclusão é extraída da interpretação sistemática da Lei 12.720/2012, que acrescentou os §§ 6.º e 7.º, respectivamente, aos arts. 121 e 129 do Código Penal.

Grupo de extermínio é a associação de matadores, composta de particulares e muitas vezes também por policiais autointitulados de “justiceiros”, que buscam eliminar pessoas deliberadamente rotuladas como perigosas ou inconvenientes aos anseios da coletividade. Sua existência se deve à covardia e à omissão do Estado, bem como à simpatia e não raras vezes ao financiamento de particulares e de empresários, que contam com a ajuda destes exterminadores para enfrentar supostos ou verdadeiros marginais, sem a intervenção do Poder Público. “ [6]

O doutrinador também estabelece os núcleos do tipo penal, que se dividem em constituir, organizar, integrar, manter e custear:

“Constituir é formar, fundar ou dar existência a algo; organizar tem o sentido de formar, estruturar ou colocar em ordem; integrar, por sua vez, equivale a incorporar-se ou tornar-se parte de um grupo qualquer; manter traduz a ideia de conservar ou defender; e, finalmente, custear significa arcar com os custos financeiros da manutenção de algo. O custeio pode ser rateado entre todos os agentes, ou então ser efetuado por somente um ou alguns deles.

Esses núcleos autorizam a conclusão de que o crime deverá ser imputado tanto para aqueles que constituíram, isto é, fundaram a estrutura ilícita de poder, bem como para aqueles que nela ingressaram após a sua efetiva formação.

Trata-se de tipo misto alternativo, crime de ação múltipla ou de conteúdo variado: o tipo penal contém vários núcleos e, se os sujeitos realizarem mais de um deles contra o mesmo objeto material – organização paramilitar, milícia particular, grupo ou esquadrão –, estará caracterizado um único delito. “ [7]

3.1-Da previsão Constitucional

A Constituição Federal, em seu artigo 5°, trata dos direitos e garantias fundamentais. Assim sendo, em seu inciso XVII, trata sobre a liberdade de associação, porém, veda a de caráter paramilitar:

“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar; ” [8]

Em razão disso, Gilmar Mendes tem o entendimento de que:

“O caráter paramilitar que torna imprópria a associação, afinal, não tem que ver necessariamente com a finalidade do ente, mas com o modo como desenvolve as suas atividades, em desafio ao monopólio da força bruta pelo Estado. O caráter paramilitar liga-se ao desempenho de atividades bélicas pela associação, tenham os seus membros armas ou não. É típico da associação paramilitar a adoção de estrutura interna similar às das forças militares regulares apresentando hierarquia bem definida e adotando o princípio da obediência. “ [9]

Desse modo, não há a necessidade do uso de armas para a caracterização da atividade paramilitar, sendo comum nesses grupos a inclusão de estrutura similar ao militarismo.

4 - Da Lei de Segurança Nacional

A Lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983, intitulada de Lei de Segurança Nacional, define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências. Assim sendo, em seu artigo 8°, existe a previsibilidade do delito de:

“Art. 8º - Entrar em entendimento ou negociação com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, para provocar guerra ou atos de hostilidade contra o Brasil.

Pena: reclusão, de 3 a 15 anos." [10]

O risco ao desmanche da soberania nacional é visível quando grupos brasileiros e estrangeiros agem em conjunto para incitar atos hostis. É possível então, observar a intenção do legislador em resguardar a soberania nacional, em razão de uma possível influência político-ideológica de grupos contrários ao Estado Democrático de Direito.

5- Conclusão

A legislação vigente deixa claro a respeito do delito de formação de milícia privada, além da ajuda de grupos estrangeiros em atos que contrariam a soberania do Estado brasileiro. Logo, são de extremo perigo os atos praticados pelo grupo 300 do Brasil, cuja líder assumiu que existem armas no acampamento e os membros defendem o atual Governo. A cautela deve existir, também, pelo fato de a representante do grupo ter sido treinada por um grupo estrangeiro, o que reforça a ideia de interesses internacionais na soberania nacional.

A Lei de Segurança Nacional estabelece mecanismos para coibir o auxílio de grupos estrangeiros para o caos na sociedade brasileira. A Constituição Federal é precisa ao vedar a associação para fins paramilitares. O Código Penal também resta claro e eficiente na imputação do crime a, não somente quem faz parte, mas também a quem financia, com observância maior ao financiamento virtual, realizado por diversos contribuintes que podem estar cometendo o delito previsto no artigo 288-A.

Cabe então, aos órgãos investigadores, a averiguação dos atos praticados por esse grupo, além de ser necessária a atenção para a fala do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, pois se trata de um órgão que exerce a função de custos legis e percebeu que o grupo representa inequívoco dano à ordem e segurança públicas. Dessa maneira, é necessária a investigação e a apuração em relação ao financiamento e às finalidades do referido grupo, para a garantia da soberania nacional.


REFERÊNCIAS

[1] https://oglobo.globo.com/brasil/grupo-que-divulga-taticas-para-exterminar-esquerda-treina-voluntarios-em-brasilia-24419188

[2] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2020/05/12/ativista-admite-presenca-de-armas-em-acampamento-bolsonarista-servem-para-a-protecao-dos-membros.htm

[3] https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/05/27/interna_politica,858846/site-cancela-financiamento-coletivo-do-movimento-liderado-por-sara-win.shtml

[4] https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/05/13/mp-chama-300-do-brasil-de-milicia-armada-e-pede-fim-de-acampamento.htm

[5] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm

[6] Direito Penal Esquematizado - volume 03 - Parte Especial- Pág 479 - 11ª edição / 2018 - Cleber Masson.

[7] Direito Penal Esquematizado - volume 03 - Parte Especial- Pág 480 - 11ª edição / 2018 - Cleber Masson.

[8] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

[9] Curso de Direito Constitucional / Gilmar Ferreira Mendes, Paulo Gustavo Gonet Branco. – 13. ed. – Pág 447 - São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

[10] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7170.htm

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Pedro Vitor Serodio de Abreu
Pedro Vitor Serodio de Abreu

Graduado em Direito pela Universidade Estácio de Sá, auxiliar jurídico na área do Direito Empresarial, Família, Sucessões, Consumidor e Previdenciário no escritório CAS Assessoria Jurídica. Formação complementar em Relações Internacionais pela Fundação Getúlio Vargas e pelo Senado Federal, Negociação pela Universidade Estadual do Maranhão, Gestão das Finanças Públicas pela Organização das Nações Unidas e Conselhos de Direitos Humanos pela Escola Nacional de Administração Pública.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

ABREU, Pedro Vitor Serodio de. Os 300 do Brasil e a criação de grupo paramilitar. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6179, 1 jun. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/82660. Acesso em: 17 mai. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!