Decisão do Foro Central de São Paulo determinou à incorporadora que devolva parte considerável das parcelas pagas em contrato, à vista e acrescido de correção monetária desde cada pagto. e com juros de 1% a.m. Saiba mais.

Um casal de compradores de duas unidades residenciais na planta no empreendimento denominado Condomínio SP New Home, em São Paulo, perante a incorporadora Esser (o nome da SPE era: Esser Mabruk Empreendimentos Imobiliários Ltda.), obteve vitória na Justiça paulista com a declaração de quebra dos “Instrumentos Particulares de Promessa de Venda e Compra de imóvel” por ato dos próprios adquirentes, que já não mais suportavam arcar com o pagamento das parcelas, obtendo a devolução à vista de 80% sobre os valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês a partir da citação até a efetiva devolução.

A aquisição dos projetos de imóveis na planta ocorreu em junho de 2013, quando então os pretensos compradores assinaram os contratos perante a incorporadora. Após cerca de 2,5 anos pagando as parcelas, procuraram pela incorporadora para obter a rescisão amigável dos negócios.

Porém, a incorporadora informou que devolveria o equivalente a 60% (sessenta por cento) dos valores pagos em contrato. Inconformados com a resposta obtida perante a vendedora, os compradores procuraram o Poder Judiciário.

O escritório MERCADANTE ADVOCACIA ingressou com uma Ação de Rescisão Contratual perante a Comarca de São Paulo, expondo a situação ao Juiz do caso e solicitando o desfazimento dos negócios por ato dos adquirentes, bem como a condenação da incorporadora na restituição de parte considerável dos valores pagos.

A Juíza de Direito da 6ª Vara Cível, Dra. Lúcia Caninéo Campanhã, em sentença datada de 19 de abril de 2017, JULGOU PARCIALMENTE PROCEDENTE a ação para condenar a incorporadora na restituição à vista de 80% (oitenta por cento) dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês a partir da citação até a efetiva devolução.

A Juíza fundamentou sua decisão no sentido de que o comprador de imóvel na planta, mesmo inadimplente, tem direito à devolução dos valores pagos, pois não pode existir locupletamento ilícito por parte da incorporadora.

Nas palavras da magistrada:

  • “Trata-se de pedido de rescisão contratual cumulado com restituição das quantias pagas decorrentes do instrumento particular de compromisso de venda e compra de imóvel.
  • O autor comprometeu-se a adquirir as unidades nºs nº 601 615, do empreendimento denominado Condomínio SP New Home, na data de 26 de junho de 2013 (fls.20/46 e 47/73) e, conforme alegado na petição inicial, por dificuldades financeiras não tem mais condições de arcar com as prestações pactuadas.
  • Aplica-se a Súmula 1 do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo: "o compromissário comprador de imóvel, mesmo inadimplente, pode pedir a rescisão do contrato e reaver as quantias pagas, admitida a compensação com gastos próprios de administração e propaganda feitos pelo compromissário vendedor, assim como com o valor que se arbitrar pelo tempo de ocupação do bem."
  • Constou da cláusula 10.03.02, a dedução de 40% dos valores pagos pelo comprador para ressarcimento dos custos com publicidade, comercialização, impostos e administração do contrato (fls.35/36 e 62/63).
  • Ocorre que a perda total das quantias pagas é vedada pelo art.53 do Código de Defesa do Consumidor.
  • Desta forma, considerando a penalidade excessiva, impõe-se a redução proporcional da pena estipulada, em consonância com os artigos transcritos. A cláusula penal, embora válida, razão pela qual deixo de declarar a nulidade, passa a ser reduzida equitativamente pelo juízo.
  • No caso, razoável a devolução de 80% das prestações pagas. A diferença será utilizada para indenizar a requerida das despesas com a publicidade, venda e custos diversos, ressaltando que não se tem notícia de que o autor recebeu a posse do imóvel.
  • Ademais, com a rescisão do contrato, as unidades voltarão para a vendedora que poderá negociar novamente os bens.
  • Ademais, o autor estava adimplente (fls.74/75) quando distribuiu a presente ação. Deve-se levar em consideração o curto lapso temporal entre a suspensão dos pagamentos e a rescisão contratual .
  • Quanto aos juros de mora, entendo que se aplica o disposto no art.397, parágrafo único, combinado com o art.405 ambos do Código Civil, além do art.240 do Código de Processo Civil. Assim, diante da expressa disposição legal, não havendo termo, contam-se os juros de mora a partir da citação.
  • Diante do exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para rescindir o instrumento particular de promessa de venda e compra referente às unidades nºs 601 e 615, reduzir a cláusula penal, condenar a ré na devolução em única parcela de 80% dos valores desembolsados, atualizados monetariamente a partir do pagamento de cada parcela, com juros de mora de 1% ao mês a partir da citação.”

Processo nº 1107560-19.2016.8.26.0100

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: mercadante@mercadanteadvocacia.comSite: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria