A Lei nº 12.846/2013 estabelece a responsabilidade civil e administrativa da pessoa jurídica em decorrência de atos lesivos praticados contra a Administração Pública.

O país acaba de receber no seu ordenamento jurídico a Lei Federal nº 12.846, de 1º de agosto de 2013, publicada no Diário Oficial da União do dia seguinte, a qual estabelece a responsabilidade civil e administrativa da pessoa jurídica em decorrência de atos lesivos praticados contra a Administração Pública.

Alguns pontos merecem destaque e merecem maior reflexão, como se faz a seguir.


1. Do contexto

É necessário compreender o contexto definido para a remessa e aprovação do projeto de lei – PLC nº 39 do ano de 2010 – que resultou na Lei em comento.

Ansiosos por dar resposta à seara internacional e, também, talvez à voz da população manifestada nas ruas, os dirigentes e parlamentares acabaram por produzir uma norma extremamente severa. Num momento em que vários órgãos públicos estão escolhendo episódios isolados para aplicar exemplarmente leis, a norma deve ser recebida com cautela.

Na promulgação do Ato Institucional nº 5, que deu superpoderes ao Chefe do Poder Executivo e aos órgãos de repressão e polícia, houve uma séria discussão entre integrantes da cúpula do governo. Conta-se que Pedro Aleixo manifestou preocupação com a norma. Foi então que o Presidente da República indagou: “Caro Aleixo, você não confia em mim? Eu preciso desse instrumento para o bem do país.” Respondeu Aleixo, com sua habitual sabedoria mineira: “Sim presidente, no senhor eu confio; temo, porém, o que o guarda de trânsito poderá fazer com tantos poderes.”

A semelhança do contexto é oportuna. Tem-se assistido, com frequência, que, antes de qualquer julgamento, órgãos de acusação e controle divulguem vereditos seus como coisa julgada. Mais tarde, o já tímido e combalido Poder Judiciário, na lentidão crônica que lhe é peculiar, quando restaura a ordem jurídica, as vítimas já sofreram tanto que nada mais pode ser feito para a restauração. Sequer ações regressivas contra os que abusaram são impetradas.


2. Não nos faltam normas

Nesse contexto, cabe lembrar que desde 05 de outubro de 1988 – data da promulgação da atual Constituição Federal – até 05 de outubro de 2012,  [VSP1] foram editadas 4.615.306 normas para regular a vida dos cidadãos brasileiros, o que representa, em média, 788 normas por dia útil.[1]

A maioria dos efeitos pretendidos, desde a dissolução da pessoa jurídica pela constituição ou uso fraudulento, até o perdimento de bens pode ser alcançado por outras normas.

Se nos falta efetividade na aplicação das normas, parte se deve ao Legislativo, que insiste em não cumprir  a Lei Complementar nº 95/1998, norma  que sistematiza e organiza a produção de leis. Outra parte, se vê na falta de preparo e procura desmesurada da mídia e do estrelato fácil dos que acusam e, por fim, na inaplicação do princípio da celeridade.

Há muito se verifica que alguns órgãos que buscam evidenciar suas ações estão com arquivos e gabinetes atolados de processos e atuam casuisticamente, por conveniências indizíveis.

Se faz necessário, para passar o país a limpo com responsabilidade, conduzir e tratar seriamente a coisa pública e a gestão, fato que implica, inclusive na gestão de processos de controle e apuração, com critério de relevância e urgência. É vergonhoso assistir a quantidade de ações que prescrevem ou simplesmente são esquecidas, após o espetáculo pirotécnico midiático.

A norma em tela favorece a sobreposição de ações, o desperdício da eficácia do sistema estatal apuratório e punitivo.

O Brasil precisa de um Código de Direito Administrativo ou se, nem tanto, uma consolidação bem feita de normas do Direito e Processo Administrativo.[2] Enquanto os legítimos representantes desta amada pátria não se disporem a enfrentar com competência esse desafio, as normas vão oportunizando textos como esse, com graves falhas, favorecendo a insegurança jurídica e a ação de pseudojuristas.

A norma apresenta alguns pontos positivos, pela sistematização que faz de alguns preceitos. Apresenta, porém, alguns incorrigíveis erros. Servirá bem ao propósito de anunciar mais um feito de combate à corrupção.

 


3.  Inconstitucionalidades

O primeiro ponto a se discutir é a conformidade da norma à Constituição Federal.

1.1. Responsabilidade objetiva de pessoa jurídica – hipótese sem previsão constitucional

Entre os direitos fundamentais, a Constituição assegura o devido processo legal e a apreciação do elemento subjetivo do agente, nas formas de dolo ou culpa. Há somente duas exceções, quando então, há responsabilização e ordem para reparar o dano, independentemente de dolo ou culpa: a responsabilidade objetiva da Administração Pública e os danos causados por acidente nuclear. Nessas duas situações, basta provar o dano e o nexo causal, ou seja, a relação entre o fato e uma ação, com ou sem culpa, que haverá o dever de indenizar.

A criação de uma terceira hipótese, a partir de norma infraconstitucional, não é possível.

A invocação de algum precedente exitoso de outros países não serve a nós brasileiros. Outros não têm uma Constituição detalhada como a nossa, não têm cultura como a nossa, governantes e políticos como os nossos e, principalmente, um Judiciário como o nosso.

Uma pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados, veiculada na respectiva TV, revela que a maioria dos brasileiros não acredita ser seu dever cumprir leis!

1.2. Responsabilidade objetiva e a tutela de princípios e compromissos de governo

Sem autorização constitucional, a Lei abre uma nova exceção: a responsabilidade objetiva da pessoa jurídica de direito privado que causar dano ao patrimônio público.[3][VSP2]  Até aí, num esforço de hermenêutica seria possível sustentar a constitucionalidade. Ocorre que, além da causa indicada, outras duas são previstas: atos que atentem contra os princípios da Administração Pública e, pasmem, compromissos internacionais, nos quais podem ser inseridos, inclusive, os referentes à FIFA.

Normas penais, ou que tenham essa natureza, não podem ser abertas a ponto de tutelar os princípios vagamente referidos. Para a validade de uma norma que estabeleça penalidades é indispensável a aplicação do princípio da anterioridade e, para dignidade dos brasileiros, ter estatura constitucional.[4] A exigência de tipificação precisa já fez, por exemplo, o Superior Tribunal de Justiça considerar que, sem dolo, a violação da lei ou princípios não pode caracterizar a improbidade.

Necessário se faz refletir, além do disposto no caput do art. 1º e 2º, que impuseram a responsabilidade objetiva, acerca do art. 19. Por esse dispositivo estará sujeito ao perdimento de bens, direitos e valores as pessoas jurídicas que praticarem as condutas previstas no art. 5º, cujo elenco abrange inúmeros atos do cotidiano da Administração Pública, como reequilíbrio e prorrogação de contratos. Para esses casos, é dispensável, expressamente, aferir o dolo ou culpa dos agentes da pessoa jurídica.

O veto a um parágrafo do art. 19 agravou o cenário da responsabilidade empresarial. Estabelecia o dispositivo: “§ 2º Dependerá da comprovação de culpa ou dolo a aplicação das sanções previstas nos incisos II a IV do caput deste artigo.”

As razões do veto foram as seguintes:

Tal como previsto, o dispositivo contraria a lógica norteadora do projeto de lei, centrado na responsabilidade objetiva de pessoas jurídicas que cometam atos contra a administração pública. A introdução da responsabilidade subjetiva anularia todos os avanços apresentados pela nova lei, uma vez que não há que se falar na mensuração da culpabilidade de uma pessoa jurídica.

Ao aplicar a responsabilidade objetiva na penalidade, o fato pode ter efeitos gravíssimos; nenhum empresário pode assegurar a ética de todos os seus empregados e representantes. Qualquer pessoa, sem vínculo empregatício sequer, pode anunciar-se como representante de uma pessoa jurídica para pretender interferir numa licitação.

A norma, a toda evidência, ficou bastante distante das garantias constitucionais. Até mesmo o exercício da atividade advocatícia pode vir a ser penalizado, por alguém que considera que os atos prejudicados lesam a investigação, ou o pleito de um reequilíbrio decorrente de uma planilha manipulada.

1.3. Compromissos de governo

Outro ponto ainda relevante é a inobservância do disposto no art. 5º, § 3º, que define a validade de tratados e convenções internacionais no âmbito do país. Nesse ponto a Constituição, prestigiando a soberania necessária aos brasileiros, estabeleceu rigorosamente a submissão dos tratados e convenções ao Congresso Nacional. Compromissos de governo não têm sentido equivalente aos termos utilizados pela Constituição. Certamente, nos casos concretos que surgirão, haverá de se interpretar restritivamente a expressão, para que seu conteúdo fique limitado ao que prevê o § 3º do art. 5º, referido.

1.4. Cenário incerto sobre a conformidade com a Constituição

Como o Supremo Tribunal Federal, por vezes, considera além do campo normativo, o vetor político, poderá surgir alguma nova teoria para sustentar a norma. No padrão constitucional conhecido diariamente nos julgamentos daquela Corte, a norma não guarda conformidade com a Constituição. Aos poucos as garantias constitucionais das quais é guardião vão se esvaindo.


4. Vigência

A norma passará a vigorar a partir de 02 de fevereiro de 2014, ou seja, 180 dias contados de sua publicação.[5]

Por princípio constitucional, não pode retroagir para alcançar atos praticados anteriormente à sua vigência.

Nesse ponto em particular, o dispositivo merece aplauso, porque oportunizará um debate sobre efeitos e poderá ensejar melhor qualificação dos operadores do Direito. Na esperança dos contribuintes, poderá até fomentar uma nova cultura, pelo temor de que suas regras venham a ter efetividade.

A norma, cumprindo o ditame constitucional, estabelece o prazo de prescrição de cinco anos e determina a apuração de responsabilidade a quem é omisso no dever de apurar a responsabilidade.

Estão abrangidas as pessoas jurídicas, em suas diversas formas, abrangendo as assemelhadas, inclusive as que ainda não se constituíram na forma da lei, classificadas como “não personificadas” e “constituídas de fato”.[6]

Aplica-se também a ultratividade, alcançando a pessoa jurídica brasileira que pratique crime contra administração pública estrangeira, ainda que cometidos no exterior.[7]

Aplica-se a União Federal e todos os entes da Federação.

Infelizmente, não seguiu a Lei de Responsabilidade Fiscal, olvidando os órgãos postos de permeio entre os poderes, como o Ministério Público, o Tribunal de Contas e a Defensoria Pública.


5. Tutela da Administração Pública[8]

A norma tutela os valores da Administração Pública, nacional ou estrangeira. Aqui a novidade corresponde ao interesse do governo de coibir práticas de corrupção contra a gestão de países estrangeiros. 


6.  Pessoas estrangeiras – competência da CGU

Para a apuração e responsabilização administrativa, nesse caso, a competência foi firmada na Controladoria Geral da União – CGU, exclusivamente. Tal exclusividade foi garantida quando envolve como lesada a Administração Pública estrangeira em “acordo de leniência”.[9]


7. Alterações contratuais da pessoa jurídica

As alterações da pessoa jurídica, como cisão, fusão, incorporação ou transformação, não trazem implicações no que se refere a pagamento de multa e reparação do dano que persistirá e subsistirá. O mesmo entendimento se aplica quando envolvidas pessoas jurídicas controladas, controladoras e coligadas.


8. Corrupção

É evidente o interesse em responder ao cenário internacional e nacional afirmando e reafirmando que o país está combatendo a corrupção. Isso é bom para o país e teria alguma eficácia se fosse realizado de forma ordenada.

Pesquisa realizada pela Transparência Internacional revela que os políticos e a polícia são os mais afetados pela corrupção, fato que para nós não é, certamente, uma novidade, nem se revela como informação atual ou própria deste ou daquele governo. Numa síntese: 70% dos brasileiros consideram que a corrupção no setor público é gravíssima. O país, segundo esse organismo, ocupa o 73º lugar no índice de percepção de corrupção.

Recentemente, o Congresso brasileiro aprovou lei considerando a corrupção como crime hediondo.

Portanto, a norma que deveria completar um ciclo dispondo sobre o tema, conjuntamente, sistematizando em um só diploma, enveredou por um discurso desconforme com a Constituição.


9. Conduta do servidor

O mais interessante, ainda, é o veto a um dos incisos do art. 7º, que trata dos fatos que devem ser considerados na dosimetria da pena. Referido inciso determinava que se considerasse, para agravar ou atenuar, o grau de eventual contribuição da conduta de servidor público para a ocorrência do ato lesivo. Seria o caso, por exemplo, de um servidor que exige propina para liberar o pagamento e o empresário a aceita; ou do servidor que reafirma seus valores éticos e inibe a consumação do ato. A redação da norma talvez não tenha sido bem compreendida e acabou merecendo o veto presidencial.

As razões do veto foram as seguintes:

Tal como proposto, o dispositivo iguala indevidamente a participação do servidor público no ato praticado contra a administração à influência da vítima, para os fins de dosimetria de penalidade. Não há sentido em valorar a penalidade que será aplicada à pessoa jurídica infratora em razão do comportamento do servidor público que colaborou para a execução do ato lesivo à administração pública."

O dispositivo também é inconstitucional porque não diferencia as situações, impedindo a individualização da pena.


10. Acordo de leniência

É evidente que a palavra está mal empregada, pois leniência deriva do latim leniens, derivando a palavra para lenitivo, que se traduz como alívio, laxativo. Melhor teria sido lenimento, do latim lenimentum, aquilo que embrandece, que suaviza, que mitiga.[10]

O privilégio de firmar acordo é concedido a quem causa a lesão e adota algum dos meios eleitos pela norma para minorar as consequências,  contribuindo com as investigações, indicando os demais envolvidos ou prestando informações e documentos para tornar célere a apuração. O incentivo é plenamente justificável, em bom tempo trazido para a seara administrativa.

Se o acordo não for cumprido, restaura-se a apuração e a prescrição que foi interrompida.[11]


11. Nas licitações e contratos

Em relação a licitações e contratos, alguns pontos merecem destaque.

A norma especificou que suas disposições não afetam o processo punitivo decorrente dos ilícitos previstos na Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e “outras normas de licitações e contratos da administração pública, inclusive no tocante ao Regime Diferenciado de Contratações  Públicas – RDC”.[12]

1.5.  Não se faz referência ao pregão

A norma omitiu remissão direta à Lei do Pregão – Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho de 2002 – o que é incompreensível, pois a sua relevância no país é extraordinária. Na esfera federal a modalidade responde, atualmente, por aproximadamente 95% do total das contratações realizadas pelo poder público, conforme gráfico abaixo:[13]

O registro, evidentemente, não afeta a referência de que o procedimento punitivo ou segue as leis de licitações ou a nova norma.

1.6.  Sobreposição de ações

A sobreposição de ações é possível e provável, fato que acarretará dificuldades para o gestor público sobre o tempo dos processos e a cumulação. Note-se a coincidência das condutas entre o art. 5º da nova norma e as dos artigos 91 e seguintes da Lei nº 8.666/1993.

Alguns dirão que as normas do art. 92 e seguintes tipificam apenas condutas criminais e não civis e administrativas. Não é correto tal entendimento: o art. 88, inciso III, da Lei nº 8.666/1993 autoriza a aplicação das penalidades máximas, em decorrência da prática de atos ilícitos.

Sobre o reequilíbrio do contrato, a norma estabeleceu que é punível a pessoa jurídica que manipula ou frauda o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos. Mesmo no âmbito da responsabilidade objetiva, portanto, há necessidade de prova das condutas: “fraudar” e “manipular”.

1.7.   Cadastro nacional de empresas punidas

Um ponto de destaque foi a criação do cadastro nacional que registrará a aplicação de todas as penalidades aplicadas com base na nova lei. Todas as esferas de governo deverão alimentar o cadastro.[14]

Lamenta-se, porém, que as penalidades dessa norma tenham ficado restritas ao invés de estender sua aplicação e utilidade a todas as penalidades administrativas impostas às pessoas jurídicas.

Essa unificação é muito importante porque a Lei nº 8.666/1993 criminaliza a conduta do servidor que admite a licitação ou contrata empresa declarada inidônea.[15] Os cadastros que existem não são confiáveis e não têm força de lei para estruturá-los.


12. Multa

Há inconstitucionalidade decorrente do veto, como se demonstrará:

O art. 6º trata das penalidades e dispõe no § 6º: “O valor da multa estabelecida no inciso I do caput não poderá exceder o valor total do bem ou serviço contratado ou previsto.”

O dispositivo foi vetado pelas seguintes razões:

O dispositivo limita ao valor do contrato a responsabilidade da pessoa jurídica que pratica atos ilícitos lesivos contra a administração pública. Contudo, os efeitos danosos do ilícito podem ser muito superiores a esse valor, devendo ser consideradas outras vantagens econômicas dele decorrentes, além de eventuais danos a concorrentes e prejuízo aos usuários. A limitação da penalidade pode torná-la insuficiente para punir efetivamente os infratores e desestimular futuras infrações, colocando em risco a efetividade da lei.

É evidente que multa não tem qualquer relação com reparação de dano. Aliás, a própria norma, no § 3º do mesmo artigo, destaca textualmente: “A aplicação das sanções previstas neste artigo não exclui, em qualquer hipótese, a obrigação de reparação integral do dano causado”.

Criou-se, portanto, a primeira pena sem qualquer limitador máximo. Há evidente não conformidade com a Constituição Federal – art. 5º, inc. XXXIX.


13. Conclusões

Como visto, a norma não guarda conformidade com a Constituição Federal e é possível que sua eficácia fique comprometida. Alguns pontos positivos poderiam ser alcançados com o cumprimento da Lei Complementar nº 95/1998, que ordena a sistematização dos assuntos em uma única norma.

Há, porém, um raio de esperança.

O presidente do Senado Federal instituiu uma Comissão específica para modernizar a legislação de licitações e contratos. Presidida pelo Senador Vital do Rego, tendo como relatora a Senadora Katia Abreu, existe a possibilidade de que se considere a consolidação as normas, organizando o regramento, dando-lhe coerência e harmonia.


Notas

[1] Dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário – IBPT. Disponível em: <http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2013/02/a-vida-sob-quatro-milhoes-de-normas.html>. Acesso em: 02 ago. 2013.

[2] “O antigo filósofo chinês Lao Tsu já dizia que quanto mais restrições artificiais impuserem ao povo, mais ele será empobrecido; e quanto mais regulamentos houver, mais se estimularão as fraudes, os roubos e outros ilícitos.  As normas devem ser poucas, simples e objetivas, a fim de facilitar não só a sua aplicação como também a fiscalização.” Disponível em: <http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2013/02/a-vida-sob-quatro-milhoes-de-normas.html>. Acesso em: 02 ago. 2013.

[3] BRASIL. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 ago. 2013. Art. 2º

[4] BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 out. 1988. Art. 5º, inc. XXXIX.

[5] BRASIL. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 ago. 2013. Art. 31.

[6] Ibidem, art. 1º e parágrafo único.

[7] Ibidem, art. 28.

[8] Ibidem, art. 5º.

[9] Ibidem, art. 9º e 16, § 10.

[10] O dicionário explica: “Lenidade [Do lat. leniens.] s.m. e adj. Lenitivo.”; “lenimento [Do lat. linmentum.] 1. s.m. Aquilo que embrandece.” FIGUEIREDO, Candido. Grande dicionário da Língua Portuguesa. 25. ed. Bertrand, Venda Nova, 1996, vol. II. No dicionário brasileiro, popular, leniência. s.f. m.q. lenidade. Etim. leniente sob a f. rad. leni+ ência; ver len(i) sin/var ver sinonímia de meiguice.

[11] BRASIL. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 ago. 2013. Art. 22, § 4º.

[12] Ibidem, art. 30.

[13] EVOLUÇÃO dos pregões no Brasil nos últimos 10 anos. In: O Pregoeiro. Ano IX, n. 100, mar. 2013, p. 40.

[14] BRASIL. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 ago. 2013. Art. 22.

[15] BRASIL. Lei de Licitações e Contratos Administrativos e outras normas pertinentes. Organização dos textos e índice por J. U. Jacoby Fernandes. 14. ed. rev. e atual. Belo Horizonte: Fórum, 2013. Art. 97.


Autor

  • Jorge Ulisses Jacoby Fernandes

    É professor de Direito Administrativo, mestre em Direito Público e advogado. Consultor cadastrado no Banco Mundial. Foi advogado e administrador postal na ECT; Juiz do Trabalho no TRT 10ª Região, Procurador, Procurador-Geral do Ministério Público e Conselheiro no TCDF.<br>Autor de 13 livros e 6 coletâneas de leis. Tem mais de 8.000 horas de cursos ministrados nas áreas de controle. É membro vitalício da Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura, como acadêmico efetivo imortal em ciências jurídicas, ocupando a cadeira nº 7, cujo patrono é Hely Lopes Meirelles.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. Breves comentários à Lei da responsabilidade da pessoa jurídica por atos lesivos à Administração Pública . Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 18, n. 3688, 6 ago. 2013. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/25108>. Acesso em: 16 nov. 2018.

Comentários

1

  • 0

    Francisco Soto Guerrero

    Prezado Colega
    Se me permite o elogio, abordou de forma excelente o tema.
    A constante exigência nas operações de M&A, em especial quando envolvido capital estrangeiro já exigiam a subordinação e o atendimento à Lei contra Práticas de Corrupção Estrangeira do EUA e, quando aplicável, a legislação promulgada pelos estados membros e signatários implementando a OECD (Convenção de Combate ao Suborno de Funcionários Públicos Estrangeiros).
    Cordialmente
    Francisco Soto Guerrero

Livraria