Como localizar uma certidão de nascimento, casamento ou óbito de um parente, como avô, bisavó e outros?

Para localizar certidões de nascimento, matrimônio ou óbito seja para obtenção de dupla-cidadania, ou qualquer outro motivo, o interessado deverá preencher o formulário no site:

http://comolocalizarcertidao.com

 

As buscas são realizadas no Brasil ou no exterior.

Quanto tempo pode levar até o resultado da busca no Brasil?

Para registros a partir de 1975 é possível que o resultado saia em até 2 dias e, se encontrada, a certidão será disponibilizada em formato eletrônico pelo cartório, podendo ser requerida a sua materialização em papel de segurança.

Caso o registro seja muito antigo o resultado da busca ficará disponível a partir do 16º dia subsequente ao da solicitação.

Não tenho todas as informações sobre meu parente, mesmo assim é possível fazer a busca?

Sim. Contudo, deve-se ter no mínimo o nome completo de quem se busca a certidão de nascimento.

Quanto mais informações, mais preciso será o resultado da busca, pois ao buscarmos apenas pelo nome, por exemplo, poderá surgir homônimos, dificultando assim a identificação do registro desejado.

Qualquer pessoa pode pedir a busca de uma certidão de nascimento?

A regra é a que qualquer pessoa pode requerer Certidão de um registro sem informar o motivo ou interesse do pedido.

Para requerimentos de Certidão de Inteiro Teor (do assento todo) o cartório poderá exigir Prévia Autorização Judicial e para tanto é de suma importância que você tenha ao seu lado um advogado de sua confiança.

 

Caso não encontremos a certidão procurada será possível requerer judicialmente o registro tardio, ou também a restauração de um registro danificado ou perdido.

Envie suas dúvidas para: info@leciolivasconcelos.com

http://comolocalizarcertidao.com

 

 

 

 


 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0