Analisando decisão da primeira instância, o TJSP manteve a sentença que impôs a incorporadora a devolução de parte substancial das parcelas pagas em contrato, além de determinar a restituição integral da taxa SATI. Saiba mais!

Um casal que havia adquirido duas unidades comerciais na planta perante a incorporadora HELBOR, no empreendimento denominado “Condomínio Helbor Up Offices”, em São Paulo, obteve vitória na segunda instância da justiça paulista com a manutenção da decisão inicial que havia declarado a quebra do contrato por ato dos próprios adquirentes, que já não mais suportavam arcar com as parcelas, com a obtenção da devolução à vista de 90% dos valores pagos em Contrato, além da determinação na devolução integral de valor indevidamente pago a título de taxa denominada SATI, tudo acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

Em primeira instância a Juíza de Direito da 4ª Vara Cível do Foro Regional do Tatuapé, Dra. Mariana Dalla Bernardina, havia julgado parcialmente procedente a ação para rescindir o Contrato por ato dos compradores, amparado pela súmula nº 1 do Tribunal de Justiça de São Paulo, além de condenar a incorporadora na restituição à vista de 90% (noventa por cento) dos valores pagos em Contrato e 100% do valor pago a título de taxa SATI.

Condenada em primeira instância, a incorporadora HELBOR optou por interpor recurso de apelação, solicitando a revisão da decisão para uma retenção de 20% (vinte por cento), correspondente a patamar mais justo no compreender da incorporadora e que efetivamente compensaria os prejuízos que alegou sofrer com a rescisão do negócio por ato do comprador, além de argumentar acerca da ilegitimidade passiva para a devolução da taxa SATI e validade na cobrança daquele valor.

Recurso processado e distribuído perante a 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, tendo como Relator o Desembargador José Roberto Furquim Cabella.

O julgamento ocorreu em 10 de março de 2016, sendo certo que a 6ª Câmara manteve a sentença de primeira instância nesses dois aspectos.

Sobre a alegação de parte ilegítima suscitada pela incorporadora, assim se posicionou o Desembargador:

  • “A incorporadora requerida, sustenta, inicialmente, que é parte ilegítima no que diz respeito à devolução da taxa de assessoria imobiliária, pois o serviço foi pago para uma terceira empresa.
  • Anote-se, inicialmente, que não há que se falar em ilegitimidade passiva da empresa requerida no que se refere à taxa SATI.
  • Conforme se verifica na documentação trazida aos autos com a inicial, a demandada participou diretamente da venda e conclusão do negócio.
  • Ademais, os artigos 7º, parágrafo único, e 25, §1º, do Código de Defesa do Consumidor impõem a responsabilidade solidária de todos os fornecedores da cadeia de consumo pelos prejuízos causados aos consumidores.
  • Sendo assim, de rigor o reconhecimento da legitimidade da ré para figurar no polo passivo do feito.”

Sobre a necessidade de condenação da incorporadora na restituição de grande parte dos valores pagos pelos compradores a título de parcelas do contrato, assim determinou o relator:

  • “Vale consignar que no tocante ao percentual de retenção decorrente da rescisão dos contratos, o reclamo da empresa apelante não comporta acolhimento. Isso porque o pretendido abatimento de 20% dos valores pagos pelos autores a título de aquisição dos bens é abusivo e contraria o disposto no art. 51 do Código de Defesa do Consumidor.
  • Desta forma, tal como disposto na sentença, a retenção de 10% do montante efetivamente quitado pelos requerentes se mostra justa e suficiente para o ressarcimento das despesas administrativas suportadas pela alienante.”

Sobre a cobrança de taxa denominada SATI, sustentou o Relator o seguinte argumento:

  • “No que se refere à taxa SATI, observa-se que o contrato firmado entre as partes é pouco elucidativo quanto aos serviços de assessoria prestados, incorrendo em evidente violação ao artigo 6º, III do Código de Defesa do Consumidor que assim dispõe: “são direitos básicos do consumidor (...) a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem”.
  • A ausência de informação torna difícil até mesmo distinguir em que difere o serviço correspondente à SATI (taxa de serviço de assessoria técnico-imobiliária) do serviço de corretagem.
  • Sendo assim, cumpre reconhecer a ilegalidade da cobrança de verba a título de assessoria jurídica para a elaboração do contrato de compromisso de venda e compra.
  • Isto porque trata-se de contrato padrão, igual para todos os adquirentes de um mesmo empreendimento imobiliário, elaborado pela fornecedora, com cláusulas de adesão nitidamente favoráveis a si própria.
  • Evidente que o repasse do suposto custo de elaboração de um contrato padrão para os promitentes compradores é abusivo. Aludido contrato de adesão é naturalmente elaborado por advogados da incorporadora e em proveito desta. Não faria o menor sentido que os promitentes compradores pagassem o advogado para defender os interesses do outro contratante.”

Ao final da decisão, por votação unânime, os Desembargadores da 6ª Câmara, mantiveram a sentença de primeira instância para condenar a incorporadora HELBOR na devolução à vista de 90% dos valores pagos em Contrato e 100% da taxa denominada SATI, acrescidos de correção monetária desde cada pagamento (correção monetária retroativa) e juros legais de 1% ao mês a partir da citação até o momento da efetiva restituição.

Processo nº 1014781-98.2014.8.26.0008

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo e Mercadante Advocacia (especialista em Direito Imobiliário e Rescisão de Contratos de Promessa de Venda e Compra de imóvel na planta)

www.mercadanteadvocacia.com

Gostou do artigo? Veja a íntegra da decisão judicial em:

http://mercadanteadvocacia.com/decisao/rescisaodistrato-do-contrato-por-ato-do-comprador/

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso