Justiça de São Paulo determinou a devolução de grande parte dos valores pagos ao consumidor de imóvel na planta, à vista, com correção monetária retroativa e juros legais de 1% a.m. Saiba mais!

Um casal que adquiriu imóvel na planta perante a incorporadora Gafisa, referente ao Condomínio Network, na Cidade de São Caetano do Sul, em São Paulo, obteve vitória na Justiça paulista com a declaração de quebra do Contrato por ato dos próprios adquirentes, que não mais suportavam arcar com as parcelas mensais, obtendo, em primeira instância, a condenação da incorporadora na devolução à vista de 90% dos valores pagos em Contrato, inclusive sobre comissões de corretagem e taxa denominada SATI, tudo acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

Inconformada com a retenção de 10% dos valores pagos, a incorporadora decidiu recorrer da sentença para tentar aumentar o percentual de retenção estabelecido pelo Juiz para pesados 40% dos valores pagos em Contrato, além de cassar a condenação na restituição das comissões de corretagem e taxa SATI.

O recurso de apelação foi distribuído à 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, tendo como relator o Desembargador Alexandre Marcondes.

Em julgamento datado de 30 de junho de 2015, os Desembargadores, por votação unânime, decidiram manter integralmente a sentença e negar provimento ao recurso da incorporadora.

Sobre a necessidade de restituição de 90% dos valores pagos em Contrato, assim determinou o Desembargador Relator:

  • “A retenção de apenas 10% dos valores pagos pelos autores foi bem decretada, pois tal quantia é mais do que suficiente para fazer frente às despesas próprias da promitente vendedora com a venda da unidade autônoma. Em casos similares esta Câmara tem sistematicamente decidido pelo perdimento de apenas 10% (dez por cento) dos valores pagos pelo adquirente que deu causa à rescisão do contrato: Agravo de Instrumento nº 0123758-36.2011.8.26.0000, Rel. Des. Egidio Giacoia, j. 13/03/2012; Apelação nº 9217369-89.2008.8.26.0000, Rel. Des. Rel. Jesus Lofrano, j. 29/03/2011; Apelação nº 9064377-17.2006.8.26.0000, Rel. Des. Rel. Adilson de Andrade, j. 15/03/2011; Apelação nº 0129955-12.2008.8.26.0000, Rel. Des. Donegá Morandini, j. 07/04/2009; Apelação nº 0054049-16.2008.8.26.0000, Rel. Des. Beretta da Silveira, j. 16/12/2008.”

Perceba-se a quantidade de julgados mencionados pelo Desembargador, todos retirados de casos idênticos.

Sobre a necessidade de condenação da incorporadora na restituição da comissão de corretagem e taxa SATI, assim fundamentou o Desembargador:

  • “Embora o pagamento da taxa SATI e da comissão de corretagem tenha sido realizado a terceiros, corretores autônomos, a ré é solidariamente responsável pela restituição aos promitentes compradores, nos termos dos artigos 7º, parágrafo único e 25, §1º ambos do Código de Defesa do Consumidor.
  • Com efeito, o contrato de prestação de serviços de assessoria técnico imobiliária de fls. 189 e o contrato de corretagem imobiliária de fls. 255/261 estão umbilicalmente vinculados ao compromisso de compra e venda e seu cumprimento, com o respectivo pagamento dos valores, não pode ser imposto ou repassado ao consumidor, pois tal prática constitui venda casada, expressamente vedada pelo artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, cabendo à ré se voltar contra quem entender de direito para reaver a quantia que foi obrigada a restituir aos autores, não havendo que se falar em ilegitimidade passiva.”

No caso em comento, é certo que a incorporadora ainda tentou caracterizar uma prescrição trienal para o pedido de devolução da corretagem e taxa SATI. Porém, o Tribunal de Justiça não admitiu o argumento e repisou que o comprador de imóvel na planta tem a seu favor o prazo de até 10 anos para solicitar a devolução desses valores. Nas palavras do Relator:

  • “Não houve prescrição da pretensão dos autores. O contrato foi assinado em 26/06/2011 (fls. 72) e a ação foi ajuizada em 26/08/2014 (fls. 30), antes de completado o prazo de dez anos previsto no artigo 205 do Código Civil, aplicável ao caso dos autos.
  • Nesta linha, mutatis mutandis, a jurisprudência desta Câmara: “Restituição de valores. Instrumento particular de promessa de compra e venda. Contrato já rescindido por ação judicial. Prescrição. Não ocorrência, pois a ação é de caráter pessoal e prescreve em 10 anos (artigo 205 CC). Autor que tem direito à devolução das parcelas pagas, no percentual de 85%, com correção monetária do desembolso e acrescida de juros de mora a partir da citação (art. 219 CPC). Aplicação à hipótese dos autos do Código de Defesa do Consumidor. Sentença de procedência em parte mantida. Recursos não providos” (TJSP, Apelação nº 0035209-02.2009.8.26.0071, 3ª Câmara de Direito Privado, Rel. João Pazine Neto, j. 24/09/2013).”

Ao final, a 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, em votação unânime, negou provimento ao recurso da incorporadora, condenando a GAFISA na restituição à vista de 90% dos valores pagos em Contrato, inclusive sobre comissão de corretagem e taxa denominada SATI, tudo devidamente atualizado pela tabela prática do TJSP desde cada desembolso, e com juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, a partir da citação.

Processo nº 1005XXX-62.2014.8.26.0565

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso