O mau uso do FUNDEB por um "governante".

Nos tempos de outrora, quando os constituintes originários estiveram formalizando as ideias, os costumes, os pensamentos políticos, econômicos, filosóficos, sociais e morais daquela passada sociedade do século XX, preocuparam-se, também, em estruturar um preâmbulo constitucional[1], para que o aplicador da lei, o confeccionador de um novo ordenamento jurídico, os leitores internos e externos do Estado brasileiro, percebessem qual é a intenção do legislador original ao destacar à importância de determinados direitos e deveres do nosso Estado Democrático de Direito.

Dito isto, urge mencionar que o preâmbulo da Carta Constitucional Brasileira de 1988 possui grande validade dentro do sistema principiológico normativo constitucional, uma inteira e importante utilização com os princípios basilares da educação arrolados nos incisos do artigo [206] da Carta Maior, a saber:

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;

III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;

IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;

V - valorização dos profissionais da educação escolar, garantidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos das redes públicas;

VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei;

VII - garantia de padrão de qualidade;

VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei federal.

Lado outro, entre todas as garantias asseguradas no preâmbulo, destaca-se à garantia do “desenvolvimento” que, numa maneira hermenêutica e ampla de interpretação jurídico-social, entende-se não apenas por desenvolvimento na infraestrutura urbana e/ou econômica do Estado, e sim um desenvolvimento de qualidade na educação dos membros compostos da sociedade brasileira, na intenção e pensamento do falecido Ulysses Guimarães ao dizer que “mais miserável do que os miseráveis é a sociedade que não acaba com a miséria”, principalmente a miséria educacional, cultural, filosófica, patriótica, moral e da formação digna de professores.

No entanto, ainda existem situações em nosso país que acabam por prejudicar, cada vez mais, o desenvolvimento educacional como um todo. A título de exemplo, menciono a denúncia realizada pelo programa CQC, exibido no dia 17 de março de 2014[2].

O programa noticiou um “suposto” (para ser juridicamente correto, uma vez que o fato não transitou em julgado) crime de concussão[3], tendo em vista que o atual prefeito da municipalidade de Esperantina – PI exigia dinheiro de um empresário responsável por vender as merendas escolares daquela cidade, dinheiro esse que é repassado pelo Governo Federal através do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB[4].

Ora, a tributação brasileira já é totalmente desigual de ponta a ponta; os incentivos financeiros em prol da educação deixam a desejar; os sistemas educacionais de quase todas as regiões interioranas do Brasil são menosprezados; e, ainda, em pleno século XXI, pessoas com atitudes ignóbeis são facilmente encontradas na governança dos Poderes Executivos das nossas cidades.


[1] Como bem explana os Ilustres juristas, Ana Paula de Barcellos e Luís Roberto Barroso, “o termo ‘preâmbulo’ deriva do latim preambulus, significando o que caminha na frente ou o que precede, razão pela qual é utilizado para identificar a parte preliminar e algum texto, na qual se procura explicar ou justificar o que vem a seguir. Tal como ocorre nas obras artísticas e literárias, também a promulgação de atos normativos pode vir acompanhada desta exposição, que introduz o texto. Embora não seja um elemento obrigatório ou mesmo necessário para que o texto constitucional produza seus efeitos, é comum que as constituições sejam acompanhadas de um preâmbulo, até por se tratar de uma oportunidade privilegiada para o constituinte originário, na qual pode apesentar uma síntese da reflexão acerca do Direito e da sociedade pautou os trabalhos desenvolvido culminou na Constituição que terá vigência a partir de então. Conterá este documento, em regra, as principais motivações, intenções, valores e fins que inspiraram os constituintes. BARCELLOS, Ana Paula de; BARROSO, Luis Roberto. Comentário ao preâmbulo daCR: Função e Normatividade. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L (Coords). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013, p. 105.

[2] Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=YsZvcom-uCM

[3] Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida.

[4] O FUNDEB foi criado pela Emenda Constitucional nº [53]/2006 e regulamentado pela Lei nº 11.494/2007 e pelo Decreto nº 6.253/2007.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria