Decisão do Foro Central de São Paulo determinou a devolução integral dos valores pagos ao comprador, tendo em vista o atraso na conclusão e entrega do empreendimento, acrescido de correção monetária retroativa e juros de 1% a.m. Saiba mais.

Uma compradora de unidade residencial na planta no empreendimento denominado Condomínio Flex Jundiaí II, em Jundiaí, Estado de São Paulo, perante a incorporadora Tecnisa (o nome da SPE era: Melbourne Investimentos Imobiliários Ltda.), obteve vitória total na Justiça paulista com a declaração de quebra do “Instrumento Particular de Compromisso de Compra e Venda de unidade autônoma” por culpa exclusiva da incorporadora, que não foi capaz de entregar o imóvel dentro do prazo máximo por ela estabelecido em contrato, obtendo a devolução à vista de 100% sobre os valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

A aquisição do projeto de imóvel na planta ocorreu em outubro de 2013, sendo certo que o prazo máximo para a entrega do imóvel era até o mês de outubro de 2015, mas o auto de conclusão de obra ou “habite-se” não foi expedido pela Prefeitura local, restando ultrapassado em larga escala o prazo máximo para a conclusão das obras e consequente entrega do empreendimento.

Cansada de esperar pela entrega do imóvel, a compradora formalizou o pedido de distrato, mas a incorporadora limitava-se a informar que dos valores pagos em contrato, devolveria o equivalente a 70% (setenta por cento), obrigando-a a buscar auxílio perante o Poder Judiciário.

O escritório MERCADANTE ADVOCACIA ingressou com uma Ação de Rescisão Contratual perante o Foro Central da Comarca de São Paulo, expondo a situação ao Juiz do caso e solicitando o desfazimento do negócio por culpa da incorporadora, bem como sua condenação na restituição integral dos valores pagos.

O Juiz de Direito da 09ª Vara Cível, Dr. Rodrigo Galvão Medina, em sentença datada de 12 de janeiro de 2017, JULGOU PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por culpa da incorporadora, condenando-a na restituição à vista de 100% (cem por cento) dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

O Juiz fundamentou sua decisão no sentido de que ultrapassado o prazo máximo previsto em contrato para a conclusão e efetiva entrega da unidade, surge para o comprador o direito de solicitar a rescisão do negócio e a consequente restituição integral dos valores pagos, sem qualquer chance de retenção de parte dos valores.

Nas palavras do magistrado:

  • “Pela conjugação dos elementos de convicção angariados aos presentes autos, ainda em fase processual postulatória do feito e por meio da produção judicial de prova eminentemente documental, tem-se que no mundo sensitivo houve de fato um gritante atraso na entrega da obra prometida pela ré à autora para Outubro de 2015 (“(...) já incluída a cláusula de tolerância de mais 180 (cento e oitenta))”.
  • Atraso que se dá até os nosso dias.
  • Em contestação, a ré assevera, em última análise, que: “(...) não há que se falar em revisão e/ou nulidade de cláusulas contratuais, na medida em que a autora, de forma livre e consciente, assinou o instrumento particular de compromisso de venda e compra de fls. com a ré, motivo pelo qual as cláusulas contratuais que preveem o percentual de retenção dos valores pagos, no caso de rescisão contratual por parte da autora, permanecem íntegras no mundo jurídico”.
  • Ora, tal bandeira não consegue seduzir este Juízo na medida em que os riscos da atividade desempenhada devem ser assumidos pelo empreendedor/fornecedor; jamais transferido aos seus clientes/consumidores.
  • Entender de forma diversa seria o mesmo que transmitir ao consumidor, de maneira iníqua e desproporcional, os riscos das atividades empresárias por aqueles que exploram o mercado e já embutem no preço de seus produtos e serviços tais circunstâncias negativas que são suportadas, de forma difusa, pelos consumidores.
  • Neste sentido, a recente Súmula 543, do E. STJ, vem assim redigida:
  • “Na hipótese de resolução de contrato de promessa de compra e venda de imóvel submetido ao Código de Defesa do Consumidor, deve ocorrer a imediata restituição das parcelas pagas pelo promitente comprador - integralmente, em caso de culpa exclusiva do promitente vendedor/construtor, ou parcialmente, caso tenha sido o comprador quem deu causa ao desfazimento”.
  • Dando os trâmites por findos e por estes fundamentos, julgo procedente a presente ação judicial movida contra Melbourne Investimentos Imobiliários Ltda.
  • Via de consequência, DECLARO por sentença judicial rescindido o “Instrumento Particular de Compromisso de Compra e Venda de unidade autônoma”, referente à unidade residencial nº 64, Torre A, no empreendimento Condomínio Flex Jundiaí II, remetendo-se as partes litigantes ao status quo ante ao momento da sua assinatura, CONDENANDO a ré “a restituir em parcela única o equivalente a 100% (cem por cento) dos valores pagos no importe de R$ 43.215,00 (quarenta e três mil, duzentos e quinze reais), corrigidos monetariamente a partir do desembolso de cada parcela”.
  • Juros moratórios legais devidos desde a data da citação da ré.”

Processo nº 1071043-15.2016.8.26.0100

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-atraso-na-entrega-pela-incorporadora/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: mercadante@mercadanteadvocacia.comSite: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria