Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

DOLO ESPECÍFICO EM AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

DOLO ESPECÍFICO EM AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Erigida em argumentos diversos, notadamente de excessos dos legitimados ativos (Ministério Público e pessoa jurídica lesada) e de interpretações judiciais conflitantes, as disposições da Lei Federal n. 14.230/2021 (Altera a Lei n. 8.429, de 2 de junho de 1992, que dispõe sobre improbidade administrativa) trouxeram alterações substanciais a Lei Federal n. 8.429/1992 (Lei de Improbidade Administrativa - LIA).

Muitas foram as alterações de ordem material e adjetiva.

Neste artigo, de forma sucinta, a abordagem se dará sobre a indispensabilidade do elemento volitivo doloso para a configuração de quaisquer condutas tidas por ímprobas.

Antes, contudo, do enfrentamento do tema, anote-se que a Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), conhecida como Lei do Colarinho Branco, previa quatro modalidades de atos de improbidade administrativa: a) geradores de enriquecimento ilícito (art. 9º); b) causadores de prejuízo ao erário (art. 10); c) decorrentes de concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário (art. 10-A); d) atentatórios contra os princípios da Administração Pública (art. 11).

Os atos ímprobos de gerem enriquecimento ilícito, causam prejuízos ao erário e vilipendiem princípios administrativos restaram mantidos pela Lei Federal n. 14.230/2021 com algumas alterações e inserções.

A concessão de aplicação ou manutenção de beneficio financeiro ou tributário contrário ao que dispõem o caput e o § 1º do artigo 8º-A da Lei Complementar n. 116, de 31 de julho de 2003, anteriormente previsto no artigo 10-A da Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), foi revogado pela Lei Federal n. 14.230/2021.

Referido ato de improbidade deixa de ter status de espécie de ato improbo, inserindo-se como uma das figuras configuradoras de ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário público, conforme disposição do inciso XXII do artigo 10 da Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), com as alterações introduzidas pela Lei Federal n. 14.230/2021.

As condutas ímprobas, em termos práticos, em nada restaram alteradas.

Alteração substancial se deu em relação a suas configurações.

Extirpando entendimento do Tribunal de Cidadania, a Lei de Improbidade Administrativa (Lei Federal n. 8.429/1992 LIA), com as alterações introduzidas pela Lei Federal n. 14.230/2021, exige para a configuração de qualquer ato de improbidade administrativa a presença do elemento volitivo doloso.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) apresentou, no âmbito das ações regidas pela Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), tese referente a responsabilidade objetiva do agente em ações de improbidade administrativa, consagrando a inadmissão de responsabilidade objetiva no âmbito das ações regidas pela Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), sacramentando ser indispensável a presença de dolo nos casos de enriquecimento ilícito (art. 9º) e dos atos maculadores de princípios administrativos (art. 11) e a presença de culpa grave nos casos de atos que causem prejuízos ao erário público (art. 10).

O entendimento, antes de qualquer alteração legislativa, era questionável.

Em artigo denominado Elemento volitivo doloso e improbidade administrativa (Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6523, 11 maio 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/90424. Acesso em: 11 nov. 2021) já defendia (e continua-se defendendo) que não se há falar em improbidade administrativa culposa, sendo imprescindível a conduta dolosa do agente para a caracterização de qualquer ato improbo.

Todas as figuras ímprobas, preconizadas na Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA), exigem para a sua configuração um agir ou uma omissão do agente com o fim específico de produzir o resultado tido como improbo, assumindo, no mínimo o risco de produzi-lo.

O entendimento anteriormente exposto foram confirmados, conforme expressamente previsto nos §§ 2º e 3º do artigo 1º da Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA) em razão das inserções realizadas pela Lei Federal n. 14.230/2021:

Art. 1º O sistema de responsabilização por atos de improbidade administrativa tutelará a probidade na organização do Estado e no exercício de suas funções, como forma de assegurar a integridade do patrimônio público e social, nos termos desta Lei.     (

§2º Considera-se dolo a vontade livre e consciente de alcançar o resultado ilícito tipificado nos arts. 9º, 10 e 11 desta Lei, não bastando a voluntariedade do agente.      

§3º O mero exercício da função ou desempenho de competências públicas, sem comprovação de ato doloso com fim ilícito, afasta a responsabilidade por ato de improbidade administrativa. (...). (Grifos e omissões nossos).

As normas legais em evidência são claras.

A configuração de qualquer ato de improbidade administrativa, em razão das alterações realizadas na Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA) pela Lei Federal n. 14.230/2021, somente restará caracterizada se o agente agir com dolo específico, ou seja, que sua conduta seja livre e consciente com fins de alcançar o resultado ilícito improbo.

Não basta, assim, a voluntariedade do agente para o cometimento de um ato de improbidade administrativa, sendo indispensável que a demonstração do ato doloso específico para fins de sancionamento do agente.

Aliás, esse era o entendimento do próprio Superior Tribunal de Justiça (STJ) que atesta que a conduta dolosa é indispensável para caracterização de qualquer proveito pessoal ilícito, lesão aos cofres públicos e ofensa aos princípios nucleares administrativos:

DIREITO SANCIONADOR. AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL INTERPOSTO PELO MPF CONTRA DECISÃO MONOCRÁTICA DO MINISTRO RELATOR QUE DEU PROVIMENTO A AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL DA PARTE DEMANDADA, PARA RESTABELECER PRIMEIRO ACÓRDÃO DO TJ/RJ, QUE ABSOLVEU O RÉU DAS ACUSAÇÕES EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ALEGADA CONDUTA ÍMPROBA. (...) 3. Reafirmação do entendimento do Relator de que toda e qualquer conduta, no afã de ser encapsulada como ímproba, exige, como elementar, o apontamento de prática dolosa, maleficente e especificamente dirigida ao enriquecimento ilícito, ao dano aos cofres públicos e à lesão da principiologia administrativa, não havendo falar-se em improbidade culposa. 4. Inegavelmente, conduta dolosa, proveito pessoal ilícito, lesão aos cofres públicos e ofensa aos princípios nucleares administrativos são as elementares da improbidade administrativa. A manifestação judicial que afaste quaisquer desses elementos resulta em ausência do tipo (AgInt no Resp. 922.526/SP, Rel. Min. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, DJe 3.4.2019). 5. (...). A decisão agravada, que restabeleceu a absolvição, não merece reproche algum. 8. Agravo Interno do Órgão Acusador desprovido. (...). (STJ - AGINT NO ARESP 225.531/RJ - 1ªT - DJE 28/06/2019) (Original sem grifos e sem omissões). 

Acertada, portanto, a alteração legislativa introduzida na Lei Federal n. 8.429/1992 (LIA) no sentido de que para a configuração de qualquer ato de improbidade administrativa se faz necessária a vontade livre e consciente (dolo) do agente para alcançar o resultado ilícito tipificado nos artigos 9º (geradores de enriquecimento ilícito), 10 (causadores de prejuízo ao erário) e 11 (maculadores de princípios administrativos) da LIA, não bastando a voluntariedade do agente.      

Não se pode conceber a ideia de prática de um ato de improbidade sem querer: improbidade administrativa é designativo técnico de corrupção administrativa, ou seja, de qualquer ato contrário à honestidade, à boa-fé, à honradez, à correção de atitude.

Página 1 de 1
Sobre o autor
Imagem do autor Francisco Valadares Neto
Francisco Valadares Neto

Graduado Bacharel em Direito pelo Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná (ILES/ULBRA). Concluiu, em 2004, pós-graduação em Direito Público pela Faculdade Integrada de Pernambuco (FACIP), obtendo o título de Pós-Graduado em Direito Constitucional. Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, na cidade de Buenos Aires – Argentina (2016). Atualmente, além das atividades de advogado, exerce o cargo de Procurador Jurídico do Município de Brasiléia – Estado do Acre.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!