O trabalho em tela pretende resumidamente demonstrar o significado da aposentadoria por invalidez e a recente alteração da Lei 13.063, de 30/12/2014.

RESUMO

O trabalho em tela pretende resumidamente demonstrar o significado da aposentadoria por invalidez e a recente alteração da Lei 13.063, de 30/12/2014.

Palavras-chave: aposentadoria por invalidez; Lei 13.063/14.

  1. INTRODUÇÃO

Este trabalho tem por objetivo tratar da  aposentadoria por invalidez e demonstrar a alteração que a Lei 13.063, de 30/12/2014, faz na a Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, acrescendo-lhe os §§ 1o e 2o , que isenta o aposentado por invalidez e o pensionista inválido beneficiários do RGPS de se submeterem a exame médico-pericial após completarem 60 (sessenta) anos de idade.

  1. O BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA POR INVALIDEZ

A aposentadoria por invalidez é o benefício concedido caso o segurado fique incapacitado definitivamente para o trabalho, seja em decorrência de acidente de trabalho, doença profissional ou ocorrência estranha ao trabalho.

A Constituição Federal assegura o direito a aposentadoria por invalidez, em seu artigo 201, inciso I, vejamos:

“Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

I - cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)”.

Também, de acordo com a Lei 8.213, artigo 42, assegura-se a aposentadoria por invalidez, vejamos:

“ Art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição.”

Assim sendo, o segurado considerado incapacitado e sem possibilidade de reabilitação para exercício de suas atividades tem o direito a aposentadoria por invalidez, desde que esteja efetivamente afastado de suas atividades. Lógico que observando-se a carência mínima de doze meses, porém, existem as exceções elencadas no artigo 26 da referida Lei.

A condição para a concessão dependerá do exame médico-pericial realizado pelo Instituto Nacional da Seguridade Social.

O que pode inibir o direito ao benefício de aposentadoria por invalidez é se o segurado já possuir enfermidade ao se filiar ao sistema. De acordo com os §§ 1º e 2º , do artigo 42, da Lei 8.213/91:

“§ 1º A concessão de aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade mediante exame médico-pericial a cargo da Previdência Social, podendo o segurado, às suas expensas, fazer-se acompanhar de médico de sua confiança.

§ 2º A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.”

O início do benefício dar-se-á a partir no dia imediato à cessação do benefício de auxílio-doença. Porém, não quer dizer que o  benefício de auxílio-doença preceda o benefício de aposentadoria por invalidez. Conforme o artigo 43 e §§, da Lei 8.213/91:

“Art. 43. A aposentadoria por invalidez será devida a partir do dia imediato ao da cessação do auxílio-doença, ressalvado o disposto nos §§ 1º, 2º e 3º deste artigo.

§ 1º Concluindo a perícia médica inicial pela existência de incapacidade total e definitiva para o trabalho, a aposentadoria por invalidez será devida: (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

a) ao segurado empregado, a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade ou a partir da entrada do requerimento, se entre o afastamento e a entrada do requerimento decorrerem mais de trinta dias; (Redação Dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)  (Vide Medida Provisória nº 664, de 2014) (Vigência)

b) ao segurado empregado doméstico, trabalhador avulso, contribuinte individual, especial e facultativo, a contar da data do início da incapacidade ou da data da entrada do requerimento, se entre essas datas decorrerem mais de trinta dias.(Redação Dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)

§ 2o Durante os primeiros quinze dias de afastamento da atividade por motivo de invalidez, caberá à empresa pagar ao segurado empregado o salário. (Redação Dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)    (Vide Medida Provisória nº 664, de 2014) (Vigência)

§ 3º . (Revogado pela Lei nº 9.032, de 1995)”.

A renda mensal do benefício será equivalente a 100% (cem por cento), vejamos o artigo 44, da Lei 8.213/91:

“Art. 44. A aposentadoria por invalidez, inclusive a decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

§ 1º   (Revogado pela Lei nº 9.528, de 1997)

§ 2º Quando o acidentado do trabalho estiver em gozo de auxílio-doença, o valor da aposentadoria por invalidez será igual ao do auxílio-doença se este, por força de reajustamento, for superior ao previsto neste artigo.”

Será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento) o valor de aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar de assistência permanente de outras pessoas.

Frise-se que este acréscimo cessará com a morte do aposentado. Conforme artigo 45, da Lei 8.213/91:

“Art. 45. O valor da aposentadoria por invalidez do segurado quenecessitar da assistência permanente de outra pessoa será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento).

Parágrafo único. O acréscimo de que trata este artigo:

a) será devido ainda que o valor da aposentadoria atinja o limite máximo legal;

b) será recalculado quando o benefício que lhe deu origem for reajustado;

c) cessará com a morte do aposentado, não sendo incorporável ao valor da pensão.

A aposentadoria será cancelada caso o segurado retorne por conta própria às atividades laborativas. De acordo com o artigo 46, da Lei 8.213/91:

“Art. 46. O aposentado por invalidez que retornar voluntariamente à atividade terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno.”

Após verificado que o segurado encontra-se recuperado a aposentadoria será cancelada. Entretanto, neste caso a Lei prevê um retorno menos sofrível ao segurado pagando-lhe as chamadas mensalidades de recuperação. Vejamos o artigo 47, da Lei 8.213/91:

“Art. 47. Verificada a recuperação da capacidade de trabalho do aposentado por invalidez, será observado o seguinte procedimento:

I - quando a recuperação ocorrer dentro de 5 (cinco) anos, contados da data do início da aposentadoria por invalidez ou do auxílio-doença que a antecedeu sem interrupção, o benefício cessará:

a) de imediato, para o segurado empregado que tiver direito a retornar à função que desempenhava na empresa quando se aposentou, na forma da legislação trabalhista, valendo como documento, para tal fim, o certificado de capacidade fornecido pela Previdência Social; ou

b) após tantos meses quantos forem os anos de duração do auxílio-doença ou da aposentadoria por invalidez, para os demais segurados;

II - quando a recuperação for parcial, ou ocorrer após o período do inciso I, ou ainda quando o segurado for declarado apto para o exercício de trabalho diverso do qual habitualmente exercia, a aposentadoria será mantida, sem prejuízo da volta à atividade:

a) no seu valor integral, durante 6 (seis) meses contados da data em que for verificada a recuperação da capacidade;

b) com redução de 50% (cinqüenta por cento), no período seguinte de 6 (seis) meses;

c) com redução de 75% (setenta e cinco por cento), também por igual período de 6 (seis) meses, ao término do qual cessará definitivamente.”

            Sobre o retorno ao trabalho a legislação trabalhista prescreve que o empregado aposentado por invalidez terá suspenso seu contrato de trabalho e remeteu para a legislação previdenciária o respectivo prazo, vejamos o que preceitua o artigo 475, da CLT:

“Art. 475 - O empregado que for aposentado por invalidez terá suspenso o seu contrato de trabalho durante o prazo fixado pelas leis de previdência social para a efetivação do benefício.

§ 1º - Recuperando o empregado a capacidade de trabalho e sendo a aposentadoria cancelada, ser-lhe-á assegurado o direito à função que ocupava ao tempo da aposentadoria, facultado, porém, ao empregador, o direito de indenizá-lo por rescisão do contrato de trabalho, nos termos dos arts. 477 e 478, salvo na hipótese de ser ele portador de estabilidade, quando a indenização deverá ser paga na forma do art. 497. (Redação dada pela Lei nº 4.824, de 5.11.1965)

§ 2º - Se o empregador houver admitido substituto para o aposentado, poderá rescindir, com este, o respectivo contrato de trabalho sem indenização, desde que tenha havido ciência inequívoca da interinidade ao ser celebrado o contrato.”

  1. AS RECENTES ALTERAÇÕES PRESCRITAS PELA LEI 13.063, DE 30/12/2014

A Lei 13.063, de 30/12/2014, acrescenta os §§ 1º e 2º , ao artigo 101, da Lei 8.213/91, e tem por objetivo principal isentar o aposentado por invalidez e o pensionista inválido beneficiários do RGPS de se submeterem novamente a novo exame médico pericial após completarem 60 (sessenta) anos de idade. Vejamos como ficou prescrito o novo artigo 101 e seus §§ 1º e 2º:

“ Art. 101. O segurado em gozo de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e o pensionista inválido estão obrigados, sob pena de suspensão do benefício, a submeter-se a exame médico a cargo da Previdência Social, processo de reabilitação profissional por ela prescrito e custeado, e tratamento dispensado gratuitamente, exceto o cirúrgico e a transfusão de sangue, que são facultativos. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

§ 1o O aposentado por invalidez e o pensionista inválido estarão isentos do exame de que trata o caput após completarem 60 (sessenta) anos de idade.  (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

 § 2o A isenção de que trata o § 1o não se aplica quando o exame tem as seguintes finalidades:   (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

I - verificar a necessidade de assistência permanente de outra pessoa para a concessão do acréscimo de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o valor do benefício, conforme dispõe o art. 45;   (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

II - verificar a recuperação da capacidade de trabalho, mediante solicitação do aposentado ou pensionista que se julgar apto;   (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

III - subsidiar autoridade judiciária na concessão de curatela, conforme dispõe o art. 110.  (Incluído pela Lei nº 13.063, de 2014)

            Com a nova regra que entrou em vigor na data da sua publicação vieram também prescritas as três exceções que estão no § 2º, vejamos:

  1. Se há necessidade de assistência, referente ao acréscimo de 25%;

  1. Se o próprio aposentado solicita retorno ao trabalho;

  1. Se a autoridade judiciária solicita para fins de curatela.

4.CONCLUSÃO

Na sua essência, o direito ao benefício por invalidez não teve grandes alterações, a Lei apenas cedeu um pouco para os entendimentos jurisprudenciais.

O INSS provavelmente criará instrução normativa com orientações para dar cumprimento à nova prescrição legal. Uma vez que se faz necessário identificar os segurados que se enquadram tanto na regra geral quanto nas exceções. Inclusive qual o tratamento será dado às perícias agendadas anteriormente à entrada em vigor da Lei.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

TAVARES, Marcelo Leonardo. Direito Previdenciário. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

GOUVEIA, Carlos Alberto Vieira. Benefícios por Incapacidade. São Paulo: Legale, 2014.

ROESLER, Atila da Rold. Acidentes do Trabalho:repercussões previdenciárias e trabalhistas. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/18965/acidentes-do-trabalho-repercussoes-previdenciarias-e-trabalhistas, acesso em: 11/jan/2015.

CARAVACA, Albert. Aposentadoria por Invalidez e retorno voluntário ao trabalho: conseqüências jurídicas da não comunicação ao INSS. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/27217/aposentadoria-por-invalidez-e-retorno-voluntario-ao-trabalho-consequencias-juridicas-da-nao-comunicacao-ao-inss, acesso em: 10/jan/2015.

AULETE, Caldas; Paulo Geiger. Dicionário escolar da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/constituição /Constituicao Compilado.htm, acesso em: 10/jan/2015

BRASIL.CLT. Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452compilado.htm, acesso em: 10/jan/2015



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria