CONSIDERAÇÕES FINAIS

Uma vez que são cerceados direitos de uma parte da sociedade, em razão da teoria de risco integral adotada pelo ordenamento ambiental, nasce a necessidade de observação das peculiaridades existentes nos casos concretos, para que não haja mais o sentimento de impotência ou cerceamento de direitos dos motoristas contratados para prestar um serviço.

Para visualizar o cenário do início ao fim, o presente artigo abarca a compreensão da responsabilização em âmbito administrativo e judicial para os casos concretos que envolvem o terceiro de boa-fé, fazendo estudo comparativo entre os julgados na seara administrativa dos órgãos IBAMA e SEMAS e estudo minucioso sobre os julgados do Tribunal regional da primeira região-TRF1.

O tribunal Regional da Primeira Região possui entendimento firmado quanto à devolução/restituição dos veículos apreendidos do terceiro de boa-fé utilizados na prática de crime ambiental, quando estes não forem utilizados exclusivamente para prática de ilícito, quando não for reincidente na prática do crime, quando o veículo apreendido for único meio de sustento da família.

Trata-se de uma interpretação isolada, que não atende à risca o que está preceituado no art. 225 da Constituição Federal sobre proteção do meio ambiente. Nota-se que os julgamentos dos Tribunais Regionais, quando concedem a boa-fé e restituem o veículo do terceiro que não contribuiu para ilícito, trata-se de uma preocupação com terceiro totalmente injustiçado. Em um julgamento proferido pelo TRF1, foi suscitado “O fundamento utilizado pelo IBAMA, ao apreender veículo pertencente a terceiro, baseado em mera presunção de lesividade ao ambiente, cria para a impetrante obrigação não contemplada pelo ordenamento jurídico.” AMS: 4606 MT 0004606-78.2011.4.01.3603, Julgado em: 25/02/2013.

Assim, pode-se claramente inferir que o posicionamento dos tribunais sobre a atuação dos órgãos de controle (Administração Pública, direita e indireta) é peça chave na compreensão das soluções dadas ao problema. Os julgados materializam a atuação fática da Administração Pública e, no que tange à responsabilização do terceiro de boa-fé, o devido processo legal resguarda uma análise mais detalhada do material fático-probatório.


REFERÊNCIAS

[1] BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF. 1988.

[2] BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em > http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm < acesso em 19/10/2016.

[3] BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF. 1988.

[4] BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Orientação jurídica normativa nº 19/2010/PFE/IBAMA. Dispõe sobre a apreensão e perdimento de veículos/embarcações.Págs.16e17. Disponível em> http://www.agu.gov.br/page/content/detail/id_conteudo/96663 < acesso em 09/08/2017.

[5] BRASIL. Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999. Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. Brasília, DF. 1999. jan. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9784.htm < Acesso em 19/10/2016.

[6] BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Brasília, DF. 1998. fev. Disponível em >http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm < acesso em 19/10/2016.

[7] MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 20. ed. São Paulo: Malheiros, 2012, p. 374.

[8] TRENNEPOHL, Terence Dorneles. Manual de Direito Ambiental. 5ª edição. 2010, p. 170.

[9] SILVA, Romeu Faria Thomé. Manual de Direito Ambiental. Ed. Juspodivm. 2011, p. 510.

[10] BRASIL. Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Brasília, DF. 1940. dez.

[11] BRASIL. Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999. Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. Brasília, DF. 1999. jan.

[12] BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF. 1988.

[13] BRASIL. Decreto Lei n.º 3.179, de 21 de setembro de 1999. Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=309>, acesso em 09/08/2017.

[14] BRASIL. Decreto nº 6.514, de 22 de julho de 2008. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. Disponível em > www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6514.htm> acesso em 09/08/2017.

[15] BRASIL. Instrução Normativa nº 28 de 08 de outubro de 2009 / IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Dispõe sobre a apreensão e destinação de animais, produtos e subprodutos da fauna e flora, instrumentos, petrechos, equipamentos ou veículos de qualquer natureza apreendidos pelo IBAMA e órgãos conveniados. Disponível em < https://www.diariodasleis.com.br/busca/exibelink.php?numlink=212565>, acesso em 09/08/2017.

[16] BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Orientação jurídica normativa nº 19/2010/PFE/IBAMA. Dispõe sobre a apreensão e perdimento de veículos/embarcações

[17] BRASIL. LEI 13.502 Altera o art. 25 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente e dá outras providências, para determinar que animais apreendidos sejam libertados prioritariamente em seu habitat e estabelecer condições necessárias ao bem-estar desses animais. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13502.htm>, acesso em 14/08/2017.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso