O caso teve origem na aquisição de uma unidade comercial, localizada na região central de SP, sendo certo que a justiça paulistana determinou a restituição de grande parte dos valores pagos em contrato, à vista + correção monetária e juros de 1% a.m.

Uma adquirente de unidade comercial no empreendimento Condomínio Augusta Comercial, localizado na região central de São Paulo, obteve vitória perante a justiça paulista com a decisão que declarou a quebra do contrato por ato da própria adquirente, que já não mais suportava arcar com as parcelas, mediante a obtenção de devolução à vista de 90% dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

A compra da unidade ainda na planta ocorreu em setembro de 2011, quando então a pretensa compradora efetivou a assinatura do contrato. O prazo de entrega do empreendimento era previsto para janeiro de 2015, com possibilidade de tolerância e até mais 180 dias, sendo certo que a compradora deixou de pagar a parcela final, atinente ao financiamento bancário do saldo devedor, em razão de mudança no cenário financeiro, provocando a impossibilidade de contrair o necessário financiamento bancário.

Impossibilitada de continuar o pagamento, procurou pela incorporadora a fim de obter o distrato amigável do negócio anteriormente celebrado e a devolução de grande parte dos valores pagos.

Entretanto, a incorporadora limitou-se a informar que seguiria os termos do contrato, através do qual reteria 60% (sessenta por cento) dos valores pagos, o que não foi admitido pela compradora.

O Juiz de Direito da 04ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, Dr. Rodrigo César Fernandes Marinho, em sentença datada de 18 de janeiro de 2016, JULGOU PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por ato da compradora, condenando a incorporadora Brookfield na restituição à vista de 90% (noventa por cento) dos valores pagos em Contrato, acrescidos de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

No entendimento do magistrado, foi ponderado o seguinte sobre a necessidade de condenação da incorporadora na restituição de 90% dos valores pagos em contrato:

  • “Não controvertem as partes quanto ao pedido de rescisão do contrato.
  • E, mesmo que a rescisão tenha ocorrido por iniciativa da autora, que deixou de pagar a parcela vencida em dezembro de 2015, é certo que a ré, por sua vez, não concluiu o empreendimento no prazo ajustado no contrato.
  • A devolução das parcelas pagas resulta da lei e tem por escopo evitar a criação de situação privilegiada em favor da credora, que é beneficiada com a retomada do imóvel e a retenção de parte do preço pago.
  • A solução mais adequada a ser dada à lide deve ser no sentido de evitar o locupletamento de uma parte em detrimento de outra.
  • Significa, em essência dizer, que assim como a compradora não pode perder todas as parcelas que pagou, também o promitente-vendedor não pode sofrer as despesas decorrentes da celebração do contrato que a outra parte não teve condições de cumprir, tais como despesas com as tratativas e formalização do negócio etc.
  • Feitas estas considerações, resta fixar o quantum a ser retido pela ré, como pena pelo descumprimento do contrato.
  • A aplicação cláusula indicada na contestação implicaria na devolução de valor desproporcional e em discordância com a jurisprudência dominante.
  • Levando-se em consideração o valor efetivamente pago e a orientação predominante em nossos tribunais, fica assegurado à ré o direito de reter 10% do que recebeu.”

Condenação:

  • “Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido da presente ação para declarar a rescisão do contrato e condenar a ré a restituir 90% das parcelas pagas pela autora, com correção monetária desde o desembolso e juros de mora de 1% ao mês a contar da citação.”

Processo nº 1110220-20.2015.8.26.0100

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso