Decisão oriunda da Comarca de Santos determinou a devolução de grande parte dos valores pagos em contrato ao comprador, bem como impôs a devolução das quantias pagas a título de comissão de corretagem, acrescido de correção monetária retroativa e juros.

Um comprador de imóvel residencial na planta no empreendimento denominado Condomínio Marco Zero Home, em São Bernardo do Campo, perante a incorporadora M.Bigucci (o nome da SPE era: Big Top 2 Incorporadora Ltda.), obteve vitória na Justiça Estadual de Santos com a declaração de quebra do “Instrumento Particular de Promessa de Venda e Compra de imóvel” por ato do adquirente, que já não mais suportava arcar com as parcelas, obtendo a devolução à vista de 90% sobre os valores pagos em Contrato, bem como idêntico percentual das quantias pagas no início da aquisição e que foram destinadas ao pagamento de comissão de corretagem, tudo acrescido de correção monetária desde cada pagamento (correção retroativa) + juros de 1% ao mês.

A ação de rescisão contratual fora ajuizada em novembro de 2015 e o Juiz de Direito da 01ª Vara Cível da Comarca de Santos, Dr. Paulo Sérgio Mangerona, em sentença datada de 19 de abril de 2016, JULGOU PARCIALMENTE PROCEDENTE a ação para rescindir o Contrato por ato do comprador e condenou a incorporadora na restituição à vista de 90% (noventa por cento) dos valores pagos em Contrato, bem como idêntico percentual sobre os valores pagos a título de comissão de corretagem, amparado pelo artigo 53 do Código de Defesa do Consumidor, acrescidos de correção monetária sobre cada um dos pagamentos e juros de 1% ao mês.

O Juiz fundamentou sua decisão no sentido de que o comprador de imóvel tem o direito à obtenção de grande parte dos valores pagos em caso de impossibilidade de continuar os pagamentos.

Sobre a cobrança de valores no início da aquisição a título de comissão de corretagem, assim se manifestou o magistrado:

  • “A comissão de corretagem invariavelmente integrou o preço do imóvel, daí a não vinculação desta ação com aquela que tramita junto ao C. STJ.
  • De outro lado, tem-se que os documentos que instruíram a inicial comprovam à saciedade a existência do vínculo jurídico contratual entre as partes, sendo nítida a relação de consumo que as envolve.
  • Como é sabido, o consumidor não pode efetivamente ser colocado em situação de extrema desvantagem ou incompatível com a boa-fé e a equidade (art. 51 do CDC).
  • Frise-se, também, que os corretores contratados ou autorizados pela vendedora para intermediar o negócio não estão lá preocupados em assessorar o possível adquirente, mas única e simplesmente em vender o imóvel, nas condições impostas pela alienante, para com isso receberem a comissão devida.
  • Por conseguinte, rompido a relação contratual, há de se restituir ao autor a maior parte dos valores pagos, na forma do artigo 53 do CDC, onde está obviamente incluída a comissão de corretagem.
  • Consoante já decidido, os profissionais contratados pela ré agiram como seus prepostos, trabalhando em “stand” de vendas especialmente construído no local e na defesa dos seus exclusivos interesses (Neste sentido: TJSP 9ª Câmara de Direito Privado (Apelação Cível nº 9162374-29.2008.8.26.0000, Relator Desembargador José Luiz Gavião de Almeida, julgado em 18/12/2012).”

Sobre a necessidade de restituição ao comprador do equivalente a 90% dos valores pagos em contrato, determinou o seguinte:

  • “O artigo 53 do CDC estabelece que, nos contratos de compra e venda de imóveis, mediante pagamento em prestações, consideram-se nulas de pleno direito as cláusulas que estabeleçam a perda total das prestações pagas em benefício do credor.
  • Na hipótese, como a intenção de rescisão contratual parte unicamente dos autores, evidente se mostra a necessidade de compensar de alguma forma a quebra da avença em relação à requerida, empresa que invariavelmente suportou gastos administrativos, com publicidade e a confecção do contrato.
  • De rigor, assim, com base em vários precedentes jurisprudenciais e no detalhe de que o autor não usufruiu ou ocupou o imóvel adquirido, a devolução de 90% de todos os valores por ele pago (Neste sentido: STJ - REsp 51.019-SP, rel. Min. Barros Monteiro; 94.271-SP, rel. Ruy Rosado de Aguiar; 111.091-AM, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar).
  • O percentual de 10% restante bem remunera as perdas e danos da requerida, além dos seus gastos administrativos e com comissão de corretagem.
  • E tal restituição há de ser imediata, sob pena de onerosidade excessiva do consumidor (Súmula 02 do TJSP).
  • Ajustando-se ao caso em apreço, a propósito, vale mencionar o seguinte julgado:
  • “TJSP- 9110904-27.2006.8.26.0000 Apelação Relator(a): Luís Francisco Aguilar Cortez Comarca: São Paulo Órgão julgador: 2ª Câmara de Direito Privado Data do julgamento: 28/06/2011 Data de registro: 04/07/2011 Outros números: 994061321058 - Ementa: COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA - Desistência do comprador - Rescisão - Cláusulas contratuais excessivas e abusivas - Devolução das parcelas pagas que deve ser imediata e de uma só vez - Aplicação do Código de Defesa do Consumidor - Retenção de 10% dos valores pagos - Percentual justo a título de despesas administrativas - Sentença mantida - Recurso não provido.”

Tópico final da sentença:

  • “Isto posto e considerando o mais que dos autos consta, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE a presente ação para o fim de rescindir o contrato de compra e venda de imóvel celebrado entre as partes, determinando a restituição de forma simples ao autor de 90% de todos os valores pagos à requerida, onde está incluída a comissão de corretagem, tudo com correção monetária desde o desembolso desses valores e juros de 1% ao mês desde a citação.”

A decisão é de primeira instância e a incorporadora recorreu.

Processo nº 1028827-45.2015.8.26.0562

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo

www.mercadanteadvocacia.com

* O texto apresentado tem caráter meramente didático, informativo e ilustrativo, não representando consultoria ou parecer de qualquer espécie ou natureza do escritório Mercadante Advocacia. O tema comentado é público e os atos processuais praticados foram publicados na imprensa oficial.


Autor

  • Ivan Mercadante Boscardin

    OAB/SP 228.082Advogado especialista em Direito Imobiliário e Consumidor • São Paulo (SP). Advogado atuante há mais de dez anos no Estado de São Paulo Formado pela Universidade São Judas Tadeu Especialista em: Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial (IASP) Direito Processual Civil (PUC SP) Direito Imobiliário e Registral (EPD) Arbitragem nacional e estrangeira (USA/UK) Autor do livro: Aspectos Gerais da Lei de Arbitragem no Brasil Idiomas: Português e Inglês. E-mail: [email protected]: www.mercadanteadvocacia.com - Telefones: 11-4123-0337 e 11-9.4190-3774 (cel. Vivo) - perfil também visualizado em: ivanmercadante.jusbrasil.com.br

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso