4 Conclusão

O que resulta incontestável é que a pesquisa que dá origem ao presente estudo merece maior investigação diante da atualidade e especialidade do tema sobre o qual se debruça. Nele se cruzam duas circunstâncias absolutamente particulares e inovadoras, cada qual em seu campo de observação. De um lado: a inclusão social de trabalhadores historicamente marginalizados sob a forma de prioridade na gestão de resíduos. É seguro afirmar que o Brasil figura como referência mundial no reconhecimento da relevância do trabalho dos catadores. De outro: as ações coletivas, originárias do common law, após estudos por juristas de países europeus de civil law, foi adotada aqui. E agora se veem na iminência de ser alvo de codificação própria. “A largo plazo las acciones colectivas pueden llegar a ser  uno de los más exitosos transplantes legales em la história jurídica brasileña desde los tempos coloniales.” (GIDI, 2004, p. 29). Em síntese, estar-se-á diante da conjunção de duas experiências pátrias notoriamente vanguardistas e peculiares, o que por si já se revela interessante.

Evidente que o estudo necessariamente tem de ser aprofundado, e a realidade empírica deve ser melhor explorada de modo a viabilizar um pensamento conceitual mais consistente. No entanto, dadas às limitações da proposta, o que cabe é o compromisso com a dogmática atrelada à originalidade do assunto e à circunscrição temporal compreendida entre o presente e a redemocratização, que seguramente é fator determinante para o que hoje se vivencia.

Está colorida a figura da demanda social pelo conhecimento necessário ao exercício do poder assegurado pela ordem legal, o que é conquista relevante e cuja dimensão impede a inércia dos operadores do Direito, que integram uma comunidade de trabalho.


5 Referências

ARRUDA ALVIM, Eduardo. Ação Civil Pública – sua evolução normativa significou crescimento em prol da proteção às situações coletivas. In: ASSIS, Araken et al. Processo coletivo e outros temas de direito processual: homenagem 50 anos de docência do professor José Maria Rosa Tesheiner 30 anos de docência do professor Sergio Gilberto Porto.1ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, p.81-93.

BOFF, Salete Oro; BOFF, Vilmar Antonio. A democratização da inovação tecnológica pelo fomento às tecnologias sociais. In: HERMANY, Ricardo (Org.) Gestão local e políticas públicas. Santa Cruz do Sul: IPR, 2010, p. 436-446.

BUSATO, Carlos Ernesto Maranhão. Reflexões Críticas acerca do papel e significado do interesse público no direito administrativo brasileiro, 2011. 1127 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

CAMBI, Eduardo. Ação civil pública : 20 anos: novos desafios. Academia Brasiliera de Processo Civil. Disponível em http://www.abdpc.org.br/abdpc/artigos/Eduardo%20Cambi%20-%20formatado.pdf., Acesso em 26/07/2013

Carta de Brasília–Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis disponível em http://www.mncr.org.br/box_1/principios-e-objetivos/carta-de-brasilia, acesso em 29 de junho de 2013.

CLIMATE WORKS FOUNDATION/INICIATIVA CLIMA AMERICA LATINA; INSTITUTO VIA PÚBLICA: Estudo de alternativas de tratamento de resíduos sólidos urbanos: Incinerador mass burn e o biodigestor anaeróbico: subsídios técnicos à elaboração dos planos locais de gestão de resíduos sólidos. [S. L.] Via Pública; Gestão de Resíduos, 2012. RELATÓRIO FINAL; 2012. Disponível em http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_docman&task=search_result&Itemid=216. acesso em 29/06/13:

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM (CEMPRE) CICLOSOFT, 2010, disponível em http://cempre.org.br/ciclosoft_2010.php, acessado em 01/08/2013.

DAGNINO, Renato. Tecnologia social. Retomando um debate. In: Espacios, Caracas, v. 27, 2, agosto 2006. Disponível em  http://www2.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0798-10152006000200005&nrm=iso, acesso em 17 de junho de 2013.

______. Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas, SP: IG/Unicamp, 2009.

EWALD, François. Histoire de L’État Providence. Paris: Grasset, 1996.

FONSECA, Giovanni Campos; LIMA, Francisco de Paula Antunes; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. Transmissão do saber prático: as dificuldades do processo de ensino – aprendizagem em uma cooperativa autogestionária. In: Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 29, São Paulo, 2004, p. 45-53. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0303-76572004000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt, acesso em 29 de junho de 2013.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, Escola de Direito de São Paulo. Centro de pesquisas jurídicas aplicadas. Relatório IPCL – Índice de Percepção de Cumprimento da Lei – Brasil. 4º trimestre 2012 1º trimestre 2013, disponível em http://www.enfam.jus.br/texto-para-debates/ipcl-relatorio-4tri2012_1tri2013-18-04-2013/, acesso em 19/06/2013.

GESTA LEAL, Rogério. Impactos econômicos e sociais das decisões judiciais: aspectos introdutórios. 1ª ed. Brasília: ENFAM, 2010.

GIDI, Antonio. Las acciones coletivas y la tutela de los derechos difusos, coletivos e individuales em Brasil: un modelo para países de direito civil. Doctrina Jurídica, Instituto de Investigaciones Juridicas,  México: número 151, 2004.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA. Diagnostico dos resíduos sólidos urbanos. Relatório de pesquisa 2012, , disponível em http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/121009_relatorio_residuos_solidos_urbanos.pdf, acesso em 02/08/2013

KRELL, Andreas Joachim. Realização dos direitos fundamentais sociais mediante controle judicial da prestação dos serviços públicos básicos (uma visão comparativa), Revista de Informação Legislativa, Brasília, v. 36, n. 144, p. 239-260, out./dez. de 1999.

Disponível em http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/545/r144-17.PDF?sequence=4, acessado em 28/06/2013

MATTE, Maurício. Revisão da sentença em ação civil pública por alteração do estado de fato. 1ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editoria, 2013.

MITIDIERO, Daniel Francisco. Colaboração no processo civil: pressupostos sociais, lógicos e éticos. 2ª ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

OLIVEIRA JUNIOR, Jose Alcebiades; SOARES, Marcos Caprio. Direitos Humanos e Democracia: Interfaces a partir de políticas públicas. In: Novos Estudos Jurídicos (UNIVALI), v. 16, 2011, p. 33-46. Disponível em http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/3268. Acesso em 29 de junho de 2013.

VIANNA, Luiz Werneck. O movimento da hora presente. O Estado de São Paulo. São Paulo: 18/06/2013, Opinião. Disponível em http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-movimento-da--hora-presente-,1043763,0.htm, acessado em 01/08/2013


Notas

[1]Art. 1º  Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis. In: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

[2]CRFB:Art. 225. Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.

[3]Art. 19. A cobrança pelo uso de recursos hídricos objetiva:

 I - reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor;

II - incentivar a racionalização do uso da água;

III - obter recursos financeiros para o financiamento dos programas e intervenções contemplados nos planos de recursos hídricos.

Art. 20. Serão cobrados os usos de recursos hídricos sujeitos a outorga, nos termos do art. 12 desta Lei.

[4]Lei nº 11.445, de 08 de janeiro de 2007.

[5]Os participantes do 1º CONGRESSO NACIONAL DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS, realizado em Brasília nos dias 4, 5 e 6 de junho de 2001, que contou com a participação de 1.600 congressistas, entre catadores, técnicos e agentes sociais de dezessete estados brasileiros, e os 3.000 participantes  da 1ª MARCHA NACIONAL DA  POPULAÇÃO DE RUA, no dia 7 de junho do mesmo ano, apresentam a toda a sociedade e às autoridades responsáveis pela implantação e efetivação das políticas públicas, as reivindicações e propostas que seguem. Disponível em http://www.mncr.org.br/box_1/principios-e-objetivos/carta-de-brasilia, acesso em 29 de junho de 2013.

[6]“5192: Trabalhadores da coleta e seleção de material reciclável: Descrição sumária: Os trabalhadores da coleta e seleção de material reciclável são responsáveis por coletar material reciclável e reaproveitável, vender material coletado, selecionar material coletado, preparar o material para expedição, realizar manutenção do ambiente e equipamentos de trabalho de reciclagem, administrar o trabalho e trabalhar com segurança.”.

[7]Dois exemplos recentes: representação perante o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo contra edital de concorrência que aglutinou exageradamente serviços afeitos à coleta, julgada procedente em sessão do Tribunal Pleno em 06.02.2013, processo TC001211/989/12-4;  ajuizamento de ação civil pública pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul requerendo a fragmentação do certame que englobou vários serviços destinados à coleta e teve liminar deferida, em 01.08.2013 ainda pendente de decisão de mérito, processo nº 1120247801-9.

[8]DECRETO nº 7.217/2010, que estabelece normas para a execução da LEI nº 11.445/2007 (saneamento básico)

Art. 2º  Para os fins deste Decreto, consideram-se:...

VIII - prestador de serviço público: o órgão ou entidade, inclusive empresa:...

§ 3º  Para os fins do inciso VIII do caput, consideram-se também prestadoras do serviço público de manejo de resíduos sólidos as associações ou cooperativas, formadas por pessoas físicas de baixa renda reconhecidas pelo Poder Público como catadores de materiais recicláveis, que executam coleta, processamento e comercialização de resíduos sólidos urbanos recicláveis ou reutilizáveis. 

[9]Adotamos no presente estudo aquele defendido por Dagnino (2009, p. 9): “desenvolvida para e pela a iniciativa privada”, tendo por características considerar “mais produtiva uma empresa que diminui o denominador da fração produção por mão de obra ocupada”, e que “quanto maior a escala de um sistema tecnológico (ou, simplesmente, de uma tecnologia) mais eficiente ela será” (DAGNINO, 2006, p. 2, 4)

[10]Art. 95. Ao Tribunal de Justiça, além do que lhe for atribuído nesta Constituição e na lei,

compete:...

XII - processar e julgar:...

d) a ação direta da inconstitucionalidade de lei ou ato normativo estadual perante esta

Constituição, e de municipal perante esta, inclusive por omissão;

[11]Art. 125. Os Estados organizarão sua Justiça, observados os princípios estabelecidos nesta Constituição....

§ 2º - Cabe aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, vedada a atribuição da legitimação para agir a um único órgão.

[12]Art. 1º A argüição prevista no § 1º do art. 102 da Constituição Federal será proposta perante o Supremo Tribunal Federal, e terá por objeto evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato do Poder Público.

Parágrafo único. Caberá também argüição de descumprimento de preceito fundamental:

I - quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal, incluídos os anteriores à Constituição;

[13]§ 2º Podem propor a ação de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo municipal, ou por omissão:

I - o Governador do Estado;

II - o Procurador-Geral de Justiça;

III - o Prefeito Municipal;

IV - a Mesa da Câmara Municipal;

V - partido político com representação na Câmara de Vereadores;

VI - entidade sindical;

VII - o Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil;

VIII - o Defensor Público-Geral do Estado;

IX - as entidades de defesa do meio ambiente, dos direitos humanos e dos consumidores legalmente constituídas;

X - associações de bairro e entidades de defesa dos interesses comunitários legalmente constituídas há mais de um ano. 


ABSTRACT:Public policies have proved to be fertile ground for the actions of the Judiciary, given the inability of the Legislative and Executive powers of realizing social rights. The National Policy for Solid Waste, which has a socially relevant point in the inclusion of waste pickers in the supply chain of urban solid waste (USW) - is a clear example of this assertion. The purpose of this study is (i) the contextualization of the conflict established between the possibility of changing secularly established paradigms and the resistance of operators of public administration in doing so. And, considering the role of the Judiciary Branch as a peacemaker and coherent agent and under the approach of the Constitutional State and social rights, (ii) evaluate the use of collective action as a method to provoke the State Court.

Keywords: Public policies. Urban Solid Waste pickers. Judicial activism. Class Action.


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

SILVA, Paula Garcez Correa da. Desafios na implementação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS): uma análise jurídico-sociológica da eficácia das ações coletivas na solução de impasses. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 18, n. 3831, 27 dez. 2013. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/26256. Acesso em: 21 jul. 2019.

Comentários

0