Pontos relevante na qual o comprador deve se ater antes de comprar um imóvel, evitando prejuízos ou até mesmo a nulidade do negócio jurídico.

Com a atual crise financeira passou se a existir boas oportunidades de adquirir imóveis. Mas para se assegurar do negócio jurídico é necessário averiguar certos requisitos, precavendo de nulidades, fraudes e não gerando prejuízo ao comprador. Antes de comprar um imóvel é necessário constatar quem é o dono ou a pessoa autorizada (por procuração) a realizar a venda do objeto contratual. O proprietário deve ser moral e financeiramente idôneo.

Para que a compra do imóvel não seja viciado ou nula, pode ser averiguado por intermédio de certidões seja do imóvel seja da pessoa do vendedor (pessoa física ou jurídica).

Imprescindível a CERTIDÃO DE PROPRIEDADE EM NOME DO VENDEDOR: CÓPIA DA MATRÍCULA, fornecida pelo Oficial do Registro de Imóveis da circunscrição imobiliária competente.

A matricula é um documento que atesta quem é o proprietário do imóvel e expõe todos os atos realizados com o imóvel. A matricula fica registrada no cartório de imóveis da circunscrição do endereço do imóvel.

A CERTIDÃO DEVE SER RECENTE, pois o imóvel já pode ter sido vendido entre a data da certidão e a data do negócio. A certidão é válida por 30 dias. Sendo assim, é possível que um estelionatário venda o mesmo imóvel diversas vezes. A matrícula é importante para ciência se já houve promessa de venda para outra pessoa, nesse caso, essa (s) pessoa (s) terão direito real de aquisição. Pode-se averiguar, também, se há até mesmo vários donos (condomínio), impreterível saber em razão da adjudicação do condômino postergado em 180 dias da venda – CC, art. 504.

Art. 504. Não pode um condômino em coisa indivisível vender a sua parte a estranhos, se outro consorte a quiser, tanto por tanto. O condômino, a quem não se der conhecimento da venda, poderá, depositando o preço, haver para si a parte vendida a estranhos, se o requerer no prazo de cento e oitenta dias, sob pena de decadência

Importante também saber se o vendedor é casado (exceto no regime de separação de bens), pois se faz necessária a outorga conjugal (CC, art. 1.647).

Art. 1.647. Ressalvado o disposto no art. 1.648, nenhum dos cônjuges pode, sem autorização do outro, exceto no regime da separação absoluta:

- alienar ou gravar de ônus real os bens imóveis;

Mister a ciência se o bem está gravado com cláusula de inalienabilidade, se há usufruto ou está penhorado ou hipotecado, assim como se foi efetuada venda a descendente conforme prevê o CC, art. 496:

Art. 496. É anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido.

sendo indispensável a anuência dos demais descendentes e do cônjuge do vendedor - a doação não prejudica o adquirente (CC, art. 544),

Art. 544. A doação de ascendentes a descendentes, ou de um cônjuge a outro, importa adiantamento do que lhes cabe por herança.

Deve-se verificar também se há contrato de locação com cláusula de vigência ou registrado, hipótese em que o adquirente terá que aguardar o prazo para o despejo ou o locatário preterido na preferência terá o direito de adjudicar no prazo de 6 meses, desde que o contrato esteja averbado pelo menos 30 dias antes da alienação (LI, arts. 8º, 27 e 33);

Carece conhecer se houve venda com lesão, conforme explana o artigo 157 do CC, que poderá anular o negócio em 4 anos (art. 178 do CC

Art. 157. Ocorre a lesão quando uma pessoa, sob premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a prestação manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta.

§ 1o Aprecia-se a desproporção das prestações segundo os valores vigentes ao tempo em que foi celebrado o negócio jurídico.

§ 2o Não se decretará a anulação do negócio, se for oferecido suplemento suficiente, ou se a parte favorecida concordar com a redução do proveito.

Possuindo como Características

  • -Premente necessidade ou inexperiência;
  • -Prestação desproporcional (de acordo com os valores vigentes à data do negócio jurídico).

Conseqüência: Anulação do ato jurídico, se requerida em 4 anos (CC, art. 178), exceto se houver compensação (por parte de quem recebeu menos) ou se a parte favorecida concordar com a redução do proveito (aquele que recebeu mais do que o valor corrente).

OUTRAS CERTIDÕES REFERENTES AO IMÓVEL é a CERTIDÃO NEGATIVA DE TRIBUTOS MUNICIPAIS, FORO E LAUDÊMIO, pois são despesas “propter rem”-própria da coisa.

A CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS CONDOMINIAIS E DO PRÓPRIO CONDOMÍNIO QUANTO AOS DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS E TRABALHISTAS, conforme artigo 4º, parágrafo único, da Lei n. 4.591/64. É preciso lembrar, também, que a despesa condominial é “propter rem” (CC, arts. 1.334, § 2º, 1.336, I e 1.345): Art. 1.345. O adquirente de unidade responde pelos débitos do alienante, em relação ao condomínio, inclusive multas e juros moratórios.

Nesse sentido, de acordo com João Nascimento Franco (Condomínio. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999, p. 224),

“ para garantir o equilíbrio econômico e financeiro do condomínio, a lei considera dívida “propter rem” a cota-parte atribuível a cada apartamento nas despesas ordinárias e extraordinárias. Por se tratar de débito vinculado ao imóvel, o adquirente responde pelas despesas não pagas pelo alienante, embora possa regressivamente voltar-se contra este reclamando o respectivo reembolso, caso a escritura de venda tenha estabelecido este direito”.

Outra questão é a CERTIDÃO DE UTILIDADE PÚBLICA E TOMBAMENTO, esta revelará se o imóvel não foi declarado de interesse público ou social para fins de desapropriação ou foi tombado como patrimônio histórico, artístico ou ambiental.

Enfim, a maioria dos compradores se eximem a estas observações, portanto, estes são os pontos que se deve aferir para se resguardar de qualquer defeito do negócio jurídico, evitando prejuízos na compra e venda quanto ao imóvel.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0