As recentes ondas de apoio ao fim da democracia e as tentativas infrutíferas de interferência em órgãos independentes fizeram com que o STF restringisse uma série de atos realizados pelo atual Presidente.

INTRODUÇÃO

O relacionamento do brasileiro com o Estado de Direito nunca foi dos melhores. Diversas vezes na história de nosso País, ocorreram atos antidemocráticos, como a Ditadura Militar e a Era Vargas. Entretanto, após vivenciarmos todos esses períodos de repressões, finalmente, na década de 80, a democracia retornou e pensávamos que não haveria a necessidade de defender o País de atos como esse mais uma vez.

Porém, nos dias atuais, ocorre uma onda de apoio à intervenção militar e ao fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, e, além disso, os manifestantes recebem incentivo do Presidente, atingindo, assim, uma dimensão nacional e violando os princípios que regem a República Federativa do Brasil. Portanto, todo esse suporte a um regime que afronta o estado de direito, viola também, a Lei de Segurança Nacional. Em razão disso, foi aberto inquérito pelo Procurador Geral da República para a investigação do possível crime contra a democracia.

Além disso, o clima entre a Bolsonaro e o STF não é dos melhores. Nos últimos dias, o ministro Alexandre de Moraes mandou a PF realizar diligências por atos pró-ditadura contra deputados que são apoiadores do Presidente, suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal e acabou com as restrições à Lei de Acesso à informação. Após isso, de maneira consequente, essa investigação está culminando na perseguição e na divulgação de notícias falsas contra o Supremo Tribunal Federal por grupos que apoiam o chefe do Executivo.

Contudo, mesmo com toda a perseguição, é de grande importância o trabalho do defensor da Constituição para a preservação da democracia e do Estado de Direito, pois a tentativa de restrição dos meios de comunicação, o apoio a uma possível intervenção militar ou fechamento do Congresso nos fazem retroceder anos.


STF x Bolsonaro

No último dia 19/04, aconteceram no Brasil diversos atos de incentivo à intervenção militar e ao fechamento do Congresso e do STF [1]. Entretanto, por mais assustador que pareça ser no século XXI cidadãos em pleno direito de manifestação apoiarem algo que tiraria todos os direitos adquiridos com a CRFB/88, incluindo o direito de realizarem o ato que estavam realizando, isso não foi o pior. Os atos antidemocráticos foram apoiados pelo atual Presidente da República que, além de sempre ter sido apoiador dos meios ditatoriais, agora exerce o cargo mais importante do País e uma influência enorme sob a população.

Após o sucedido, o Procurador Geral da República, Augusto Aras, solicitou a abertura de um inquérito para apurar crimes cometidos contra a democracia brasileira[2], apurando até mesmo a participação de deputados estaduais. E em razão disso, o ministro Alexandre de Moraes, realizou a abertura de um inquérito para investigar os atos realizados[3], e com isso, a Polícia Federal realizou diligências contra Deputados que estariam organizando as manifestações.

Porém, a realização dos inquéritos agravou uma crise na Presidência que acabou culminando com o pedido de demissão realizado pelo até então Ministro da Justiça, Sergio Moro, por se negar a aceitar a exoneração do ex-diretor geral da PF, que foi retirado do cargo por suposta investigação do órgão contra Carlos Bolsonaro[4], filho do atual Presidente, que era apontado como articulador em um esquema de notícias falsas. E em razão disso, foi indicado Alexandre Ramagem para assumir o posto, em uma possível tentativa de proteção.

Todavia, o Ministro Alexandre de Moraes suspendeu a nomeação do apontado para assumir o cargo, pelo fato de a Polícia Federal não se tratar de órgão de inteligência da Presidência da República e pela ocorrência de desvio de finalidade, em razão dos princípios da impessoalidade, moralidade e do interesse público, todos previstos na Constituição. Após a suspenção, o Presidente afirmou que “não engoliu” a atitude do Ministro[5], e que “não é essa a forma de tratar um chefe do Executivo, que não tem uma acusação de corrupção e faz tudo possível pelo seu País”.

Ademais, o STF derrubou as restrições impostas pelo chefe do Executivo à Lei de Acesso à Informação[6], que foram editadas em medidas provisórias, onde eram suspensos os prazos de resposta e também a necessidade de reiteração de pedidos durante a atual pandemia. O relator, Ministro Alexandre de Moraes, afirmou que há uma clara tentativa do Governo de impedir que o cidadão tenha o livre acesso às informações e que a administração pública deve ter transparência.


II – Conclusão

Nunca, após a ditadura militar, o Brasil esteve tão ameaçado pelo fantasma de uma nova ditadura. Assim como ocorreu em 1964, uma parcela da população apoia a intervenção militar e pede o fechamento do Congresso e do STF, órgãos de grande importância para o funcionamento do Brasil. Porém, além disso, a situação se torna apavorante por, nos tempos atuais, um Presidente da República, que foi eleito de maneira democrática, se submeter e estimular atos antidemocráticos.

Nas atuais conjunturas, o Governo vive uma crise política após a tentativa de intervenção na Polícia Federal, para evitar a investigação do filho do Presidente e de Deputados que, de maneira suposta, estão colocando em risco o estado democrático de direito. Entretanto, cabe ressaltar que a PF é um órgão cuja função é investigativa e não está a cargo da Presidência. Assim sendo, Bolsonaro, ao dizer que “não engoliu”, ou que “não é essa a forma de tratar um chefe do Executivo, que não tem uma acusação de corrupção e faz tudo possível pelo seu País”, age com total prepotência e mostra que não está fazendo de tudo possível pelo Brasil, mas sim, para salvar a imagem de sua família e seu Governo.

Outrossim, com a tentativa de restringir a Lei de Acesso à Informação, que estabelece como direito de qualquer cidadão receber, do poder público, informações de interesse da sociedade, Bolsonaro, através de medida provisória, realizou alterações na Lei, com o claro intuito de diminuir o acesso às informações e ocultá-las da população durante a pandemia.

Logo, no momento que ora atravessamos, é perceptível a importância da atuação de órgãos autônomos como o Supremo Tribunal Federal, que, diante da tentativa de intervenção na Polícia Federal, impediu a nomeação do indicado pelo Presidente e também impediu a limitação ao acesso à informação que poderia aumentar a proliferação de notícias falsas e poderiam colocar em risco a vida de milhões de brasileiros, em razão do novo surto do coronavírus.

Portanto, mesmo em tempos em que a população desdenha da democracia e apoia atos que colocam em risco a segurança nacional, o Supremo Tribunal Federal estará cumprindo o seu papel de guardião da Constituição, preservando os princípios fundamentais da República Federativa do Brasil.


REFERÊNCIAS

[1] https://brasil.elpais.com/politica/2020-04-19/bolsonaro-endossa-ato-pro-intervencao-militar-e-provoca-reacao-de-maia-stf-e-governadores.html

[2] https://veja.abril.com.br/politica/aras-pede-investigacao-de-ato-que-pediu-fechamento-do-congresso-e-stf/

[3] https://oglobo.globo.com/brasil/moraes-manda-pf-realizar-diligencias-contra-deputados-bolsonaristas-em-inquerito-contra-atos-pro-ditadura-24391052

[4] https://www.conjur.com.br/2020-abr-25/pf-aponta-carlos-bolsonaro-articulador-fake-news

[5] https://exame.abril.com.br/brasil/nao-engoli-a-decisao-do-moraes-diz-bolsonaro-sobre-nomeacao-de-ramagem/

[6] https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/04/30/supremo-derruba-restricoes-a-lei-de-acesso-a-informacao-durante-pandemia.ghtml


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0