Decisão de São Bernardo do Campo ressalta entendimento jurisprudencial dominante sobre a matéria e impõe à incorporadora a devolução de parte expressiva dos valores pagos ao comprador de imóvel na planta, à vista, acrescido de correção monetária e juros

Um adquirente de imóvel residencial na planta no empreendimento denominado “Condomínio Tons do Morumbi”, na cidade de Paulínia, interior de São Paulo, obteve vitória perante a justiça paulista com a decisão que declarou a quebra do contrato por ato do adquirente, que já não mais suportava arcar com as parcelas contratuais, com a obtenção da devolução à vista de 90% dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

A compra ocorreu em maio de 2013, quando então decidiu adquirir um imóvel residencial na planta da incorporadora ACS. Após cerca de 2,5 anos pagando as parcelas, decidiu procurar pela incorporadora a fim de obter o distrato amigável do negócio anteriormente celebrado e a devolução de grande parte dos valores pagos.

Porém, a incorporadora simplesmente recusava qualquer contato nesse sentido, motivando o comprador a procurar auxílio perante o Poder Judiciário.

O escritório MERCADANTE ADVOCACIA ingressou com Ação de Rescisão Contratual perante o Foro da Comarca de São Bernardo do Campo, expondo a situação ao Juiz do caso e solicitando o desfazimento do negócio por ato do adquirente, bem como a condenação da incorporadora na restituição do equivalente a 90% dos valores pagos.

A Juíza de Direito da 01ª Vara Cível de São Bernardo do Campo, Dra. Fabiana Feher Recasens, em sentença datada de 17 de março de 2016, JULGOU PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por ato do comprador, amparado pela súmula nº 1 do Tribunal de Justiça de São Paulo, além de condenar a incorporadora ACS na restituição à vista de 90% (noventa por cento) dos valores pagos em Contrato, acrescido de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

No entendimento da magistrada foi ponderado o seguinte sobre a necessidade de condenação da incorporadora na restituição de 90% dos valores pagos em contrato:

  • “Preambularmente, destaco a aplicação do Código de Defesa do Consumidor ao in casu, posto que o autor figura como destinatário final do serviço fornecido pela ré, havendo entres elas relação de consumo.
  • Decorrente da legislação consumerista depreende-se que é permitido ao consumidor rescindir o contrato a qualquer momento, desde que suporte o ônus contratual.
  • No contrato firmado entre as partes, não há expressa previsão quanto à possibilidade de rescisão contratual e suas consequências.
  • Ademais, a contestação da requerida se apresenta de forma genérica e dissociada do pleito autoral.
  • Saliente-se que, pelos documentos acostados e pela planilha apresentada, o requerente quitou o importe de R$81.665,77.
  • O próprio autor pleiteia a devolução de apenas 90% dos valores pagos. O percentual de 10% de retenção do valor pago, descontadas as despesas do imóvel, é razoável e não acarreta enriquecimento ilícito por parte da construtora.
  • Como consequência, o retorno das partes ao status quo ante deve respeitar as cláusulas contratuais estabelecidas, desde que não haja abusividade, sendo de rigor que se acolha o pleito de rescisão do contrato.
  • Isto posto, JULGO PROCEDENTE a ação, declarando rescindido o contrato celebrado entre as partes e condenando a ré na devolução de 90% do valor efetivamente pago pelo autor, em uma única parcela, atualizado o valor desde o pagamento e com juros de mora de 1% ao mês.”

O processo teve duração de um mês na primeira instância.

Processo nº 1002089-77.2016.8.26.0100

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso