Decisão de Osasco em São Paulo determinou à incorporadora que devolva grande parte das parcelas pagas em contrato, à vista, acrescido de correção monetária retroativa e juros de 1% ao mês. Saiba mais.

Um casal de compradores de unidade residencial na planta no empreendimento denominado Condomínio Jardins do Brasil – Subcondomínio Residencial 2 (setor 2) – Residencial Atlântica, localizado na Avenida Hilário Pereira de Souza, nº 492, no centro da Cidade de Osasco, perante a incorporadora EZ TEC (o nome da SPE era: Phaser Incorporação SPE S/A.), obteve vitória na Justiça paulista com a declaração de quebra do “Contrato de Compromisso de Venda e Compra de unidade autônoma” por ato dos próprios adquirentes, que já não mais suportavam arcar com o pagamento das parcelas, obtendo a devolução à vista de 80% sobre os valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária retroativa a partir da data de cada pagamento + juros de 1% ao mês até a efetiva devolução.

A aquisição do projeto de imóvel na planta ocorreu em junho de 2015, quando então os pretensos compradores assinaram o contrato perante a incorporadora. Após cerca de 2,5 anos pagando as parcelas, decidiram por não mais seguir com o contrato e procuraram a vendedora para obter a devolução dos valores pagos.

Porém, a incorporadora informou que devolveria apenas 30% (trinta por cento) dos valores pagos em contrato. Inconformados com a resposta obtida perante a vendedora, os compradores procuraram o Poder Judiciário.

O escritório MERCADANTE ADVOCACIA ingressou com uma Ação de Rescisão Contratual perante o Foro de Osasco, expondo a situação ao Juiz do caso e solicitando o desfazimento do negócio por ato dos adquirentes, bem como a condenação da incorporadora na restituição de parte considerável dos valores pagos.

O Juiz de Direito da 5ª Vara Cível, Dr. Manoel Barbosa de Oliveira, em sentença datada de 16 de abril de 2018, JULGOU PARCIALMENTE PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por ato dos compradores e condenou a incorporadora na restituição à vista de 80% (oitenta por cento) dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde a data de cada desembolso das parcelas + juros de 1% ao mês até a efetiva devolução.

O Juiz fundamentou sua decisão no sentido de que uma vez operado o distrato, as partes devem ser restituídas à mesma situação em que se encontravam antes da celebração do negócio jurídico (status quo ante), com a devolução das parcelas pagas e disponibilização do imóvel à vendedora e o consumidor tem o direito de obter a devolução das parcelas pagas quando da rescisão contratual nos termos do art. 53 do Código de Defesa do Consumidor.

Nas palavras do magistrado:

  • “Trata-se de pedido de rescisão contratual com devolução dos valores pagos à construtora durante o período de obras.
  • Os autores justificam o presente pedido de rescisão do compromisso de compra e venda de imóvel alegando dificuldades financeiras.
  • Patente a culpa dos autores-compradores na rescisão contratual. A requerida não apresentou qualquer oposição acerca da rescisão contratual.
  • Uma vez operado o distrato as partes devem ser restituídas à mesma situação em que se encontravam antes da celebração do negócio jurídico (status quo ante), com a devolução das parcelas pagas e disponibilização do imóvel à vendedora.
  • O consumidor tem o direito de obter a devolução das parcelas pagas quando da rescisão contratual nos termos do art. 53 do Código de Defesa do Consumidor.
  • Ocorre que na hipótese a devolução não pode ser de forma integral porque a ruptura se deu por culpa dos compradores, razão por que a vendedora têm direito ao recebimento de indenização pelas despesas com publicidade, administração, corretagem e outras ligadas à venda do imóvel.
  • Nesse sentido, a Súmula 01 do E. TJSP: O compromissário comprador de imóvel, mesmo inadimplente, pode pedir a rescisão do contrato e reaver as quantias pagas, admitida a compensação com gastos próprios de administração e propaganda feitos pelo compromissário vendedor, assim como com o valor que se arbitrar pelo tempo de ocupação do bem.
  • O percentual de retenção em relação aos valores a restituir constitui o ônus dos compradores que não têm mais interesse na manutenção do compromisso.
  • Na hipótese a retenção de 20% do valor pago pelos autores se mostram suficientes para indenizar os prejuízos que o inadimplemento do contrato gerou às requeridas, sem onerar excessivamente os compradores.
  • Reconhecida a legalidade da retenção pela requerida de 20% dos valores pagos pelos autores, cabe destacar que "a devolução das quantias pagas em contrato de compromisso de compra e venda de imóvel deve ser feita de uma só vez, não se sujeitando à forma de parcelamento prevista para a aquisição", nos termos da Súmula 02 do Eg. TJSP.
  • A liberação do imóvel em favor da ré é decorrência lógica da rescisão contratual e do retorno das partes ao “status quo ante”.
  • Operado o distrato, as partes serão recompostas ao "status quo ante", o que inclui a inexigibilidade do débito inscrito no cadastro de inadimplentes, se houver.
  • Isto posto e o mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE o pedido para:
  • a) declarar rescindido o contrato de Instrumento Particular de Compromisso de Venda e Compra de Unidade Condominial Autônoma e Outras Avenças havido entre as partes que teve por objeto o apartamento 122, Torre B - Edifício Serra do Mar, do Condomínio Jardins do Brasil – Subcondomínio Residencial 2 (setor 2) – Residencial Atlântica", situado na Avenida Hilário Pereira de Souza, nº 492, Centro, Osasco - SP, retornando a referida unidade à ré;
  • b) reconhecer parcialmente a abusividade do item 3, da cláusula décima do compromisso de compra e venda e condenar a ré a restituir aos autores 80% do valor de R$ 163,127.62.
  • O valor a ser restituído aos autores deverá ser pago de uma só vez com acréscimo de correção monetária computada a partir de cada desembolso (data do pagamento de cada parcela) e juros de mora de 1% ao mês, contados do trânsito em julgado.”

Processo nº 1000951-96.2018.8.26.0405

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com - (11) 4123-0337 / (11) 9.4190-3774

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: mercadante@mercadanteadvocacia.comSite: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria